Fechar
Publicidade

Domingo, 25 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Secretaria de Saúde de Ribeirão é alvo de operação do Gaeco

Rafael Ventura/Diário de Ribeirão Pires Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Investigação é sobre suspeita de desvio público em contratos da área em diversas cidades do Estado


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

29/09/2020 | 09:47


Atualizada às 23h

Policiais civis e promotores do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), do Ministério Público, estiveram nesta terça-feira em Ribeirão Pires para cumprimento de mandado de busca e apreensão no âmbito da Operação Raio X, que visa desmontar esquema de desvio de recursos públicos no setor e em contratos com OSs (Organizações Sociais) de Saúde. O governo do prefeito Adler Kiko Teixeira (PSDB) informou que a ação envolveu Osvaldo Coca Moralis, funcionário da Santa Casa de Birigui, gestora da saúde municipal, e que atuou na cidade como contratado da instituição.

Conforme o Gaeco, trabalho de dois anos identificou a criação de “sofisticado esquema de desvio de dinheiro público envolvendo empresários, agentes públicos e profissionais liberais” – foram expedidos 64 mandados de prisão temporária e 237 mandados de busca, sendo 180 em São Paulo e 57 em outros Estados, além do sequestro de bens e valores.

“Há indícios de esquema de desvio de verba pública por meio da celebração de contratos de gestão entre organizações sociais e o poder público, em sua maioria, através de procedimentos licitatórios fraudulentos e contratos superfaturados. Foram identificados dezenas de envolvidos com o grupo criminoso divididos em diversos núcleos, cada um com sua colaboração na prática das infrações penais. De acordo com o apurado, houve a aquisição de grande quantidade de bens móveis e imóveis, sendo que parte da evolução patrimonial do grupo se deu justamente no período da pandemia”, discorreu o MP.

A Santa Casa de Birigui, contratada pela Prefeitura de Ribeirão Pires para fazer a gestão da saúde municipal, também foi alvo da operação. A instituição chegou à cidade em 2018, já no governo de Adler Kiko Teixeira (PSDB). Só neste ano, a instituição recebeu R$ 9 milhões da Prefeitura.

Em nota, a Prefeitura de Ribeirão Pires afirmou que o mandado foi cumprido na UPA (Unidade de Pronto-Atendimento) Santa Luzia, unidade municipal na qual Osvaldo Coca Moralis trabalhou e que era gerida no contrato da Santa Casa de Birigui. Moralis trabalhou no município entre janeiro de 2019 e janeiro de 2020.

“A Prefeitura segue à disposição para colaborar com todas as informações necessárias na investigação realizada em âmbito estadual e nacional. Embora o objeto da busca e apreensão seja relacionado a Osvaldo Moralis, a Prefeitura determinou auditoria nos contratos com organizações sociais”, acrescentou.

A Operação Raio X foi um braço da Operação SOS, que atingiu a gestão do governador do Pará, Helder Barbalho (MDB). Dois secretários e um assessor do governador foram presos. Houve também ação na Câmara de São Paulo (veja mais abaixo).

Ação envolve dirigente regional do PSB

Outro alvo da Operação Raio X, conduzida pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), do Ministério Público, foi Wilson Pedro da Silva, secretário do PSB estadual, ex-chefe de gabinete do vereador paulistano Eliseu Gabriel (PSB) e coordenador regional do partido no Grande ABC.

Morador de Santo André, Wilson é figura constante nas agendas da legenda pela região. Esteve, por exemplo, na inauguração do diretório do partido na cidade, que hoje funciona como QG político do candidato do PSB à Prefeitura de Santo André, Ailton Lima.

Figura próxima do ex-governador e atual candidato socialista à prefeitura de São Paulo, Márcio França, Wilson foi uma das lideranças que afiançaram o ingresso de Ailton à sigla para pavimentar a campanha do ex-vereador – bem como França.

