Fechar
Publicidade

Sábado, 17 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar segue em baixa com alívio por 'união' pelas reformas e exterior positivo

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


06/10/2020 | 09:51


O dólar segue em baixa mais moderada no mercado doméstico nesta terça-feira. Investidores precificam os sinais de "união" entre Paulo Guedes e Rodrigo Maia, ontem à noite, para fazer andar as reformas e a agenda econômica no Congresso Nacional, e um apetite por risco leve e viés de baixa da moeda americana no exterior.

Lá fora, persiste impasse sobre novos estímulos fiscais e investidores estão atentos à saúde do presidente Donald Trump, que segue em tratamento da covid-19 na Casa Branca - mas já está a todo vapor sua campanha virtual à reeleição. Desagrada a manutenção da postura negacionista de Trump sobre a doença. Ontem, ele pediu a apoiadores, em suas redes sociais, para "não terem medo".

Já a presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, disse que as conversas sobre estímulos estão avançando "muito lentamente", mas que fará nova reunião com o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, hoje. Há ainda expectativa pelo discurso do presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, agendado para 11h40.

Limita a baixa do dólar ante o real também, segundo operadores, a indefinição das fontes de recursos para bancar o programa Renda Cidadã, que deve substituir o Bolsa Família. Apesar do acordo político para tentar acelerar as medidas econômicas do governo, os agentes querem ver quais ações podem ser tomadas para financiar a ampliação do programa social e se podem representar risco ao teto de gastos.

No exterior, a libra ampliou as perdas ante o dólar após a Bloomberg informar que a União Europeia não tem planos de oferecer mais concessões ao primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, após o Brexit. Já os futuros do Dow Jones e S&P500 em Nova York sobem, mas Nasdaq recua, acompanhando o avanço discreto nos mercados europeus, após declarações "dovish" da presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde.

Às 9h29 desta terça-feira, o dólar à vista caía 0,70%, a R$ 5,5288. O dólar para novembro recuava 0,82%, a R$ 5,5335.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar segue em baixa com alívio por 'união' pelas reformas e exterior positivo


06/10/2020 | 09:51


O dólar segue em baixa mais moderada no mercado doméstico nesta terça-feira. Investidores precificam os sinais de "união" entre Paulo Guedes e Rodrigo Maia, ontem à noite, para fazer andar as reformas e a agenda econômica no Congresso Nacional, e um apetite por risco leve e viés de baixa da moeda americana no exterior.

Lá fora, persiste impasse sobre novos estímulos fiscais e investidores estão atentos à saúde do presidente Donald Trump, que segue em tratamento da covid-19 na Casa Branca - mas já está a todo vapor sua campanha virtual à reeleição. Desagrada a manutenção da postura negacionista de Trump sobre a doença. Ontem, ele pediu a apoiadores, em suas redes sociais, para "não terem medo".

Já a presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, disse que as conversas sobre estímulos estão avançando "muito lentamente", mas que fará nova reunião com o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, hoje. Há ainda expectativa pelo discurso do presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, agendado para 11h40.

Limita a baixa do dólar ante o real também, segundo operadores, a indefinição das fontes de recursos para bancar o programa Renda Cidadã, que deve substituir o Bolsa Família. Apesar do acordo político para tentar acelerar as medidas econômicas do governo, os agentes querem ver quais ações podem ser tomadas para financiar a ampliação do programa social e se podem representar risco ao teto de gastos.

No exterior, a libra ampliou as perdas ante o dólar após a Bloomberg informar que a União Europeia não tem planos de oferecer mais concessões ao primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, após o Brexit. Já os futuros do Dow Jones e S&P500 em Nova York sobem, mas Nasdaq recua, acompanhando o avanço discreto nos mercados europeus, após declarações "dovish" da presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde.

Às 9h29 desta terça-feira, o dólar à vista caía 0,70%, a R$ 5,5288. O dólar para novembro recuava 0,82%, a R$ 5,5335.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;