Fechar
Publicidade

Sábado, 24 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Proam: Revisão de áreas de preservação pode incentivar especulação imobiliária



25/09/2020 | 16:49


Em reunião marcada para a próxima segunda-feira, 28, o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) vai decidir se revoga resoluções de preservação ambiental permanente que protegem praias, áreas de restinga e reservatórios artificiais (represas).

Segundo o Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental (Proam), a revisão, pelo conselho, de limites para a realização de empreendimentos nessas áreas pode incentivar, entre outras consequências, a especulação imobiliária.

Carlos Bocuhy, presidente do Proam, diz que uma das resoluções ameaçadas, a de número 303 - que, em maio de 2002, estabeleceu parâmetros, definições e limites de áreas de preservação permanente -, representa uma proteção importante da vegetação rasteira no litoral.

"Houve decisão recente do Tribunal Regional Federal de São Paulo mantendo a 303 em vigor por considerá-la fundamental para garantir o máximo grau de proteção a ecossistemas de enorme relevância ambiental", afirma Bocuhy.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Proam: Revisão de áreas de preservação pode incentivar especulação imobiliária


25/09/2020 | 16:49


Em reunião marcada para a próxima segunda-feira, 28, o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) vai decidir se revoga resoluções de preservação ambiental permanente que protegem praias, áreas de restinga e reservatórios artificiais (represas).

Segundo o Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental (Proam), a revisão, pelo conselho, de limites para a realização de empreendimentos nessas áreas pode incentivar, entre outras consequências, a especulação imobiliária.

Carlos Bocuhy, presidente do Proam, diz que uma das resoluções ameaçadas, a de número 303 - que, em maio de 2002, estabeleceu parâmetros, definições e limites de áreas de preservação permanente -, representa uma proteção importante da vegetação rasteira no litoral.

"Houve decisão recente do Tribunal Regional Federal de São Paulo mantendo a 303 em vigor por considerá-la fundamental para garantir o máximo grau de proteção a ecossistemas de enorme relevância ambiental", afirma Bocuhy.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;