Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 27 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

PT e PSDB são faces da moeda, diz Demarchi

Vereador confirma candidatura ao Paço, se coloca como terceira via e cola discurso no de Bolsonaro


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

26/09/2020 | 00:01


Vereador em segundo mandato em São Bernardo, Rafael Demarchi oficializou ontem sua candidatura à Prefeitura pelo PSL acreditando ser possível furar a polarização entre o PSDB, representado pelo prefeito Orlando Morando, e o PT, do ex-prefeito Luiz Marinho. “Sou alternativa a esses dois partidos. Aliás, PT e PSDB são faces de uma mesma moeda. Não ter alternativa a esses dois partidos seria ruim para a democracia.”

Demarchi ingressará pela primeira vez na corrida majoritária, tendo ao lado a psicóloga Ana Paula Puga (PSL). O anúncio oficial de que tentará o cargo máximo da Prefeitura aconteceu ontem pela manhã, no Hotel Pampas, com a presença do deputado estadual Coronel Nishikawa (PSL), que tem domicílio eleitoral em São Bernardo (veja mais abaixo).

Em visita ao Diário, Demarchi relatou trechos da conversa derradeira que teve com o deputado federal Júnior Bozzella, presidente paulista do PSL, a respeito da candidatura ao Paço são-bernardense – Morando tentou, via Bozzella, tirar o PSL no pleito.

“Ele me disse que São Bernardo é uma das maiores cidades do País, berço do PT. Tem o principal aliado do governador (João) Doria (PSDB) e também um dos principais aliados do ex-presidente (Luiz Inácio) Lula (da Silva, PT). E que o PSL não poderia ficar fora. O PSL é o principal partido de direita do Brasil. Tinha que entrar nesta disputa. Eu só tenho a agradecer o Bozzella”, citou.

Demarchi buscará adotar discurso do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na campanha, dizendo compactuar com as pautas defendidas pelo chefe da Nação. Reclamou novamente das medidas adotadas por Doria no início da pandemia de Covid-19, que, para ele, não controlou devidamente o avanço da doença nem resguardou a economia, termos bem parecidos com os utilizados por Bolsonaro em suas críticas aos governadores.

Para Demarchi, ele pode se orgulhar de ser “ficha limpa”. “Na pré-campanha, ouvi e li muito sobre as questões de corrupção envolvendo o atual mandatário da cidade. Atualmente a população está com a atenção focada na questão da pandemia, nesta retomada da economia. Aos poucos está voltando os olhos para a eleição. E acredito que o tema corrupção virá à tona”, disse ele.

Pela primeira vez em uma eleição, Ana Paula elogiou o aliado. Ela estava filiada ao Novo, mas mudou para o PSL quando percebeu que a antiga casa não entraria no pleito. “Defendo princípios e valores, que já vinha falando quando estava no Novo também. Trago isso comigo. E encontrei no Rafael alguém que pense assim. Mais do que siglas, são as pessoas que podem fazer a diferença”, comentou. 

Nishikawa garante apoio na campanha

Deputado estadual com domicílio eleitoral em São Bernardo, Coronel Nishikawa (PSL) participou do ato que confirmou a candidatura a prefeito do vereador Rafel Demarchi (PSL), no Hotel Pampas, assegurando que participará da campanha do correligionário.

Durante o evento, relatou que foi um dos que mais fizeram lobby favorável junto a direção estadual para que o PSL tivesse um nome na corrida eleitoral em São Bernardo.

“Eu fiquei no pé de (Júnior) Bozzella (deputado federal e presidente estadual do PSL) até que ele definisse um candidato a prefeito na cidade de São Bernardo. Talvez o Rafael nem saiba disso. Desde o início disse que não queria ser candidato (a prefeito), mas ajudamos na construção de plano de governo. Chega de pessoas que só querem o poder, queremos pessoas simples no comando da cidade”, declarou Nishikawa.

