Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 21 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas de NY fecham em queda com realização de lucros antes de debate nos EUA



29/09/2020 | 17:54


As bolsas de Nova York fecharam o pregão desta terça-feira, 29, em baixa, em um movimento realização de lucros e com certa cautela nos mercados financeiros antes do primeiro debate da corrida eleitoral nos Estados Unidos, que será realizado nesta noite, entre o republicano Donald Trump e o democrata Joe Biden. Os investidores também acompanharam os desdobramentos das negociações em Washington por um novo pacote de estímulos.

Após um rali na sessão de ontem, o índice Dow Jones recuou 0,48%, a 27.452,66 pontos, o S&P 500 caiu 0,48%, a 3.335,47 pontos, e o Nasdaq cedeu 0,29%, a 11.085,25.

O mercado acionário americano chegou a ganhar força, logo após a abertura, com a divulgação do índice de confiança do consumidor dos EUA, medido pelo Conference Board, que subiu a 101,8 em setembro, acima das projeções de alta a 90,1. O apetite por risco, entretanto, durou pouco. "Os participantes do mercado fazem um balanço antes do primeiro debate presidencial", afirmam analistas da corretora americana LPL Financial, em relatório enviado a clientes.

Na visão do economista-chefe internacional do banco holandês ING, James Knightley, se o atual presidente tiver um desempenho "forte" esta noite, as ações podem reagir com alta. O analista destaca que Trump propõe regulamentações mais flexíveis e impostos mais baixos, o que impulsionaria a lucratividade empresarial. "No entanto, acho que seria necessário um desempenho muito forte, já que Joe Biden ainda está 6 pontos à frente nas pesquisas nacionais e lidera em todos os principais estados decisivos", disse Knightley ao Broadcast.

O avanço da pandemia de covid-19, que já matou mais 1 milhão de pessoas no mundo, e as negociações em Washington por um novo pacote fiscal continuam no radar, depois de os democratas terem apresentado uma proposta de US$ 2,2 trilhões em estímulos fiscais, valor que a Casa Branca quer reduzir. Presidente da distrital de Nova York do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), John Williams defendeu hoje que reduzir o escopo da política fiscal poderia enfraquecer a recuperação econômica nos EUA.

No S&P 500, o subíndice do setor de energia liderou as perdas (-2,73%), seguido pelo do setor financeiro (-1,15%). As ações da Chevron caíram 2,75% e as do Morgan Stanley recuaram 2,36%. As companhias aéreas também registraram perdas, com queda de 4,0% nos papéis da American Airlines.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsas de NY fecham em queda com realização de lucros antes de debate nos EUA


29/09/2020 | 17:54


As bolsas de Nova York fecharam o pregão desta terça-feira, 29, em baixa, em um movimento realização de lucros e com certa cautela nos mercados financeiros antes do primeiro debate da corrida eleitoral nos Estados Unidos, que será realizado nesta noite, entre o republicano Donald Trump e o democrata Joe Biden. Os investidores também acompanharam os desdobramentos das negociações em Washington por um novo pacote de estímulos.

Após um rali na sessão de ontem, o índice Dow Jones recuou 0,48%, a 27.452,66 pontos, o S&P 500 caiu 0,48%, a 3.335,47 pontos, e o Nasdaq cedeu 0,29%, a 11.085,25.

O mercado acionário americano chegou a ganhar força, logo após a abertura, com a divulgação do índice de confiança do consumidor dos EUA, medido pelo Conference Board, que subiu a 101,8 em setembro, acima das projeções de alta a 90,1. O apetite por risco, entretanto, durou pouco. "Os participantes do mercado fazem um balanço antes do primeiro debate presidencial", afirmam analistas da corretora americana LPL Financial, em relatório enviado a clientes.

Na visão do economista-chefe internacional do banco holandês ING, James Knightley, se o atual presidente tiver um desempenho "forte" esta noite, as ações podem reagir com alta. O analista destaca que Trump propõe regulamentações mais flexíveis e impostos mais baixos, o que impulsionaria a lucratividade empresarial. "No entanto, acho que seria necessário um desempenho muito forte, já que Joe Biden ainda está 6 pontos à frente nas pesquisas nacionais e lidera em todos os principais estados decisivos", disse Knightley ao Broadcast.

O avanço da pandemia de covid-19, que já matou mais 1 milhão de pessoas no mundo, e as negociações em Washington por um novo pacote fiscal continuam no radar, depois de os democratas terem apresentado uma proposta de US$ 2,2 trilhões em estímulos fiscais, valor que a Casa Branca quer reduzir. Presidente da distrital de Nova York do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), John Williams defendeu hoje que reduzir o escopo da política fiscal poderia enfraquecer a recuperação econômica nos EUA.

No S&P 500, o subíndice do setor de energia liderou as perdas (-2,73%), seguido pelo do setor financeiro (-1,15%). As ações da Chevron caíram 2,75% e as do Morgan Stanley recuaram 2,36%. As companhias aéreas também registraram perdas, com queda de 4,0% nos papéis da American Airlines.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;