Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 28 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

'Lamentável, sr. Joe Biden', diz Bolsonaro após fala de candidato sobre Amazônia



30/09/2020 | 14:19


Em reação à fala de terça-feira, 29, do candidato norte-americano Joe Biden sobre a Amazônia, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que a declaração foi "gratuita e desastrosa".

Em suas redes sociais, Bolsonaro, em português e inglês, disse que a soberania brasileira é "inegociável" e avaliou que a declaração sinaliza "claramente abrir mão de uma convivência cordial e profícua" entre os dois países.

Na terça-feira, 29, durante o primeiro debate eleitoral das eleições americanas, Biden afirmou que iria reuniu países e doar US$ 20 bilhões para a proteção da região amazônica. Sem mencionar o governo brasileiro, Biden disse que caso destruição da Amazônia continuasse haveria "consequências econômicas significativas".

"A floresta tropical no Brasil está sendo destruída", criticou o democrata, que prometeu se juntar com outros países e oferecer US$ 20 bilhões (R$ 112 bi) para ajudar na preservação da região. "Parem de destruir a floresta e, se não fizer isso, você terá consequências econômicas significativas", completou, indicando possíveis retaliações ao governo brasileiro.

"A cobiça de alguns países sobre a Amazônia é uma realidade. Contudo, a externação por alguém que disputa o comando de seu país sinaliza claramente abrir mão de uma convivência cordial e profícua", rebateu Bolsonaro nesta quarta-feira, 30.

"Custo entender, como chefe de Estado que reabriu plenamente a sua diplomacia com os Estados Unidos, depois de décadas de governos hostis, tão desastrosa e gratuita declaração. Lamentável, Sr. Joe Biden, sob todos os aspectos, lamentável", afirmou Bolsonaro.

O presidente destacou que já vem conversando com o presidente Donald Trump sobre "projetos de investimento sustentável que criem emprego digno para a população amazônica".

O Brasil tem sido alvo de frequente pressão internacional pela preservação da Amazônia. Já o governo diz que se trata de uma campanha por causa de interesses econômicos da Europa.

Como tem feito em discursos recentes, o presidente também ressaltou que o governo "está realizando ações sem precedentes para proteger a Amazônia". Apesar disso, o País registra índices recordes de desmatamento e queimadas, segundo dados do próprio governo divulgado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

"O que alguns ainda não entenderam é que o Brasil mudou. Hoje, seu Presidente, diferentemente da esquerda, não mais aceita subornos, criminosas demarcações ou infundadas ameaças. Nossa soberania é inegociável", disse.

Na semana passada, durante live nas redes sociais, Bolsonaro afirmou que recusou ajuda estrangeira para combater o desflorestamento por temer a "perda de soberania nacional".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Lamentável, sr. Joe Biden', diz Bolsonaro após fala de candidato sobre Amazônia


30/09/2020 | 14:19


Em reação à fala de terça-feira, 29, do candidato norte-americano Joe Biden sobre a Amazônia, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que a declaração foi "gratuita e desastrosa".

Em suas redes sociais, Bolsonaro, em português e inglês, disse que a soberania brasileira é "inegociável" e avaliou que a declaração sinaliza "claramente abrir mão de uma convivência cordial e profícua" entre os dois países.

Na terça-feira, 29, durante o primeiro debate eleitoral das eleições americanas, Biden afirmou que iria reuniu países e doar US$ 20 bilhões para a proteção da região amazônica. Sem mencionar o governo brasileiro, Biden disse que caso destruição da Amazônia continuasse haveria "consequências econômicas significativas".

"A floresta tropical no Brasil está sendo destruída", criticou o democrata, que prometeu se juntar com outros países e oferecer US$ 20 bilhões (R$ 112 bi) para ajudar na preservação da região. "Parem de destruir a floresta e, se não fizer isso, você terá consequências econômicas significativas", completou, indicando possíveis retaliações ao governo brasileiro.

"A cobiça de alguns países sobre a Amazônia é uma realidade. Contudo, a externação por alguém que disputa o comando de seu país sinaliza claramente abrir mão de uma convivência cordial e profícua", rebateu Bolsonaro nesta quarta-feira, 30.

"Custo entender, como chefe de Estado que reabriu plenamente a sua diplomacia com os Estados Unidos, depois de décadas de governos hostis, tão desastrosa e gratuita declaração. Lamentável, Sr. Joe Biden, sob todos os aspectos, lamentável", afirmou Bolsonaro.

O presidente destacou que já vem conversando com o presidente Donald Trump sobre "projetos de investimento sustentável que criem emprego digno para a população amazônica".

O Brasil tem sido alvo de frequente pressão internacional pela preservação da Amazônia. Já o governo diz que se trata de uma campanha por causa de interesses econômicos da Europa.

Como tem feito em discursos recentes, o presidente também ressaltou que o governo "está realizando ações sem precedentes para proteger a Amazônia". Apesar disso, o País registra índices recordes de desmatamento e queimadas, segundo dados do próprio governo divulgado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

"O que alguns ainda não entenderam é que o Brasil mudou. Hoje, seu Presidente, diferentemente da esquerda, não mais aceita subornos, criminosas demarcações ou infundadas ameaças. Nossa soberania é inegociável", disse.

Na semana passada, durante live nas redes sociais, Bolsonaro afirmou que recusou ajuda estrangeira para combater o desflorestamento por temer a "perda de soberania nacional".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;