Fechar
Publicidade

Domingo, 25 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas de NY fecham pregão volátil em alta, com estímulos fiscais no radar



24/09/2020 | 17:13


Após pregão volátil, as bolsas de Nova York fecharam em alta nesta quinta-feira, 24, com investidores de olho nas negociações sobre uma nova rodada de estímulos fiscais nos Estados Unidos, em meio ao alerta de dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de que, sem elas, a recuperação econômica será mais difícil. A contínua desaceleração da retomada do mercado de trabalho, contudo, limitou os ganhos.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,20%, em 26.815,44 pontos, o S&P 500 avançou 0,30%, a 3.246,59,92 pontos, e o Nasdaq subiu 0,37%, a 10.672,27 pontos. As ações das gigantes de tecnologia apareceram como destaque, com Apple se valorizando 1,03%, acompanhada por Facebook (+0,20%) e Microsoft (+1,30%).

Dirigentes do Fed deram sequência hoje à maratona de discursos e entrevistas iniciada ontem. Apesar de divergências pontuais em relação à trajetória da inflação, a mensagem foi uníssona em um ponto: mais apoio fiscal é indispensável para aquecer a atividade econômica. Diante do Comitê Bancário do Senado, o presidente da autoridade monetária, Jerome Powell, repetiu o argumento de que, sem a intervenção do Congresso, a capacidade do BC americano de impulsionar a maior economia do mundo fica limitada.

O apelo acontece em um momento em que o mercado de trabalho dá claros sinais de desaceleração. Hoje pela manhã, o departamento do Trabalho dos EUA informou que os novos pedidos de auxílio-desemprego no país registraram aumento de 4 mil na semana encerrada em 19 de setembro, a 870 mil.

Na avaliação da Pantheon Macroeconomics, o resultado é consistente com o quadro geral observado nas últimas semanas. "Diante desse pano de fundo, a necessidade de mais ação fiscal é óbvia, mas não esperamos nenhum pacote de alívio significativo até fevereiro", analisa.

Na esteira do dado, os índices acionários em Nova York tiveram uma abertura negativa, mas oscilaram entre ganhos e perdas ao longo do pregão. Logo no início da sessão, o surpreendente avanço de 4,8% na venda de moradias novas em agosto, para 1,011 milhão de unidades, ajudou a dar um respiro aos negócios.

À tarde, sinalizações do secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, e da presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, de que estão retornando à mesa de negociações contribuíram para novo fôlego nas ações.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsas de NY fecham pregão volátil em alta, com estímulos fiscais no radar


24/09/2020 | 17:13


Após pregão volátil, as bolsas de Nova York fecharam em alta nesta quinta-feira, 24, com investidores de olho nas negociações sobre uma nova rodada de estímulos fiscais nos Estados Unidos, em meio ao alerta de dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de que, sem elas, a recuperação econômica será mais difícil. A contínua desaceleração da retomada do mercado de trabalho, contudo, limitou os ganhos.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,20%, em 26.815,44 pontos, o S&P 500 avançou 0,30%, a 3.246,59,92 pontos, e o Nasdaq subiu 0,37%, a 10.672,27 pontos. As ações das gigantes de tecnologia apareceram como destaque, com Apple se valorizando 1,03%, acompanhada por Facebook (+0,20%) e Microsoft (+1,30%).

Dirigentes do Fed deram sequência hoje à maratona de discursos e entrevistas iniciada ontem. Apesar de divergências pontuais em relação à trajetória da inflação, a mensagem foi uníssona em um ponto: mais apoio fiscal é indispensável para aquecer a atividade econômica. Diante do Comitê Bancário do Senado, o presidente da autoridade monetária, Jerome Powell, repetiu o argumento de que, sem a intervenção do Congresso, a capacidade do BC americano de impulsionar a maior economia do mundo fica limitada.

O apelo acontece em um momento em que o mercado de trabalho dá claros sinais de desaceleração. Hoje pela manhã, o departamento do Trabalho dos EUA informou que os novos pedidos de auxílio-desemprego no país registraram aumento de 4 mil na semana encerrada em 19 de setembro, a 870 mil.

Na avaliação da Pantheon Macroeconomics, o resultado é consistente com o quadro geral observado nas últimas semanas. "Diante desse pano de fundo, a necessidade de mais ação fiscal é óbvia, mas não esperamos nenhum pacote de alívio significativo até fevereiro", analisa.

Na esteira do dado, os índices acionários em Nova York tiveram uma abertura negativa, mas oscilaram entre ganhos e perdas ao longo do pregão. Logo no início da sessão, o surpreendente avanço de 4,8% na venda de moradias novas em agosto, para 1,011 milhão de unidades, ajudou a dar um respiro aos negócios.

À tarde, sinalizações do secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, e da presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, de que estão retornando à mesa de negociações contribuíram para novo fôlego nas ações.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;