Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 28 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Obesidade: a intolerável persistência do faz de conta!


Antonio Carlos do Nascimento

28/09/2020 | 07:24


São enormes as dificuldades que o mundo enfrenta perante a pandêmica obesidade e inegavelmente andamos em círculos por muitas décadas pregando os mesmos equivocados conceitos. Erramos quando culpamos o obeso pelo seu estado, pois o mesmo apenas atende aos desejos desencadeados por ações hormonais em seu cérebro. Em outro equívoco afirmamos que o emagrecimento é uma questão de força de vontade, no que pode ser uma parcial verdade, contudo, sua sustentabilidade flerta com o impossível.

Mas, talvez o que façamos de mais inapropriado seja oferecer os exercícios físicos e a dieta saudável como tratamento para obesidade, quando na verdade esses comportamentos nos protegem do ganho de peso e não o tratam. Só haverá emagrecimento se houver balanço energético negativo, ou seja, se o consumo for menor que o gasto calórico e neste caso convencer o obeso a se submeter a graus variáveis de fome encontra inúmeras fronteiras.

Sem admitir a falibilidade quase absoluta das mudanças comportamentais como recurso de emagrecimento e muitas vezes desconsiderando os tratamentos farmacológicos ou cirúrgicos, muitos profissionais criam seus próprios modelos terapêuticos. São discursos motivacionais que se acompanham de orientações inusitadas buscando induzir o portador da obesidade a um “eu acredito” com prazo de validade variável em sua fidelidade no acompanhamento.

Supostas intolerâncias alimentares como causa para o ganho ponderal, ou, que se apresentam como tratamento paralelo àquele para perda de peso, são entregues para causar impacto e conquistar a cumplicidade do pretenso magricelo. A intolerância ao glúten e à lactose são os diagnósticos mais frequentes, os quais de fato ocorrem na população geral, frequentemente diagnosticado por médicos gastroenterologistas, porém, na raridade que os dados de sua prevalência fazem esperar.

O glúten é melhor definido como o conjunto composto por duas proteínas que ocorre naturalmente em alguns cereais, tais quais a cevada, triticale, centeio e notadamente no trigo, onde corresponde a 80% do total proteico desse vegetal. A farinha de trigo, ainda que seja majoritariamente composta de amido, possui entre 7% e 14% de proteínas, sendo que deste universo aproximadamente 80% é representado por glúten.

Alguns indivíduos desenvolvem extenso dano na parede intestinal promovido por este composto, ou talvez, seja melhor dizer que o glúten provoca uma reação autoimune na parede intestinal que altera completamente a superfície absortiva, sendo este o contexto que caracteriza a DC (Doença Celíaca). A investigação diagnóstica começa com a pesquisa sorológica de anticorpos específicos e é confirmada pela biópsia intestinal.

É importante o entendimento de que o impedimento da absorção da DC é generalizado, para todos os nutrientes e não somente para os alimentos que contenham glúten, condição que gera desnutrição grave. A retirada de todos os alimentos que o possuam em sua composição é condição imperativa para a sobrevivência do paciente, pois, só desta maneira o processo autoimune passa a regredir e com isso a mucosa de absorção retoma suas funções de maneira gradual e lenta.

A sensibilidade não celíaca (ou intolerância ao glúten) guarda clinicamente estreita semelhança com a DC, porém, os testes sorológicos são negativos e a biópsia intestinal é normal, contudo, tal qual na DC, a retirada do glúten soluciona todas as queixas após algum tempo. Por outro lado, as queixas digestivas que surgem apenas com o consumo de produtos com glúten podem se relacionar a alergia ou dificuldade digestiva para estas proteínas. Infelizmente é bastante comum o diagnóstico de intolerância ao glúten sendo entregue em protocolos alternativos de perda de peso, assustando indevidamente o paciente para conquistar temporariamente sua adesão.

A intolerância à lactose pode ter diagnóstico irrefutável se pesquisada laboratorialmente, mas não é incomum a orientação da retirada do leite e derivados como estratégia de emagrecimento, justificada apenas pela “experiência” de quem a prescreve.

Estas estratégias não são danosas pelo que não resolvem, mas sim pelo que perpetuam. Ao responsabilizar o obeso pelo fiasco terapêutico a culpa se derrama na vítima, que consternada, aceitará passivamente medicamentos e cirurgias de doenças resultantes do que pensa ter criado. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Obesidade: a intolerável persistência do faz de conta!

