Fechar
Publicidade

Sábado, 24 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Reunião na CBF sobre volta da torcida aos estádios termina em confusão



24/09/2020 | 21:42


Uma reunião por videoconferência, marcada pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) com representantes dos 20 clubes da Série A e que tinha como pauta a discussão sobre o possível retorno de público nos jogos da competição, terminou em discussão, xingamentos e sem nenhuma definição sobre o assunto. Os protagonistas dos momentos de maior tensão do encontro foram Rogério Caboclo, presidente da entidade, e Rubens Lopes, presidente da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj).

A reunião começou por volta das 17h e, logo no início, Caboclo propôs aos presentes a volta do público aos estádios. O presidente da CBF afirmou ainda que para que os torcedores retornassem às partidas a entidade teria de conversar com as prefeituras, mas que antes gostaria de ouvir a posição das equipes.

A maior parte dos representantes dos clubes optou pela isonomia - só seria liberada a presença da torcida se fosse para todas as equipes. Foi nesse ponto que surgiu o primeiro conflito. O Flamengo e a Ferj defenderam que o público deveria ser liberado nas cidades que concordassem com a decisão.

Palmeiras e Corinthians, entre outros, foram taxativos e não aceitaram. Nisso, Caboclo decidiu colocar em votação uma proposta para uma volta conjunta, sem data definida. Rubens Lopes pediu a palavra e lembrou que o pleito não poderia ser realizado, pois não se tratava de uma reunião arbitral, e sim de um simples encontro.

Caboclo ficou irritado com a interrupção. Com a voz elevada, passou a falar que era ele quem presidia a entidade e não outra pessoa. Lopes respondeu e, com ironia, perguntou se o presidente da CBF havia se esquecido de tomar o "Gardenal" (remédio controlado usado para tratar e prevenir convulsões e episódios de epilepsia).

Diante da incredulidade dos presentes, Walter Feldman, secretário da entidade, interveio e a reunião foi encerrada.

OUTROS TEMAS - No encontro, ainda houve uma rusga entre Mário Celso Petraglia, presidente do Athletico-PR, Caboclo e Lopes. Caboclo ainda queria debater assuntos relacionados ao novo coronavírus, mas não houve nenhuma discussão sobre o assunto.

A única decisão efetiva do encontro foi o aumento do número de jogadores inscritos por clube no Brasileirão - de 40 para 50 atletas.

A decisão de aumentar dez jogadores por clube se dá na semana que o Flamengo vive um surto de covid-19 dentro do seu elenco. Até esta quinta, são 16 jogadores infectados, além do presidente Rodolfo Landim e do vice de futebol, Marcos Braz.

Por isso, o clube carioca quer o adiamento de sua partida contra o Palmeiras, marcada para domingo às 16h no Allianz Parque. O pedido, que o Alviverde se opõe, não teve resposta da CBF e o Flamengo deve entrar com medida no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) para não ter que atuar com jogadores das suas categorias de base. O time ainda quer ter o direito de não entrar em campo sem ser penalizado com a perda dos pontos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Reunião na CBF sobre volta da torcida aos estádios termina em confusão


24/09/2020 | 21:42


Uma reunião por videoconferência, marcada pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) com representantes dos 20 clubes da Série A e que tinha como pauta a discussão sobre o possível retorno de público nos jogos da competição, terminou em discussão, xingamentos e sem nenhuma definição sobre o assunto. Os protagonistas dos momentos de maior tensão do encontro foram Rogério Caboclo, presidente da entidade, e Rubens Lopes, presidente da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj).

A reunião começou por volta das 17h e, logo no início, Caboclo propôs aos presentes a volta do público aos estádios. O presidente da CBF afirmou ainda que para que os torcedores retornassem às partidas a entidade teria de conversar com as prefeituras, mas que antes gostaria de ouvir a posição das equipes.

A maior parte dos representantes dos clubes optou pela isonomia - só seria liberada a presença da torcida se fosse para todas as equipes. Foi nesse ponto que surgiu o primeiro conflito. O Flamengo e a Ferj defenderam que o público deveria ser liberado nas cidades que concordassem com a decisão.

Palmeiras e Corinthians, entre outros, foram taxativos e não aceitaram. Nisso, Caboclo decidiu colocar em votação uma proposta para uma volta conjunta, sem data definida. Rubens Lopes pediu a palavra e lembrou que o pleito não poderia ser realizado, pois não se tratava de uma reunião arbitral, e sim de um simples encontro.

Caboclo ficou irritado com a interrupção. Com a voz elevada, passou a falar que era ele quem presidia a entidade e não outra pessoa. Lopes respondeu e, com ironia, perguntou se o presidente da CBF havia se esquecido de tomar o "Gardenal" (remédio controlado usado para tratar e prevenir convulsões e episódios de epilepsia).

Diante da incredulidade dos presentes, Walter Feldman, secretário da entidade, interveio e a reunião foi encerrada.

OUTROS TEMAS - No encontro, ainda houve uma rusga entre Mário Celso Petraglia, presidente do Athletico-PR, Caboclo e Lopes. Caboclo ainda queria debater assuntos relacionados ao novo coronavírus, mas não houve nenhuma discussão sobre o assunto.

A única decisão efetiva do encontro foi o aumento do número de jogadores inscritos por clube no Brasileirão - de 40 para 50 atletas.

A decisão de aumentar dez jogadores por clube se dá na semana que o Flamengo vive um surto de covid-19 dentro do seu elenco. Até esta quinta, são 16 jogadores infectados, além do presidente Rodolfo Landim e do vice de futebol, Marcos Braz.

Por isso, o clube carioca quer o adiamento de sua partida contra o Palmeiras, marcada para domingo às 16h no Allianz Parque. O pedido, que o Alviverde se opõe, não teve resposta da CBF e o Flamengo deve entrar com medida no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) para não ter que atuar com jogadores das suas categorias de base. O time ainda quer ter o direito de não entrar em campo sem ser penalizado com a perda dos pontos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;