Fechar
Publicidade

Domingo, 24 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

dmais@dgabc.com.br | 4435-8396

Uma febre musical chamada k-pop

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Gênero coreano cresce 47% em média a cada ano no ranking do Spotify no Brasil


Tauana Marin
Do Diário do Grande ABC

04/10/2020 | 16:50


A batida oriental, mais conhecida como K-pop, estourou mundialmente há pouco tempo e, desde então, só tem crescido em streams no Spotify. Nos últimos anos, o gênero entrou de vez nas playlists e parece que não vai deixá-las – pelo menos se depender do aplicativo. Esse estilo musical cresce 47% em média por ano, tornando o Brasil o quinto maior mercado de streaming de K-Pop no Spotify. O principal salto veio há três anos, período de ascensão do grupo BTS, que fez o gênero praticamente triplicar em números de streams no País.

No top 10 de artistas de K-pop do Spotify no Brasil lideram o ranking o BTS e a nova febre do momento, Blackpink – maior girl group sul-coreano, composto por quatro integrantes: Jisoo, Jennie, Rosé e Lisa. O grupo estreou em 8 de agosto de 2016, com o lançamento do EP Square one, com as faixas Whistle e Boombayah. Para entendeer a febre o ‘tamanho’ do BTS basta olhar para RM, Jimin, Suga, J-Hope, Jungkook, V e Jin, juntos desde 2013. O grupo se tornou o primeiro artista de K-Pop a entrar no chart global Top 50 do Spotify, com a canção DNA.

O grupo é o maior expoente do K-pop nos últimos anos. Os garotos cantam misturando idiomas, dançam elaboradas coreografias e estrelam clipes cujos conceitos visuais se destacam em meio à diversidade audiovisual. Desde sua estreia nunca passaram uma temporada sem apresentar algo novo, sejam singles, discos inteiros, EPs ou coletâneas especiais, o que faz seu ‘exército’ de fãs estar atento e agitado o tempo todo. E o grupo feminino vai pelo mesmo caminho. A girlband foi primeiro grupo coreano e representante do K-pop a subir no palco do festival Coachella, um dos mais tradicionais dos Estados Unidos. Depois de conquistar a Coreia do Sul, o Blackpink virou sensação no Japão. E, agora, está dissiminado no mundo todo.

EXPANSÃO

O K-pop conquistou popularidade inicialmente no Leste da Ásia, no fim da década de 1990, e entrou no mercado de música japonês na virada do século 21. Entretanto, foi só em 2012 com Gangnam Style, lançada pelo Psy, que o mundo tomou conhecimento do poder do K-pop. Hoje, além do BTS, há outros grupos que conquistaram muitos fãs, como, Blackpink, Monsta X e EXO.Atualmente, o gênero tem presença marcante nas playlists, fazendo o seu espaço na mídia e conquistando milhares de fãs — os chamados k-poppers. A música chiclete, a superprodução dos videoclipes, as sempre presentes coreografias e até os looks dos integrantes fizeram com que o termo fosse muito além da música, tornando-se um estilo de vida para pessoas.

NAS PARADAS
Desde 2014 as músicas K-pop são bastante ouvidas pelos usuários do Spotify no Brasil. Em 2014 a canção escolhida era do Psy, Gangnam Style; em 2015 foi a vez de Puss, de Iron, Ji Min. De 2016 a 2018 a banda das canções mais ouvidas foi a BTS, com Dope, DNA e Fake Love, respectivamente. Ano passado foi a vez de Kill This Love, da Blackpink.

