Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 27 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Lenny Kravitz lança livro sobre infância, sucesso e romance com Lisa Bonet



19/10/2020 | 12:21


Lenny Kravitz é um homem de extremos, como ele admite sem objeções. "Sou extremamente duplo: preto e branco, judeu e cristão, Manhattan e Brooklynite'', escreve sobre seus primeiros 25 anos de vida em seu novo livro de memórias, Let Love Rule, lançado na semana passada e intitulado como seu álbum de estreia de 1989. "É sobre como eu encontrei minha voz e meu caminho e como eu tropecei em meu destino, seja ele qual for"' disse o artista para a Associated Press.

O livro de 270 páginas, escrito com David Ritz, explora sua infância particular e termina com Kravitz à beira do estrelato e profundamente apaixonado pelo atriz Lisa Bonet. "Paramos por aí e veremos se haverá um segundo livro no futuro''.

Ele não exagera sobre sua infância. Kravitz alternava entre o então difícil bairro de Bedford-Stuyvesant no Brooklyn e um edifício elegante com querubins esculpidos no Upper East Side de Manhattan. Comia patê de fígado com matza (um pão plano tradicional da comida judaica), bem como peixe frito à milanesa com farinha de milho.

Os extremos continuaram ao longo de sua vida. Em seu sexto aniversário, recebeu uma serenata de Duke Ellington e sua banda no famoso Rainbow Room. Anos depois, sua casa foi um Ford Pinto que alugou por US$ 4,99 por dia. "Extremos realmente funcionam para mim. Sinto muito. Estou confortável vivendo dentro de um carro ou uma caixa ou uma barraca ou um trailer, e me sinto confortável morando em um mansão", disse ele. "Obviamente, o intervalo está bom para mim também, mas não sinto da mesma forma, não me alimenta da mesma forma. Eu gosto de equilibrar os extremos."

Kravitz dedicou o livro para sua mãe, a atriz Roxie Roker, conhecida por seu papel como Helen Willis em The Jeffersons, em que fez parte do primeiro casal interracial na TV norte-americana.

O produtor Sy Kravitz, seu pai, era um ex-militar e rigoroso com o jovem Kravitz. Pai e filho entravam em conflito com frequência, culminando em brigas que mudariam a vida de ambos. O cantor disse que escrever sobre seu pai foi curador. "Qualquer julgamento que ele tivesse começou a se dissolver quando o vi com coração fresco e aberto'', disse ele.

Como um deus do rock, Kravitz tem um estilo rock 'n' roll austero que lhe rendeu prêmios Grammy por quatro anos consecutivos, de 1999 a 2002. Mas também não teme mostrar um lado mais idiota no livro, como a primeira e última vez que ficou bêbado, que foi com uma garrafa de vinho Manischewitz, ou quando foi pego roubando cinco fitas do Kiss de uma loja. Há uma cena maluca em que o jovem Kravitz salva uma prostituta adolescente de um cafetão e a esconde em seu quarto.

Ritz, o co-escritor, elogiou o músico por ser tão diligente durante os anos em que levou para completar o livro. "Ele é um homem de grande coragem", afirmou. "Escrever juntos foi como estar em um estúdio improvisando."

As influências musicais de Kravitz emergiram com Prince, Michael Jackson, Earth, Wind & Fire e David Bowie, que o inspirou a usar lentes de contato coloridas.

E quanto aos romances, o músico namorou a atriz Tisha Campbell, da série Martin, quando conheceu sua ex-esposa, a atriz Lisa Bonet, em um concerto. "Gostei do seu cabelo", disse ele para a atriz. No livro, Kravitz admite que "foi um comentário solto." O livro termina com a relação florescendo. "Ela era como a minha versão feminina, e vendo-a, eu poderia me ver. ''

Kravitz escreve que seus primeiros 25 anos foram uma missão para encontrar seu verdadeiro ser. Ele rejeitou contratos de gravação que o classificaram e até criou um alter ego, Romeo Blue, porque não se sentia bem o suficiente. "Parte disso é sobre me aceitar como

Lenny Kravitz, como esse garoto meio negro, meio judeu que teve essa experiência '', disse ele. "Um dos maravilhosos presentes que alguém pode dar a si mesmo nesta vida é aceitar a si mesmo." (FONTE: ASSOCIATED PRESS)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Lenny Kravitz lança livro sobre infância, sucesso e romance com Lisa Bonet


19/10/2020 | 12:21


Lenny Kravitz é um homem de extremos, como ele admite sem objeções. "Sou extremamente duplo: preto e branco, judeu e cristão, Manhattan e Brooklynite'', escreve sobre seus primeiros 25 anos de vida em seu novo livro de memórias, Let Love Rule, lançado na semana passada e intitulado como seu álbum de estreia de 1989. "É sobre como eu encontrei minha voz e meu caminho e como eu tropecei em meu destino, seja ele qual for"' disse o artista para a Associated Press.

