Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 23 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Cármen Lúcia anula decisão contra 'Estadão'



21/10/2020 | 07:07


A ministra do Supremo Tribunal Federal Cármen Lúcia anulou uma decisão da Quarta Turma Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) que havia determinado a "remoção ou a correção" de uma reportagem do Estadão publicada em 2011.

Cármen apontou restrição à liberdade de imprensa. "Não há como afastar a conclusão de configurar censura judicial imposta à empresa jornalística", escreveu em decisão liminar. A ministra determinou ao TJ-SP que faça um novo julgamento.

A reportagem informou que, em 2009, o responsável pela Subprefeitura da Penha à época, Cássio Freire Loschiavo, nomeara a mulher, Theodora Cristina Messora, como supervisora técnica da subprefeitura. Em 2018, Theodora pediu à Justiça a retirada da reportagem do ar e indenização por danos morais.

Na primeira instância, o pedido foi negado. Na segunda instância, a Quarta Turma Cível do TJ-SP, em dezembro de 2019, atendeu à solicitação para determinar a retirada da notícia do ar ou sua correção, por entender que houve "dados imprecisos".

Segundo a advogada Ana Carolina de Morais Guerra, do escritório Affonso Ferreira Advogados, que representa o Estadão na ação, a decisão da ministra do Supremo prioriza a "liberdade de imprensa como sendo um 'direito essencial à democracia'". Segundo ela, a retirada da notícia do arquivo digital do jornal "configura, sim, censura".

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cármen Lúcia anula decisão contra 'Estadão'


21/10/2020 | 07:07


A ministra do Supremo Tribunal Federal Cármen Lúcia anulou uma decisão da Quarta Turma Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) que havia determinado a "remoção ou a correção" de uma reportagem do Estadão publicada em 2011.

Cármen apontou restrição à liberdade de imprensa. "Não há como afastar a conclusão de configurar censura judicial imposta à empresa jornalística", escreveu em decisão liminar. A ministra determinou ao TJ-SP que faça um novo julgamento.

A reportagem informou que, em 2009, o responsável pela Subprefeitura da Penha à época, Cássio Freire Loschiavo, nomeara a mulher, Theodora Cristina Messora, como supervisora técnica da subprefeitura. Em 2018, Theodora pediu à Justiça a retirada da reportagem do ar e indenização por danos morais.

Na primeira instância, o pedido foi negado. Na segunda instância, a Quarta Turma Cível do TJ-SP, em dezembro de 2019, atendeu à solicitação para determinar a retirada da notícia do ar ou sua correção, por entender que houve "dados imprecisos".

Segundo a advogada Ana Carolina de Morais Guerra, do escritório Affonso Ferreira Advogados, que representa o Estadão na ação, a decisão da ministra do Supremo prioriza a "liberdade de imprensa como sendo um 'direito essencial à democracia'". Segundo ela, a retirada da notícia do arquivo digital do jornal "configura, sim, censura".

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;