Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 30 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Brasil perdeu 500 mil m2 quadrados de biomas em 18 anos, metade na Amazônia, segundo IBGE

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

A amostra exclui os grandes incêndios registrados na floresta amazônica no ano passado e no Pantanal este ano, já durante o governo do presidente Jair Bolsonaro



24/09/2020 | 11:07


O Brasil perdeu 500 mil quilômetros quadrados (M2) de sua área natural em 18 anos, o equivalente a duas vezes o tamanho do Estado de São Paulo, apontou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A maior perda em números absolutos ocorreu na Amazônia, que acumulou mais da metade da redução de área verde do País no período. Há, porém, um pequeno alento: o ritmo de destruição dos biomas do País desacelerou, na comparação feita por técnicos do órgão, que tem 2018 como último ano.

Os dados compõem o estudo de Contas Econômicas Ambientais, apresentado pelo IBGE nesta quinta-feira, 24. O levantamento considera a série histórica que compreende o período entre 2000 e 2018. A amostra exclui os grandes incêndios registrados na floresta amazônica no ano passado e no Pantanal este ano, já durante o governo do presidente Jair Bolsonaro.

Segundo os pesquisadores, todos os seis biomas - Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Pantanal - apresentaram redução de suas áreas. As maiores perdas em números absolutos foram registradas na Amazônia (perdeu 269,8 mil quilômetros quadrados de área) e Cerrado (152,7 mil). Em termos porcentuais, porém, quem registrou maior decréscimo foi o Pampa, cuja extensão diminuiu 16,8% em 18 anos.

Expansão agrícola

O estudo traz dados concretos de redução da área nativa, mas sem detalhar se foi motivada por queimadas, desmatamentos ou outra ação humana. Ao mesmo tempo, mostra as conversões do espaço - se deixou de ser vegetação de pampa, por exemplo, para se tornar plantação.

O crescimento das áreas agrícolas é evidente, e chama atenção a situação do bioma Amazônia. A área florestal recuou mais de 265 mil quilômetros quadrados em 18 anos, o equivalente a quase 8% de sua cobertura. Ao mesmo tempo, a região registrou um aumento de 71,4% em sua área de pastagem com manejo, e de 288,6% na área agrícola.

Curiosamente, a atividade agropecuária por lá não é relevante para o Produto Interno Bruto (PIB). Segundo o IBGE, entre 2016 e 2017 o setor agropecuário cresceu 14,2% em volume do PIB no Brasil, mas na Região Norte apresentou decréscimo.

A Mata Atlântica, onde se encontram os Estados de São Paulo e Rio de Janeiro - uma área altamente industrializada -, é atualmente o único bioma terrestre brasileiro cujo maior espaço não é mais de sua cobertura natural. A região teve poucas mudanças em 18 anos, mas também sofreu redução: 7,07%.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Brasil perdeu 500 mil m2 quadrados de biomas em 18 anos, metade na Amazônia, segundo IBGE

A amostra exclui os grandes incêndios registrados na floresta amazônica no ano passado e no Pantanal este ano, já durante o governo do presidente Jair Bolsonaro


24/09/2020 | 11:07


O Brasil perdeu 500 mil quilômetros quadrados (M2) de sua área natural em 18 anos, o equivalente a duas vezes o tamanho do Estado de São Paulo, apontou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A maior perda em números absolutos ocorreu na Amazônia, que acumulou mais da metade da redução de área verde do País no período. Há, porém, um pequeno alento: o ritmo de destruição dos biomas do País desacelerou, na comparação feita por técnicos do órgão, que tem 2018 como último ano.

Os dados compõem o estudo de Contas Econômicas Ambientais, apresentado pelo IBGE nesta quinta-feira, 24. O levantamento considera a série histórica que compreende o período entre 2000 e 2018. A amostra exclui os grandes incêndios registrados na floresta amazônica no ano passado e no Pantanal este ano, já durante o governo do presidente Jair Bolsonaro.

Segundo os pesquisadores, todos os seis biomas - Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Pantanal - apresentaram redução de suas áreas. As maiores perdas em números absolutos foram registradas na Amazônia (perdeu 269,8 mil quilômetros quadrados de área) e Cerrado (152,7 mil). Em termos porcentuais, porém, quem registrou maior decréscimo foi o Pampa, cuja extensão diminuiu 16,8% em 18 anos.

Expansão agrícola

O estudo traz dados concretos de redução da área nativa, mas sem detalhar se foi motivada por queimadas, desmatamentos ou outra ação humana. Ao mesmo tempo, mostra as conversões do espaço - se deixou de ser vegetação de pampa, por exemplo, para se tornar plantação.

O crescimento das áreas agrícolas é evidente, e chama atenção a situação do bioma Amazônia. A área florestal recuou mais de 265 mil quilômetros quadrados em 18 anos, o equivalente a quase 8% de sua cobertura. Ao mesmo tempo, a região registrou um aumento de 71,4% em sua área de pastagem com manejo, e de 288,6% na área agrícola.

Curiosamente, a atividade agropecuária por lá não é relevante para o Produto Interno Bruto (PIB). Segundo o IBGE, entre 2016 e 2017 o setor agropecuário cresceu 14,2% em volume do PIB no Brasil, mas na Região Norte apresentou decréscimo.

A Mata Atlântica, onde se encontram os Estados de São Paulo e Rio de Janeiro - uma área altamente industrializada -, é atualmente o único bioma terrestre brasileiro cujo maior espaço não é mais de sua cobertura natural. A região teve poucas mudanças em 18 anos, mas também sofreu redução: 7,07%.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;