Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 23 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Jesuíno Brilhante está em luto com morte do pai do fundador



21/10/2020 | 07:03


Desde que abriu as portas, em abril de 2016, o restaurante Jesuíno Brilhante ostentava dois medalhões, entre muitos outros: a simpatia calma e sem alarde de seu João Batista Rodrigues a percorrer o salão, servindo e acolhendo clientes, e suas mãos, leves, que salgavam a carne-de-sol servida no endereço nordestino, mãos que tinham a medida certa do sal.

Desde ontem (20), no entanto, a casa não poderá ostentar mais esses dois medalhões. Às 8h da manhã, João morreu em São Paulo, aos 65 anos, em decorrência de um câncer no cólon. João Batista enfrentava a doença havia alguns meses, tendo começado o tratamento às vésperas dos decretos de isolamento social por conta do coronavírus, quando o restaurante também passou a ficar de portas fechadas, servindo apenas delivery.

João veio morar em São Paulo a convite do filho e dono do restaurante, Rodrigo Levino, cerca de quatro anos atrás, para ajudar com o estabelecimento. Morava no andar superior do sobrado onde a casa foi inaugurada, na Rua Arruda Alvim, no bairro de Pinheiros, em São Paulo. Salgava a carne por 12 horas, como havia aprendido em Caicó, no interior do Rio Grande do Norte. A cidade, considerada a capital potiguar da carne-de-sol, foi onde morou a família por anos.

De tão incomodado com a quantidade de sal que colocavam na carne em sua cidade, João desenvolveu o próprio método - e não havia cliente que não saísse elogiando suas peças no Jesuíno Brilhante.

"É tudo no olho. Se o clima está frio, demora mais para curar", disse João a esta repórter em 2016, quando a casa foi inaugurada.

Naquela época, mostrou com orgulho a cadeira de balanço que trouxe de Caicó e onde gostava de se sentar no restaurante. Ali, ele esteve ao lado do filho Rodrigo todos esses anos, ajudando a gerenciar a casa, fazendo compras e pedidos, e tomando conta da carne.

"Estou chorando, mas estou feliz pela história dele, pelo que ele deixa", disse Rodrigo, emocionado, durante as horas finais do pai.

Por conta da doença e do tratamento, João Batista Rodrigues se afastou do dia a dia do restaurante em abril, mas continuava a ajudar a distância, supervisionando a carne-de-sol, "ativo o quanto podia", conta Rodrigo. Morreu após seis meses de tratamento do câncer.

O potiguar João Batista Rodrigues deixa a mulher, Miriam, dois filhos, Rodrigo e Rafael, e os netos, Eva e Miguel. A informação é de que o corpo seria cremado em São Paulo.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Jesuíno Brilhante está em luto com morte do pai do fundador


21/10/2020 | 07:03


Desde que abriu as portas, em abril de 2016, o restaurante Jesuíno Brilhante ostentava dois medalhões, entre muitos outros: a simpatia calma e sem alarde de seu João Batista Rodrigues a percorrer o salão, servindo e acolhendo clientes, e suas mãos, leves, que salgavam a carne-de-sol servida no endereço nordestino, mãos que tinham a medida certa do sal.

Desde ontem (20), no entanto, a casa não poderá ostentar mais esses dois medalhões. Às 8h da manhã, João morreu em São Paulo, aos 65 anos, em decorrência de um câncer no cólon. João Batista enfrentava a doença havia alguns meses, tendo começado o tratamento às vésperas dos decretos de isolamento social por conta do coronavírus, quando o restaurante também passou a ficar de portas fechadas, servindo apenas delivery.

João veio morar em São Paulo a convite do filho e dono do restaurante, Rodrigo Levino, cerca de quatro anos atrás, para ajudar com o estabelecimento. Morava no andar superior do sobrado onde a casa foi inaugurada, na Rua Arruda Alvim, no bairro de Pinheiros, em São Paulo. Salgava a carne por 12 horas, como havia aprendido em Caicó, no interior do Rio Grande do Norte. A cidade, considerada a capital potiguar da carne-de-sol, foi onde morou a família por anos.

De tão incomodado com a quantidade de sal que colocavam na carne em sua cidade, João desenvolveu o próprio método - e não havia cliente que não saísse elogiando suas peças no Jesuíno Brilhante.

"É tudo no olho. Se o clima está frio, demora mais para curar", disse João a esta repórter em 2016, quando a casa foi inaugurada.

Naquela época, mostrou com orgulho a cadeira de balanço que trouxe de Caicó e onde gostava de se sentar no restaurante. Ali, ele esteve ao lado do filho Rodrigo todos esses anos, ajudando a gerenciar a casa, fazendo compras e pedidos, e tomando conta da carne.

"Estou chorando, mas estou feliz pela história dele, pelo que ele deixa", disse Rodrigo, emocionado, durante as horas finais do pai.

Por conta da doença e do tratamento, João Batista Rodrigues se afastou do dia a dia do restaurante em abril, mas continuava a ajudar a distância, supervisionando a carne-de-sol, "ativo o quanto podia", conta Rodrigo. Morreu após seis meses de tratamento do câncer.

O potiguar João Batista Rodrigues deixa a mulher, Miriam, dois filhos, Rodrigo e Rafael, e os netos, Eva e Miguel. A informação é de que o corpo seria cremado em São Paulo.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;