Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Tribunal da Lava Jato nega indulto a ex-chefe do setor de propina da Odebrecht



21/10/2020 | 15:12


A 4ª Seção do Tribunal Regional Federal da 4ª Região negou indulto de pena ao ex-executivo do Grupo Odebrecht Hilberto Mascarenhas Alves da Silva Filho, condenado a 7 anos e 6 meses de reclusão por lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato. Ele era apontado pelo Ministério Público Federal como chefe do Departamento de Operações Estruturadas da empreiteira e foi condenado no mesmo processo que o ex-ministro Antônio Palocci, tanto em primeira como em segunda instância.

As informações foram divulgadas pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Os desembargadores da Seção do TRF-4 especializada em Direito Penal negaram um recurso em que a defesa de Hilberto Mascarenhas questionava o acórdão da corte que, em junho deste ano, já havia negado a concessão do indulto ao ex-chefe do Departamento de Operações Estruturadas.

Os advogados do réu requereram a prevalência do voto que foi vencido naquele acórdão, para considerar, unicamente, a pena efetivamente imposta em sede de sentença transitada em julgado, para fins de aplicação do indulto concedido pelo Decreto Presidencial nº 9.246/17, assinado pelo ex-presidente Michel Temer.

No entanto, os magistrados da 4ª Seção decidiram no sentido de acompanhar o voto majoritário do acórdão, em que ficou estabelecido que a pena unificada de 30 anos prevista no acordo de delação premiada firmado entre Mascarenhas e a Procuradoria-Geral da República é a base de cálculo adequada para incidência dos dispositivos do Decreto nº 9.246/17.

No entendimento da desembargadora federal Cláudia Cristina Cristofani, relatora do recurso, uma vez que os requisitos ajustados no acordo de colaboração ainda não foram cumpridos pelo réu, ''não pode o colaborador, ao término do pacto, vir a Juízo pedir por benefícios eventualmente não concedidos ou pretender a relativização de obrigações por ele assumidas''.

COM A PALAVRA, HILBERTO MASCARENHAS

Até a publicação desta matéria, a reportagem buscou contato com o ex-executivo, mas sem sucesso. O espaço permanece aberto a manifestações.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Tribunal da Lava Jato nega indulto a ex-chefe do setor de propina da Odebrecht


21/10/2020 | 15:12


A 4ª Seção do Tribunal Regional Federal da 4ª Região negou indulto de pena ao ex-executivo do Grupo Odebrecht Hilberto Mascarenhas Alves da Silva Filho, condenado a 7 anos e 6 meses de reclusão por lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato. Ele era apontado pelo Ministério Público Federal como chefe do Departamento de Operações Estruturadas da empreiteira e foi condenado no mesmo processo que o ex-ministro Antônio Palocci, tanto em primeira como em segunda instância.

As informações foram divulgadas pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Os desembargadores da Seção do TRF-4 especializada em Direito Penal negaram um recurso em que a defesa de Hilberto Mascarenhas questionava o acórdão da corte que, em junho deste ano, já havia negado a concessão do indulto ao ex-chefe do Departamento de Operações Estruturadas.

Os advogados do réu requereram a prevalência do voto que foi vencido naquele acórdão, para considerar, unicamente, a pena efetivamente imposta em sede de sentença transitada em julgado, para fins de aplicação do indulto concedido pelo Decreto Presidencial nº 9.246/17, assinado pelo ex-presidente Michel Temer.

No entanto, os magistrados da 4ª Seção decidiram no sentido de acompanhar o voto majoritário do acórdão, em que ficou estabelecido que a pena unificada de 30 anos prevista no acordo de delação premiada firmado entre Mascarenhas e a Procuradoria-Geral da República é a base de cálculo adequada para incidência dos dispositivos do Decreto nº 9.246/17.

No entendimento da desembargadora federal Cláudia Cristina Cristofani, relatora do recurso, uma vez que os requisitos ajustados no acordo de colaboração ainda não foram cumpridos pelo réu, ''não pode o colaborador, ao término do pacto, vir a Juízo pedir por benefícios eventualmente não concedidos ou pretender a relativização de obrigações por ele assumidas''.

COM A PALAVRA, HILBERTO MASCARENHAS

Até a publicação desta matéria, a reportagem buscou contato com o ex-executivo, mas sem sucesso. O espaço permanece aberto a manifestações.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;