REDES SOCIAIS
O estilo coreano foi responsável por 6,1 bilhões de tweets (no Twitter) relacionados ao K-pop nos últimos 12 meses. São mais de 300 tópicos K-pop (por nomes de artistas) que podem ser acompanhados na plataforma. Isso ajuda ainda mais os fãs de todo o mundo a ver imediatamente os melhores tweets e participar facilmente da conversa global sobre seus artistas favoritos. da Redação



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Uma febre musical chamada k-pop

Gênero coreano cresce 47% em média a cada ano no ranking do Spotify no Brasil

Tauana Marin
Do Diário do Grande ABC

04/10/2020 | 16:50


A batida oriental, mais conhecida como K-pop, estourou mundialmente há pouco tempo e, desde então, só tem crescido em streams no Spotify. Nos últimos anos, o gênero entrou de vez nas playlists e parece que não vai deixá-las – pelo menos se depender do aplicativo. Esse estilo musical cresce 47% em média por ano, tornando o Brasil o quinto maior mercado de streaming de K-Pop no Spotify. O principal salto veio há três anos, período de ascensão do grupo BTS, que fez o gênero praticamente triplicar em números de streams no País.

No top 10 de artistas de K-pop do Spotify no Brasil lideram o ranking o BTS e a nova febre do momento, Blackpink – maior girl group sul-coreano, composto por quatro integrantes: Jisoo, Jennie, Rosé e Lisa. O grupo estreou em 8 de agosto de 2016, com o lançamento do EP Square one, com as faixas Whistle e Boombayah. Para entendeer a febre o ‘tamanho’ do BTS basta olhar para RM, Jimin, Suga, J-Hope, Jungkook, V e Jin, juntos desde 2013. O grupo se tornou o primeiro artista de K-Pop a entrar no chart global Top 50 do Spotify, com a canção DNA.

O grupo é o maior expoente do K-pop nos últimos anos. Os garotos cantam misturando idiomas, dançam elaboradas coreografias e estrelam clipes cujos conceitos visuais se destacam em meio à diversidade audiovisual. Desde sua estreia nunca passaram uma temporada sem apresentar algo novo, sejam singles, discos inteiros, EPs ou coletâneas especiais, o que faz seu ‘exército’ de fãs estar atento e agitado o tempo todo. E o grupo feminino vai pelo mesmo caminho. A girlband foi primeiro grupo coreano e representante do K-pop a subir no palco do festival Coachella, um dos mais tradicionais dos Estados Unidos. Depois de conquistar a Coreia do Sul, o Blackpink virou sensação no Japão. E, agora, está dissiminado no mundo todo.

EXPANSÃO

O K-pop conquistou popularidade inicialmente no Leste da Ásia, no fim da década de 1990, e entrou no mercado de música japonês na virada do século 21. Entretanto, foi só em 2012 com Gangnam Style, lançada pelo Psy, que o mundo tomou conhecimento do poder do K-pop. Hoje, além do BTS, há outros grupos que conquistaram muitos fãs, como, Blackpink, Monsta X e EXO.Atualmente, o gênero tem presença marcante nas playlists, fazendo o seu espaço na mídia e conquistando milhares de fãs — os chamados k-poppers. A música chiclete, a superprodução dos videoclipes, as sempre presentes coreografias e até os looks dos integrantes fizeram com que o termo fosse muito além da música, tornando-se um estilo de vida para pessoas.

NAS PARADAS
Desde 2014 as músicas K-pop são bastante ouvidas pelos usuários do Spotify no Brasil. Em 2014 a canção escolhida era do Psy, Gangnam Style; em 2015 foi a vez de Puss, de Iron, Ji Min. De 2016 a 2018 a banda das canções mais ouvidas foi a BTS, com Dope, DNA e Fake Love, respectivamente. Ano passado foi a vez de Kill This Love, da Blackpink.

REDES SOCIAIS
O estilo coreano foi responsável por 6,1 bilhões de tweets (no Twitter) relacionados ao K-pop nos últimos 12 meses. São mais de 300 tópicos K-pop (por nomes de artistas) que podem ser acompanhados na plataforma. Isso ajuda ainda mais os fãs de todo o mundo a ver imediatamente os melhores tweets e participar facilmente da conversa global sobre seus artistas favoritos. da Redação

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;