Antonio Carlos do Nascimento

28/09/2020 | 07:24


São enormes as dificuldades que o mundo enfrenta perante a pandêmica obesidade e inegavelmente andamos em círculos por muitas décadas pregando os mesmos equivocados conceitos. Erramos quando culpamos o obeso pelo seu estado, pois o mesmo apenas atende aos desejos desencadeados por ações hormonais em seu cérebro. Em outro equívoco afirmamos que o emagrecimento é uma questão de força de vontade, no que pode ser uma parcial verdade, contudo, sua sustentabilidade flerta com o impossível.

Mas, talvez o que façamos de mais inapropriado seja oferecer os exercícios físicos e a dieta saudável como tratamento para obesidade, quando na verdade esses comportamentos nos protegem do ganho de peso e não o tratam. Só haverá emagrecimento se houver balanço energético negativo, ou seja, se o consumo for menor que o gasto calórico e neste caso convencer o obeso a se submeter a graus variáveis de fome encontra inúmeras fronteiras.

Sem admitir a falibilidade quase absoluta das mudanças comportamentais como recurso de emagrecimento e muitas vezes desconsiderando os tratamentos farmacológicos ou cirúrgicos, muitos profissionais criam seus próprios modelos terapêuticos. São discursos motivacionais que se acompanham de orientações inusitadas buscando induzir o portador da obesidade a um “eu acredito” com prazo de validade variável em sua fidelidade no acompanhamento.

Supostas intolerâncias alimentares como causa para o ganho ponderal, ou, que se apresentam como tratamento paralelo àquele para perda de peso, são entregues para causar impacto e conquistar a cumplicidade do pretenso magricelo. A intolerância ao glúten e à lactose são os diagnósticos mais frequentes, os quais de fato ocorrem na população geral, frequentemente diagnosticado por médicos gastroenterologistas, porém, na raridade que os dados de sua prevalência fazem esperar.

O glúten é melhor definido como o conjunto composto por duas proteínas que ocorre naturalmente em alguns cereais, tais quais a cevada, triticale, centeio e notadamente no trigo, onde corresponde a 80% do total proteico desse vegetal. A farinha de trigo, ainda que seja majoritariamente composta de amido, possui entre 7% e 14% de proteínas, sendo que deste universo aproximadamente 80% é representado por glúten.

Alguns indivíduos desenvolvem extenso dano na parede intestinal promovido por este composto, ou talvez, seja melhor dizer que o glúten provoca uma reação autoimune na parede intestinal que altera completamente a superfície absortiva, sendo este o contexto que caracteriza a DC (Doença Celíaca). A investigação diagnóstica começa com a pesquisa sorológica de anticorpos específicos e é confirmada pela biópsia intestinal.

É importante o entendimento de que o impedimento da absorção da DC é generalizado, para todos os nutrientes e não somente para os alimentos que contenham glúten, condição que gera desnutrição grave. A retirada de todos os alimentos que o possuam em sua composição é condição imperativa para a sobrevivência do paciente, pois, só desta maneira o processo autoimune passa a regredir e com isso a mucosa de absorção retoma suas funções de maneira gradual e lenta.

A sensibilidade não celíaca (ou intolerância ao glúten) guarda clinicamente estreita semelhança com a DC, porém, os testes sorológicos são negativos e a biópsia intestinal é normal, contudo, tal qual na DC, a retirada do glúten soluciona todas as queixas após algum tempo. Por outro lado, as queixas digestivas que surgem apenas com o consumo de produtos com glúten podem se relacionar a alergia ou dificuldade digestiva para estas proteínas. Infelizmente é bastante comum o diagnóstico de intolerância ao glúten sendo entregue em protocolos alternativos de perda de peso, assustando indevidamente o paciente para conquistar temporariamente sua adesão.

A intolerância à lactose pode ter diagnóstico irrefutável se pesquisada laboratorialmente, mas não é incomum a orientação da retirada do leite e derivados como estratégia de emagrecimento, justificada apenas pela “experiência” de quem a prescreve.

Estas estratégias não são danosas pelo que não resolvem, mas sim pelo que perpetuam. Ao responsabilizar o obeso pelo fiasco terapêutico a culpa se derrama na vítima, que consternada, aceitará passivamente medicamentos e cirurgias de doenças resultantes do que pensa ter criado. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;