Fechar
Publicidade

Domingo, 25 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Trump corre para virar disputa eleitoral



30/09/2020 | 07:01


A 34 dias da eleição, o presidente Donald Trump corre contra o tempo para mudar uma disputa com poucos indecisos, que já é considerada a mais estável da história recente dos EUA. Joe Biden lidera, de acordo com quase todas as pesquisas, e mantém a ponta desde o ano passado. A diferença oscila apenas levemente, mas o quadro geral permanece o mesmo.

Segundo o portal Five Thirty Eight, que agrega dezenas de pesquisas eleitorais, a diferença entre Biden e Trump está em 7,1 pontos porcentuais em favor do democrata (50,2% a 43,2%). Em 29 de agosto, Biden liderava com 8,6 pontos de vantagem, uma diferença parecida com a registrada em julho (8,3 pontos), junho (9,1), maio (5,6), abril (6), março (6,4).

Patrick Murray, diretor do centro de pesquisas da Monmouth University, diz que 81% dos eleitores já escolheram seu candidato. Em 2016, na mesma época, este número era de 66%. De acordo com ele, o cenário é ruim para o presidente.

O instituto YouGov conduziu um painel com eleitores em julho, antes das convenções partidárias, e outro em agosto, após a oficialização dos candidatos. O resultado foi que 93% dos participantes responderam a mesma coisa. A conclusão, de acordo com o instituto, é que restaram poucos eleitores indecisos para empurrar Trump na linha de chegada.

"Depois de duas convenções partidárias, da propagação contínua do coronavírus, da crise econômica, da agitação racial e de uma batalha por uma vaga na Suprema Corte, a corrida pela Casa Branca permanece estável", escreveu Emily Guskin, analista especializada em pesquisas eleitorais, no Washington Post.

"A eleição está estável. E isso é uma má notícia para Trump", escreveu Brian Arbour, professor de ciências políticas do John Jay College. "A polarização ajudou o presidente a manter o apoio leal dos eleitores republicanos. Mas a lista de ativos é mais curta do que a de passivos, neste momento. Trump está atrás em uma disputa incrivelmente estável. E ele precisa de alguma coisa que mude a situação."

Mulheres

De acordo com pesquisa do Washington Post e da ABC News, Trump lidera entre os homens, com uma vantagem de 13 pontos porcentuais (55% a 42%) - números parecidos com aqueles obtidos pelo presidente em 2016, quando derrotou a democrata Hillary Clinton.

O problema do presidente está entre as mulheres. O democrata abriu uma vantagem de 31 pontos porcentuais (65% a 34%) - na eleição passada, Hillary teve o voto feminino, mas a diferença foi bem menor (54% a 39%). "Trump tem um problema com as mulheres que pode lhe custar a eleição", escreveu Susan Milligan, colunista do US News.

A pesquisa Washington Post-ABC News também mostra um interesse pouco comum do eleitor americano: 6 em cada 10 entrevistados afirmaram estar acompanhando "bem de perto" a campanha, o índice mais alto desde a disputa entre George W. Bush e Al Gore, em 2000.

O presidente americano, no entanto, não é escolhido de maneira direta. Para vencer, o candidato deve obter pelo menos 270 votos no colégio eleitoral. Exceto em dois Estados (Nebraska e Maine), quem obtiver a maioria dos votos leva todos os eleitores de um Estado.

Por isso, as regras permitem que Trump vença mesmo obtendo menos votos que Biden - como vez em 2016, apesar de Hillary ter recebido quase 3 milhões de votos a mais. Analistas, porém, dizem que uma vitória no colégio eleitoral só é possível se a diferença nacional ficar em 5 pontos porcentuais. Acima disso, é quase impossível.