O Gaeco não detalhou os motivos pelos quais Wilson está na lista de investigados da Operação Raio X. Apenas informou que cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao dirigente do PSB. Eliseu Gabriel determinou a exoneração dele, em caráter imediato. “Se sua inocência for provada, ele será readmitido”, declarou o parlamentar, ao Uol. Wilson não foi localizado para comentar o caso.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Secretaria de Saúde de Ribeirão é alvo de operação do Gaeco

Investigação é sobre suspeita de desvio público em contratos da área em diversas cidades do Estado

Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

29/09/2020 | 09:47


Atualizada às 23h

Policiais civis e promotores do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), do Ministério Público, estiveram nesta terça-feira em Ribeirão Pires para cumprimento de mandado de busca e apreensão no âmbito da Operação Raio X, que visa desmontar esquema de desvio de recursos públicos no setor e em contratos com OSs (Organizações Sociais) de Saúde. O governo do prefeito Adler Kiko Teixeira (PSDB) informou que a ação envolveu Osvaldo Coca Moralis, funcionário da Santa Casa de Birigui, gestora da saúde municipal, e que atuou na cidade como contratado da instituição.

Conforme o Gaeco, trabalho de dois anos identificou a criação de “sofisticado esquema de desvio de dinheiro público envolvendo empresários, agentes públicos e profissionais liberais” – foram expedidos 64 mandados de prisão temporária e 237 mandados de busca, sendo 180 em São Paulo e 57 em outros Estados, além do sequestro de bens e valores.

“Há indícios de esquema de desvio de verba pública por meio da celebração de contratos de gestão entre organizações sociais e o poder público, em sua maioria, através de procedimentos licitatórios fraudulentos e contratos superfaturados. Foram identificados dezenas de envolvidos com o grupo criminoso divididos em diversos núcleos, cada um com sua colaboração na prática das infrações penais. De acordo com o apurado, houve a aquisição de grande quantidade de bens móveis e imóveis, sendo que parte da evolução patrimonial do grupo se deu justamente no período da pandemia”, discorreu o MP.

A Santa Casa de Birigui, contratada pela Prefeitura de Ribeirão Pires para fazer a gestão da saúde municipal, também foi alvo da operação. A instituição chegou à cidade em 2018, já no governo de Adler Kiko Teixeira (PSDB). Só neste ano, a instituição recebeu R$ 9 milhões da Prefeitura.

Em nota, a Prefeitura de Ribeirão Pires afirmou que o mandado foi cumprido na UPA (Unidade de Pronto-Atendimento) Santa Luzia, unidade municipal na qual Osvaldo Coca Moralis trabalhou e que era gerida no contrato da Santa Casa de Birigui. Moralis trabalhou no município entre janeiro de 2019 e janeiro de 2020.

“A Prefeitura segue à disposição para colaborar com todas as informações necessárias na investigação realizada em âmbito estadual e nacional. Embora o objeto da busca e apreensão seja relacionado a Osvaldo Moralis, a Prefeitura determinou auditoria nos contratos com organizações sociais”, acrescentou.

A Operação Raio X foi um braço da Operação SOS, que atingiu a gestão do governador do Pará, Helder Barbalho (MDB). Dois secretários e um assessor do governador foram presos. Houve também ação na Câmara de São Paulo (veja mais abaixo).

Ação envolve dirigente regional do PSB

Outro alvo da Operação Raio X, conduzida pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), do Ministério Público, foi Wilson Pedro da Silva, secretário do PSB estadual, ex-chefe de gabinete do vereador paulistano Eliseu Gabriel (PSB) e coordenador regional do partido no Grande ABC.

Morador de Santo André, Wilson é figura constante nas agendas da legenda pela região. Esteve, por exemplo, na inauguração do diretório do partido na cidade, que hoje funciona como QG político do candidato do PSB à Prefeitura de Santo André, Ailton Lima.

Figura próxima do ex-governador e atual candidato socialista à prefeitura de São Paulo, Márcio França, Wilson foi uma das lideranças que afiançaram o ingresso de Ailton à sigla para pavimentar a campanha do ex-vereador – bem como França.

O Gaeco não detalhou os motivos pelos quais Wilson está na lista de investigados da Operação Raio X. Apenas informou que cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao dirigente do PSB. Eliseu Gabriel determinou a exoneração dele, em caráter imediato. “Se sua inocência for provada, ele será readmitido”, declarou o parlamentar, ao Uol. Wilson não foi localizado para comentar o caso.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;