Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 21 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Deputado do PT será relator do processo de impeachment de Witzel

Tomaz Silva/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


01/10/2020 | 16:36


O deputado estadual Waldeck Carneiro (PT) foi sorteado relator do processo de impeachment do governador afastado Wilson Witzel (PSC), durante a sessão inaugural do Tribunal Especial Misto, realizada nesta quinta-feira, 1º, no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ). Witzel está afastado temporariamente do cargo desde o final de agosto por ordem judicial e desde setembro também por decisão da Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj), dentro do rito do processo de impeachment.

O Tribunal Especial Misto será responsável por decidir se Witzel perderá o cargo ou será reconduzido a ele. Para cassá-lo são necessários sete dos dez votos. O governador afastado se diz vítima de perseguição.

A sessão inaugural foi presidida pelo desembargador Cláudio de Mello Tavares, que é presidente do TJ-RJ e também do tribunal misto. O colegiado que vai julgar Witzel é composto por cinco deputados estaduais e cinco desembargadores, além do presidente, que é o sexto desembargador. Os parlamentares, escolhidos por votação pelos 70 deputados estaduais, são: Alexandre Freitas (Novo), Chico Machado (PSD), Waldeck Carneiro (PT), Dani Monteiro (PSOL) e Carlos Macedo (Republicanos). Nenhum deles apoia Witzel.

Os desembargadores, escolhidos na segunda-feira, 28, por sorteio, são Teresa de Andrade Castro Neves, José Carlos Maldonado de Carvalho, Maria da Glória Oliveira Bandeira de Mello, Fernando Foch e Inês da Trindade.

Uma das primeiras funções dessas dez pessoas será decidir se aceitam ou não a denúncia contra Witzel. Se houver empate, o voto de desempate será do presidente do Tribunal Especial Misto. Caso a denúncia seja aceita, o processo prosseguirá, tendo o prazo de 120 dias para ser concluído. Para que Witzel seja cassado são necessários sete votos a favor do impeachment, no julgamento final. Se a cassação for aprovada, o ex-juiz perderá definitivamente o cargo e o vice Cláudio Castro (PSC), que atualmente é governador interino, se tornará o titular.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Deputado do PT será relator do processo de impeachment de Witzel


01/10/2020 | 16:36


O deputado estadual Waldeck Carneiro (PT) foi sorteado relator do processo de impeachment do governador afastado Wilson Witzel (PSC), durante a sessão inaugural do Tribunal Especial Misto, realizada nesta quinta-feira, 1º, no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ). Witzel está afastado temporariamente do cargo desde o final de agosto por ordem judicial e desde setembro também por decisão da Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj), dentro do rito do processo de impeachment.

O Tribunal Especial Misto será responsável por decidir se Witzel perderá o cargo ou será reconduzido a ele. Para cassá-lo são necessários sete dos dez votos. O governador afastado se diz vítima de perseguição.

A sessão inaugural foi presidida pelo desembargador Cláudio de Mello Tavares, que é presidente do TJ-RJ e também do tribunal misto. O colegiado que vai julgar Witzel é composto por cinco deputados estaduais e cinco desembargadores, além do presidente, que é o sexto desembargador. Os parlamentares, escolhidos por votação pelos 70 deputados estaduais, são: Alexandre Freitas (Novo), Chico Machado (PSD), Waldeck Carneiro (PT), Dani Monteiro (PSOL) e Carlos Macedo (Republicanos). Nenhum deles apoia Witzel.

Os desembargadores, escolhidos na segunda-feira, 28, por sorteio, são Teresa de Andrade Castro Neves, José Carlos Maldonado de Carvalho, Maria da Glória Oliveira Bandeira de Mello, Fernando Foch e Inês da Trindade.

Uma das primeiras funções dessas dez pessoas será decidir se aceitam ou não a denúncia contra Witzel. Se houver empate, o voto de desempate será do presidente do Tribunal Especial Misto. Caso a denúncia seja aceita, o processo prosseguirá, tendo o prazo de 120 dias para ser concluído. Para que Witzel seja cassado são necessários sete votos a favor do impeachment, no julgamento final. Se a cassação for aprovada, o ex-juiz perderá definitivamente o cargo e o vice Cláudio Castro (PSC), que atualmente é governador interino, se tornará o titular.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;