As chances de Trump, portanto, estão na eleição presidencial em alguns Estados-chave, onde a disputa é mais apertada. Segundo o portal Five Thirty Eight, Biden lidera na Flórida com vantagem de 1,8 ponto porcentual, em Ohio (1 ponto porcentual), Carolina do Norte (1 ponto) e Pensilvânia (5,4 pontos) - indicando que a disputa pode estar mais parelha do que mostra o voto nacional. (Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Trump corre para virar disputa eleitoral


30/09/2020 | 07:01


A 34 dias da eleição, o presidente Donald Trump corre contra o tempo para mudar uma disputa com poucos indecisos, que já é considerada a mais estável da história recente dos EUA. Joe Biden lidera, de acordo com quase todas as pesquisas, e mantém a ponta desde o ano passado. A diferença oscila apenas levemente, mas o quadro geral permanece o mesmo.

Segundo o portal Five Thirty Eight, que agrega dezenas de pesquisas eleitorais, a diferença entre Biden e Trump está em 7,1 pontos porcentuais em favor do democrata (50,2% a 43,2%). Em 29 de agosto, Biden liderava com 8,6 pontos de vantagem, uma diferença parecida com a registrada em julho (8,3 pontos), junho (9,1), maio (5,6), abril (6), março (6,4).

Patrick Murray, diretor do centro de pesquisas da Monmouth University, diz que 81% dos eleitores já escolheram seu candidato. Em 2016, na mesma época, este número era de 66%. De acordo com ele, o cenário é ruim para o presidente.

O instituto YouGov conduziu um painel com eleitores em julho, antes das convenções partidárias, e outro em agosto, após a oficialização dos candidatos. O resultado foi que 93% dos participantes responderam a mesma coisa. A conclusão, de acordo com o instituto, é que restaram poucos eleitores indecisos para empurrar Trump na linha de chegada.

"Depois de duas convenções partidárias, da propagação contínua do coronavírus, da crise econômica, da agitação racial e de uma batalha por uma vaga na Suprema Corte, a corrida pela Casa Branca permanece estável", escreveu Emily Guskin, analista especializada em pesquisas eleitorais, no Washington Post.

"A eleição está estável. E isso é uma má notícia para Trump", escreveu Brian Arbour, professor de ciências políticas do John Jay College. "A polarização ajudou o presidente a manter o apoio leal dos eleitores republicanos. Mas a lista de ativos é mais curta do que a de passivos, neste momento. Trump está atrás em uma disputa incrivelmente estável. E ele precisa de alguma coisa que mude a situação."

Mulheres

De acordo com pesquisa do Washington Post e da ABC News, Trump lidera entre os homens, com uma vantagem de 13 pontos porcentuais (55% a 42%) - números parecidos com aqueles obtidos pelo presidente em 2016, quando derrotou a democrata Hillary Clinton.

O problema do presidente está entre as mulheres. O democrata abriu uma vantagem de 31 pontos porcentuais (65% a 34%) - na eleição passada, Hillary teve o voto feminino, mas a diferença foi bem menor (54% a 39%). "Trump tem um problema com as mulheres que pode lhe custar a eleição", escreveu Susan Milligan, colunista do US News.

A pesquisa Washington Post-ABC News também mostra um interesse pouco comum do eleitor americano: 6 em cada 10 entrevistados afirmaram estar acompanhando "bem de perto" a campanha, o índice mais alto desde a disputa entre George W. Bush e Al Gore, em 2000.

O presidente americano, no entanto, não é escolhido de maneira direta. Para vencer, o candidato deve obter pelo menos 270 votos no colégio eleitoral. Exceto em dois Estados (Nebraska e Maine), quem obtiver a maioria dos votos leva todos os eleitores de um Estado.

Por isso, as regras permitem que Trump vença mesmo obtendo menos votos que Biden - como vez em 2016, apesar de Hillary ter recebido quase 3 milhões de votos a mais. Analistas, porém, dizem que uma vitória no colégio eleitoral só é possível se a diferença nacional ficar em 5 pontos porcentuais. Acima disso, é quase impossível.

As chances de Trump, portanto, estão na eleição presidencial em alguns Estados-chave, onde a disputa é mais apertada. Segundo o portal Five Thirty Eight, Biden lidera na Flórida com vantagem de 1,8 ponto porcentual, em Ohio (1 ponto porcentual), Carolina do Norte (1 ponto) e Pensilvânia (5,4 pontos) - indicando que a disputa pode estar mais parelha do que mostra o voto nacional. (Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;