O livro de 270 páginas, escrito com David Ritz, explora sua infância particular e termina com Kravitz à beira do estrelato e profundamente apaixonado pelo atriz Lisa Bonet. "Paramos por aí e veremos se haverá um segundo livro no futuro''.

Ele não exagera sobre sua infância. Kravitz alternava entre o então difícil bairro de Bedford-Stuyvesant no Brooklyn e um edifício elegante com querubins esculpidos no Upper East Side de Manhattan. Comia patê de fígado com matza (um pão plano tradicional da comida judaica), bem como peixe frito à milanesa com farinha de milho.

Os extremos continuaram ao longo de sua vida. Em seu sexto aniversário, recebeu uma serenata de Duke Ellington e sua banda no famoso Rainbow Room. Anos depois, sua casa foi um Ford Pinto que alugou por US$ 4,99 por dia. "Extremos realmente funcionam para mim. Sinto muito. Estou confortável vivendo dentro de um carro ou uma caixa ou uma barraca ou um trailer, e me sinto confortável morando em um mansão", disse ele. "Obviamente, o intervalo está bom para mim também, mas não sinto da mesma forma, não me alimenta da mesma forma. Eu gosto de equilibrar os extremos."

Kravitz dedicou o livro para sua mãe, a atriz Roxie Roker, conhecida por seu papel como Helen Willis em The Jeffersons, em que fez parte do primeiro casal interracial na TV norte-americana.

O produtor Sy Kravitz, seu pai, era um ex-militar e rigoroso com o jovem Kravitz. Pai e filho entravam em conflito com frequência, culminando em brigas que mudariam a vida de ambos. O cantor disse que escrever sobre seu pai foi curador. "Qualquer julgamento que ele tivesse começou a se dissolver quando o vi com coração fresco e aberto'', disse ele.

Como um deus do rock, Kravitz tem um estilo rock 'n' roll austero que lhe rendeu prêmios Grammy por quatro anos consecutivos, de 1999 a 2002. Mas também não teme mostrar um lado mais idiota no livro, como a primeira e última vez que ficou bêbado, que foi com uma garrafa de vinho Manischewitz, ou quando foi pego roubando cinco fitas do Kiss de uma loja. Há uma cena maluca em que o jovem Kravitz salva uma prostituta adolescente de um cafetão e a esconde em seu quarto.

Ritz, o co-escritor, elogiou o músico por ser tão diligente durante os anos em que levou para completar o livro. "Ele é um homem de grande coragem", afirmou. "Escrever juntos foi como estar em um estúdio improvisando."

As influências musicais de Kravitz emergiram com Prince, Michael Jackson, Earth, Wind & Fire e David Bowie, que o inspirou a usar lentes de contato coloridas.

E quanto aos romances, o músico namorou a atriz Tisha Campbell, da série Martin, quando conheceu sua ex-esposa, a atriz Lisa Bonet, em um concerto. "Gostei do seu cabelo", disse ele para a atriz. No livro, Kravitz admite que "foi um comentário solto." O livro termina com a relação florescendo. "Ela era como a minha versão feminina, e vendo-a, eu poderia me ver. ''

Kravitz escreve que seus primeiros 25 anos foram uma missão para encontrar seu verdadeiro ser. Ele rejeitou contratos de gravação que o classificaram e até criou um alter ego, Romeo Blue, porque não se sentia bem o suficiente. "Parte disso é sobre me aceitar como

Lenny Kravitz, como esse garoto meio negro, meio judeu que teve essa experiência '', disse ele. "Um dos maravilhosos presentes que alguém pode dar a si mesmo nesta vida é aceitar a si mesmo." (FONTE: ASSOCIATED PRESS)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;