Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

CNI projeta quedas de 4,2% para PIB geral e de 4,1% para o PIB industrial



21/10/2020 | 10:14


Em linha com as principais estimativas do governo e do mercado para a recessão da economia brasileira em 2020, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) manteve nesta quarta-feira, 21, sua projeção para a queda do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano para 4,2%. A previsão é igual a do último Informe Conjuntural da entidade, divulgado em maio.

Apesar da recuperação no terceiro trimestre do ano, a CNI espera uma queda de 4,1% no PIB industrial em 2020. A indústria de transformação sofrerá mais, com um encolhimento de 6,3% no ano, enquanto a indústria da construção civil deve ter retração de 4,5%. Por outro lado, a projeção para indústria extrativa é de alta 2,1%.

Após o pior momento da pandemia da covid-19 ter ficado para trás, a CNI projeta um crescimento do PIB brasileiro de 9% no terceiro trimestre do ano em relação ao segundo trimestre, com alta de 10% no PIB industrial no mesmo período.

Na avaliação da entidade, a recuperação na indústria de transformação deve se ampliar no terceiro trimestre para segmentos que iniciaram a retomada tardiamente, como bens de consumo duráveis e bens de capital.

Para o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, embora a recuperação da economia esteja sendo rápida, ainda não há uma retomada do crescimento econômico em relação às condições pré-crise. O executivo alerta que a redução dos estímulos criados na pandemia pode ter um efeito contracionista relevante se ocorrer de forma apressada.

"Antes da crise, o País mostrava falta de competitividade, por isso, sem avanços na agenda de reformas, em especial da tributária, a economia brasileira não sairá da armadilha da renda média", considerou, em nota. "A questão que se põe, neste momento, é como acelerar essa retomada, adotando medidas para estimular um crescimento mais vigoroso e sustentado ao longo do tempo, com investimentos e criação de empregos", completou Andrade.

Outros indicadores

O Informe Conjuntural da CNI também trouxe atualizações nas estimativas para os principais indicadores da economia. A entidade projeta uma taxa de desemprego em 13,5% ao fim de 2020, com uma inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) prevista em 2,57% no acumulado até dezembro.

A CNI projeta uma Selic estável nos atuais 2,0% ao ano até o fim de 2020, com uma taxa média de câmbio de R$ 5,20 no mês de dezembro. A entidade estima ainda um déficit primário do setor público de 11,77% do PIB neste ano, com a Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG) chegando a 93,70% do PIB.

Para o setor externo, a CNI estima um superávit comercial de US$ 56,4 bilhões em 2020, com exportações totais de US$ 210,7 bilhões e importações de US$ 154,3 bilhões. O déficit nas transações correntes deste ano deve ficar em US$ 13,5 bilhões.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

CNI projeta quedas de 4,2% para PIB geral e de 4,1% para o PIB industrial


21/10/2020 | 10:14


Em linha com as principais estimativas do governo e do mercado para a recessão da economia brasileira em 2020, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) manteve nesta quarta-feira, 21, sua projeção para a queda do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano para 4,2%. A previsão é igual a do último Informe Conjuntural da entidade, divulgado em maio.

Apesar da recuperação no terceiro trimestre do ano, a CNI espera uma queda de 4,1% no PIB industrial em 2020. A indústria de transformação sofrerá mais, com um encolhimento de 6,3% no ano, enquanto a indústria da construção civil deve ter retração de 4,5%. Por outro lado, a projeção para indústria extrativa é de alta 2,1%.

Após o pior momento da pandemia da covid-19 ter ficado para trás, a CNI projeta um crescimento do PIB brasileiro de 9% no terceiro trimestre do ano em relação ao segundo trimestre, com alta de 10% no PIB industrial no mesmo período.

Na avaliação da entidade, a recuperação na indústria de transformação deve se ampliar no terceiro trimestre para segmentos que iniciaram a retomada tardiamente, como bens de consumo duráveis e bens de capital.

Para o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, embora a recuperação da economia esteja sendo rápida, ainda não há uma retomada do crescimento econômico em relação às condições pré-crise. O executivo alerta que a redução dos estímulos criados na pandemia pode ter um efeito contracionista relevante se ocorrer de forma apressada.

"Antes da crise, o País mostrava falta de competitividade, por isso, sem avanços na agenda de reformas, em especial da tributária, a economia brasileira não sairá da armadilha da renda média", considerou, em nota. "A questão que se põe, neste momento, é como acelerar essa retomada, adotando medidas para estimular um crescimento mais vigoroso e sustentado ao longo do tempo, com investimentos e criação de empregos", completou Andrade.

Outros indicadores

O Informe Conjuntural da CNI também trouxe atualizações nas estimativas para os principais indicadores da economia. A entidade projeta uma taxa de desemprego em 13,5% ao fim de 2020, com uma inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) prevista em 2,57% no acumulado até dezembro.

A CNI projeta uma Selic estável nos atuais 2,0% ao ano até o fim de 2020, com uma taxa média de câmbio de R$ 5,20 no mês de dezembro. A entidade estima ainda um déficit primário do setor público de 11,77% do PIB neste ano, com a Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG) chegando a 93,70% do PIB.

Para o setor externo, a CNI estima um superávit comercial de US$ 56,4 bilhões em 2020, com exportações totais de US$ 210,7 bilhões e importações de US$ 154,3 bilhões. O déficit nas transações correntes deste ano deve ficar em US$ 13,5 bilhões.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;