Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 23 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Com crise, concessões de crédito para reorganizar dívidas dobram em 2020



28/09/2020 | 13:09


A crise econômica provocada pelo novo coronavírus fez as famílias brasileiras aumentarem a procura por crédito para reorganizar dívidas bancárias já em andamento. Dados divulgados nesta segunda-feira pelo Banco Central mostram que em 2020, até o mês de agosto, as concessões de crédito da modalidade "composição de dívidas" dobraram em relação ao mesmo período do ano passado (alta de 100,9%). No período, os bancos concederam R$ 46,646 bilhões por meio da composição.

O chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, explica que a composição de dívidas ocorre quando o cliente do banco, que possui dívidas de crédito em várias modalidades, procura a instituição financeira para reorganizar as obrigações em uma única operação. Se existem dívidas no cartão de crédito, no cheque especial e no crédito consignado, por exemplo, elas podem ser consolidadas numa única operação, com taxa específica. É como trocar várias dívidas por uma única.

"O cliente faz um pacote só, renegocia com o banco", resume Rocha. "Essa composição é sempre oriunda de mais de uma modalidade. São várias modalidades de crédito ao mesmo tempo", acrescenta.

Os números do BC indicam que, com a crise, as famílias se movimentaram para renegociar as dívidas. Em fevereiro - antes da intensificação da pandemia -, as concessões via composição de dívidas somaram R$ 3,053 bilhões entre as pessoas físicas. Em maio, auge da pressão, esta cifra atingiu o pico de R$ 9,335 bilhões (três vezes o valor de fevereiro).

De julho para agosto, houve queda de 16,8% nas concessões em recomposição de dívidas. Ainda assim, o montante do mês passado, de R$ 4,128 bilhões, está acima do verificado mensalmente antes da pandemia, o que sugere continuidade do movimento de reorganização de dívidas bancárias por parte das famílias.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Com crise, concessões de crédito para reorganizar dívidas dobram em 2020


28/09/2020 | 13:09


A crise econômica provocada pelo novo coronavírus fez as famílias brasileiras aumentarem a procura por crédito para reorganizar dívidas bancárias já em andamento. Dados divulgados nesta segunda-feira pelo Banco Central mostram que em 2020, até o mês de agosto, as concessões de crédito da modalidade "composição de dívidas" dobraram em relação ao mesmo período do ano passado (alta de 100,9%). No período, os bancos concederam R$ 46,646 bilhões por meio da composição.

O chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, explica que a composição de dívidas ocorre quando o cliente do banco, que possui dívidas de crédito em várias modalidades, procura a instituição financeira para reorganizar as obrigações em uma única operação. Se existem dívidas no cartão de crédito, no cheque especial e no crédito consignado, por exemplo, elas podem ser consolidadas numa única operação, com taxa específica. É como trocar várias dívidas por uma única.

"O cliente faz um pacote só, renegocia com o banco", resume Rocha. "Essa composição é sempre oriunda de mais de uma modalidade. São várias modalidades de crédito ao mesmo tempo", acrescenta.

Os números do BC indicam que, com a crise, as famílias se movimentaram para renegociar as dívidas. Em fevereiro - antes da intensificação da pandemia -, as concessões via composição de dívidas somaram R$ 3,053 bilhões entre as pessoas físicas. Em maio, auge da pressão, esta cifra atingiu o pico de R$ 9,335 bilhões (três vezes o valor de fevereiro).

De julho para agosto, houve queda de 16,8% nas concessões em recomposição de dívidas. Ainda assim, o montante do mês passado, de R$ 4,128 bilhões, está acima do verificado mensalmente antes da pandemia, o que sugere continuidade do movimento de reorganização de dívidas bancárias por parte das famílias.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;