Demarchi realizou sua convenção dentro do prazo estipulado pela Lei Eleitoral, mas deixou a ata aberta, confirmando a candidatura dos 42 postulantes a vereador sem informar se ele mesmo estaria nas urnas. Diante do impasse, Nishikawa havia mandato recado: “Se eventualmente o Rafael desistir, eu, na tribuna (da Assembleia Legislativa), vou fazer com que ele se arrependa de um dia ter saído político”. Ontem, porém, o clima era bem mais ameno. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PT e PSDB são faces da moeda, diz Demarchi

Vereador confirma candidatura ao Paço, se coloca como terceira via e cola discurso no de Bolsonaro

Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

26/09/2020 | 00:01


Vereador em segundo mandato em São Bernardo, Rafael Demarchi oficializou ontem sua candidatura à Prefeitura pelo PSL acreditando ser possível furar a polarização entre o PSDB, representado pelo prefeito Orlando Morando, e o PT, do ex-prefeito Luiz Marinho. “Sou alternativa a esses dois partidos. Aliás, PT e PSDB são faces de uma mesma moeda. Não ter alternativa a esses dois partidos seria ruim para a democracia.”

Demarchi ingressará pela primeira vez na corrida majoritária, tendo ao lado a psicóloga Ana Paula Puga (PSL). O anúncio oficial de que tentará o cargo máximo da Prefeitura aconteceu ontem pela manhã, no Hotel Pampas, com a presença do deputado estadual Coronel Nishikawa (PSL), que tem domicílio eleitoral em São Bernardo (veja mais abaixo).

Em visita ao Diário, Demarchi relatou trechos da conversa derradeira que teve com o deputado federal Júnior Bozzella, presidente paulista do PSL, a respeito da candidatura ao Paço são-bernardense – Morando tentou, via Bozzella, tirar o PSL no pleito.

“Ele me disse que São Bernardo é uma das maiores cidades do País, berço do PT. Tem o principal aliado do governador (João) Doria (PSDB) e também um dos principais aliados do ex-presidente (Luiz Inácio) Lula (da Silva, PT). E que o PSL não poderia ficar fora. O PSL é o principal partido de direita do Brasil. Tinha que entrar nesta disputa. Eu só tenho a agradecer o Bozzella”, citou.

Demarchi buscará adotar discurso do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na campanha, dizendo compactuar com as pautas defendidas pelo chefe da Nação. Reclamou novamente das medidas adotadas por Doria no início da pandemia de Covid-19, que, para ele, não controlou devidamente o avanço da doença nem resguardou a economia, termos bem parecidos com os utilizados por Bolsonaro em suas críticas aos governadores.

Para Demarchi, ele pode se orgulhar de ser “ficha limpa”. “Na pré-campanha, ouvi e li muito sobre as questões de corrupção envolvendo o atual mandatário da cidade. Atualmente a população está com a atenção focada na questão da pandemia, nesta retomada da economia. Aos poucos está voltando os olhos para a eleição. E acredito que o tema corrupção virá à tona”, disse ele.

Pela primeira vez em uma eleição, Ana Paula elogiou o aliado. Ela estava filiada ao Novo, mas mudou para o PSL quando percebeu que a antiga casa não entraria no pleito. “Defendo princípios e valores, que já vinha falando quando estava no Novo também. Trago isso comigo. E encontrei no Rafael alguém que pense assim. Mais do que siglas, são as pessoas que podem fazer a diferença”, comentou. 

Nishikawa garante apoio na campanha

Deputado estadual com domicílio eleitoral em São Bernardo, Coronel Nishikawa (PSL) participou do ato que confirmou a candidatura a prefeito do vereador Rafel Demarchi (PSL), no Hotel Pampas, assegurando que participará da campanha do correligionário.

Durante o evento, relatou que foi um dos que mais fizeram lobby favorável junto a direção estadual para que o PSL tivesse um nome na corrida eleitoral em São Bernardo.

“Eu fiquei no pé de (Júnior) Bozzella (deputado federal e presidente estadual do PSL) até que ele definisse um candidato a prefeito na cidade de São Bernardo. Talvez o Rafael nem saiba disso. Desde o início disse que não queria ser candidato (a prefeito), mas ajudamos na construção de plano de governo. Chega de pessoas que só querem o poder, queremos pessoas simples no comando da cidade”, declarou Nishikawa.

Demarchi realizou sua convenção dentro do prazo estipulado pela Lei Eleitoral, mas deixou a ata aberta, confirmando a candidatura dos 42 postulantes a vereador sem informar se ele mesmo estaria nas urnas. Diante do impasse, Nishikawa havia mandato recado: “Se eventualmente o Rafael desistir, eu, na tribuna (da Assembleia Legislativa), vou fazer com que ele se arrependa de um dia ter saído político”. Ontem, porém, o clima era bem mais ameno. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;