Fechar
Publicidade

Sábado, 16 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Ex-líder de Lauro vai às ruas pedir votos a Filippi

DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Alçado à Câmara pelo PSDB e com críticas ao PT, Leitão muda posição após romper com o verde


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

03/10/2020 | 00:01


Alçado à Câmara de Diadema na legislatura passada pelo PSDB e crítico ao PT, o ex-vereador Atevaldo Leitão (hoje no PL) voltou às ruas nas eleições deste ano em raia oposta. Ex-líder do governo Lauro Michels (PV), o agora ex-tucano se aliou ao petismo e neste pleito pede votos ao ex-prefeito José de Filippi Júnior (PT).

Leitão foi aposta do PSDB de Diadema nas eleições de 2012. Naquela época, era espécie de cacique na campanha da ex-vereadora Maridite Cristóvão (PSDB) a prefeita – ela ficou em terceiro lugar. Leitão não foi eleito, mas assumiu o mandato depois de o então principal líder do tucanato, o ex-prefeito José Augusto da Silva Ramos (PSDB), que foi o mais votado na disputa a vereador, assumir a Secretaria de Saúde no governo Lauro.

A partir de então, Leitão passou a ser um dos principais defensores do governo Lauro na Câmara, chegando ao posto de líder do governo. Ajudou a costurar as principais propostas que confrontavam diretamente com o petismo, como a concessão do dos serviços de distribuição de água e saneamento na cidade à Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) e a consequente extinção da Saned (Companhia de Saneamento de Diadema). Em 2016, com nova derrota eleitoral, Leitão foi alçado a secretário de Lauro (Segurança Alimentar), onde permaneceu até meados de 2018, quando rompeu com o prefeito.

Neste pleito, a aliança com Filippi não passou batida. O ex-parlamentar faz questão de falar da troca de lado. “A política é dinâmica. A gente não pode dizer que desta água não beberei. A democracia é boa por isso, porque temos o direito de escolha e isso é maravilhoso”, argumentou Leitão, que, durante a convenção do PT chegou a dizer que bebeu da água do governo Lauro e passou mal.

O ex-vereador minimiza o fato de ter criticado o petismo no passado e hoje pedir votos ao partido. “O Filippi está acima do PT. Eu não tenho obrigação de defender o PT. Isso os petistas já fazem. Mas eu defendo quem cumpre com sua palavra. E Lauro não cumpriu”, disse. Leitão alegou que o prefeito “colocou a faca no pescoço” e condicionou sua permanência no governo à saída do PSDB e filiação no PV. “Eu ia sair do PSDB quando eu quisesse, não quando ele mandasse”.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ex-líder de Lauro vai às ruas pedir votos a Filippi

Alçado à Câmara pelo PSDB e com críticas ao PT, Leitão muda posição após romper com o verde

Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

03/10/2020 | 00:01


Alçado à Câmara de Diadema na legislatura passada pelo PSDB e crítico ao PT, o ex-vereador Atevaldo Leitão (hoje no PL) voltou às ruas nas eleições deste ano em raia oposta. Ex-líder do governo Lauro Michels (PV), o agora ex-tucano se aliou ao petismo e neste pleito pede votos ao ex-prefeito José de Filippi Júnior (PT).

Leitão foi aposta do PSDB de Diadema nas eleições de 2012. Naquela época, era espécie de cacique na campanha da ex-vereadora Maridite Cristóvão (PSDB) a prefeita – ela ficou em terceiro lugar. Leitão não foi eleito, mas assumiu o mandato depois de o então principal líder do tucanato, o ex-prefeito José Augusto da Silva Ramos (PSDB), que foi o mais votado na disputa a vereador, assumir a Secretaria de Saúde no governo Lauro.

A partir de então, Leitão passou a ser um dos principais defensores do governo Lauro na Câmara, chegando ao posto de líder do governo. Ajudou a costurar as principais propostas que confrontavam diretamente com o petismo, como a concessão do dos serviços de distribuição de água e saneamento na cidade à Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) e a consequente extinção da Saned (Companhia de Saneamento de Diadema). Em 2016, com nova derrota eleitoral, Leitão foi alçado a secretário de Lauro (Segurança Alimentar), onde permaneceu até meados de 2018, quando rompeu com o prefeito.

Neste pleito, a aliança com Filippi não passou batida. O ex-parlamentar faz questão de falar da troca de lado. “A política é dinâmica. A gente não pode dizer que desta água não beberei. A democracia é boa por isso, porque temos o direito de escolha e isso é maravilhoso”, argumentou Leitão, que, durante a convenção do PT chegou a dizer que bebeu da água do governo Lauro e passou mal.

O ex-vereador minimiza o fato de ter criticado o petismo no passado e hoje pedir votos ao partido. “O Filippi está acima do PT. Eu não tenho obrigação de defender o PT. Isso os petistas já fazem. Mas eu defendo quem cumpre com sua palavra. E Lauro não cumpriu”, disse. Leitão alegou que o prefeito “colocou a faca no pescoço” e condicionou sua permanência no governo à saída do PSDB e filiação no PV. “Eu ia sair do PSDB quando eu quisesse, não quando ele mandasse”.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;