Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 23 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Carro que faz parte do imaginário do brasileiro vira coquetel de sucesso



24/09/2020 | 08:00


Direção e bebida não se misturam. Se beber, não dirija nunca. Ponto. Mas vem do universo automotivo o nome de um coquetel que se transformou em fenômeno de consumo nos bairros da periferia da cidade e na Grande São Paulo: o Chevette. Lançado em 1973, o carro saiu de linha ainda no início da década de 1990. Apesar disso, ele nunca abandonou o imaginário do brasileiro. O Chevette, ao lado do Fusca, ainda é o carro mais lembrado por saudosistas e piadistas de internet. Não à toa, virou nome de bebida.

Como quase todo coquetel clássico que se preze, ele tem uma origem difícil de definir - e vive mais de versões do que de fatos. A lenda mais repetida é que ele teria sido criado em Mauá, na Grande São Paulo. O cenário muda conforme a lábia de quem conta. Fala-se que ele nasceu em um posto de gasolina, em um boteco ou uma balada.

Dizem que depois de criá-lo (e consumi-lo), um sujeito teria decidido ir para casa de carro, mas entrado em um veículo que não era o dele - coincidentemente um Chevette. De novo, não seja burro: se beber, não dirija.

O drinque tem como base um coquetel alcoólico saborizado de limão. As marcas que dominam o mercado do Chevette são o Corote Sabores (vodca misturada com essências) e o Duelo (fermentado de maçã e aguardente de cana). Desde o início da febre, Corote e Duelo têm investido no marketing do drinque, com embalagens especiais, promoções e postagens em redes sociais.

As bebidas vêm em garrafinhas de plástico (500 ml) e não custam mais R$ 3. Além da base alcoólica, o drinque também leva um suco de pozinho sabor baunilha com limão e gelo de água de coco (feito com água de coco de caixinha). O kit completo, com direito a copo de plástico e canudinho, pode ser encontrado por R$ 6 a R$ 9.

O bartender Thiago Toalha, que atua no Le Jazz Brasserie e também criou o personagem Barman Deprê Show (sucesso nas redes sociais ao ironizar a máxima de que "cliente tem sempre razão"), levou a reportagem para conhecer botecos no Itaim Paulista, zona leste, um dos pontos da cidade onde o Chevette é rei. "O Chevette é um fenômeno na periferia. Mais do que um coquetel, ele tem movimentado a economia local. Adegas e botecos estão se mantendo graças à força do Chevette", disse.

Nos fins de semana, na Adega 3 Irmãos, também conhecida como Bar do Pururuca, saem em torno de 100 kits de Chevette. "Temos duas opções. Ou preparo o drinque aqui no balcão ou vendo o kit para a pessoa fazer em casa", explicou Cledenilson Wilson Berlofa, de 40 anos (muito mais conhecido como Pururuca).

Perto dali, o jovem empreendedor Rodrigo Dias Faes da Silva, de 22 anos, montou uma adega nos fundos de sua casa. Ele percebeu que o Chevette poderia se juntar a outro fenômeno na região: o narguilé (aquele dispositivo para fumar, que tem origem na Índia, onde uma mistura de tabaco é aquecida e a fumaça gerada passa por um filtro de água). "Comecei com o narguilé, mas o Chevette veio forte. Nos fins de semana, trabalho até as 6h da manhã sem parar." Para subir a demanda, Dias mantém um estoque de caixas de Duelo, Corote, suco de baunilha em pó e caixinhas de água de coco.

O Chevette também ganhou as prateleiras dos supermercados. Em Mauá, por exemplo, você encontra promoções e áreas inteiras dedicadas aos produtos que compõem o coquetel. Além disso, os kits podem ser pedidos pelos tradicionais aplicativos de delivery.

Preparo

Acreditem, o Chevette também tem sua polêmica ao melhor estilo Dry Martini. Seria o Chevette um drinque batido ou mexido? É quase unânime que no caso do Chevette (e jamais no Dry Martini) estamos falando de um drinque batido. O segredo é como e onde bater. "Fui fazer um Chevette usando coqueteleira e tiraram muito sarro de mim", contou Toalha.

De fato, o Chevette raiz é batido na própria garrafinha de plástico das bebidas (que lembra um barrilzinho). Em linhas gerais, para fazer o Chevette, é preciso primeiro deixar uma caixinha de água de coco no congelador (os botecos, claro, já deixam centenas delas nas geladeiras).

Como primeiro passo, o consumidor (ou o bartender) deve cortar a caixinha para tirar o gelo pronto - que fica estiloso e no formato da embalagem. Esse gelo deve ser colocado em um copo da plástico de pelo menos 500 ml. Depois, cerca de 100 ml da bebida-base são despejados nesse mesmo copo com gelo.

Na sequência, o pozinho de suco de baunilha é misturado à bebida que ficou na garrafinha. Ou seja, a bebida é batida dentro da própria garrafinha para misturar os elementos. Por último, todo o conteúdo da garrafinha vai para o copo com o gelo de água de coco. O aspecto da bebida é um pouco turvo, lembra leite e tem alguma cremosidade.

O sabor, bem, o sabor é bastante adocicado e traz uma memória emotiva para muita gente. "Lembra o sabor de um Yakult, só que alcoólico", afirmou Toalha. Quem quiser algo menos doce é só pôr menos pó de baunilha.

Gourmetização

O bartender Diogo Sevillo, chef de bar do Cozinha 212, que realiza projetos com bebidas marginalizadas, ressalta a mistura de conceitos da cultura de coquetelaria mais tradicional com elementos populares. "O Chevette é feito com produtos que são de fácil acesso para quem vive na periferia, mas perceba a sacada do gelo de água de coco. É uma ideia que está presente em muitos bares, até uma sofisticação", disse. É provável que a ideia do gelo de água de coco tenha nascido de uma mistura tradicional, o uísque com água de coco.

A expectativa é que aconteça com o Chevette o mesmo fenômeno que já aconteceu com o Rabo de Galo (cachaça, Cynar e Vermute). O coquetel sempre foi um clássico dos botecos e hoje está presente em praticamente todos os bares de alta coquetelaria do Brasil - em versões com blends de cachaças artesanais, vermutes especiais, bitters, etc. e tal). "É possível deixar o drinque mais equilibrado, menos doce. Mas não apoio a gourmetização. Acho que as pessoas deveriam experimentar, primeiro, o original", fala o bartender Raul Dias, dos bares Tulum e Ruazinha.

A bartender Márcia Martins, do Laskarina Bouboulina, já está colocando na carta do bar uma versão com vodca Absolut Citron, calda de baunilha, ácido cítrico e gelo de coco. Servido em copo americano, ele se chama chevetinho ou corvettinho. "Como o País passa por dificuldades econômicas, minha ideia era um drinque com um preço bacana, com esse apelo popular, mas usando bebidas de qualidade", explicou Márcia.

Na onda do Chevette já é possível encontrar criações com outros sabores de Corote, Duelo ou bebidas similares. Trata-se, praticamente, de uma franquia. Por exemplo, com bebida saborizada de maracujá cria-se o Brasília Amarela; com o saborizado de morango, temos uma Ferrari; já com o sabor blueberry (sim, existe) já criaram o Fusca Azul - mas, aqui, em vez do suco de baunilha em pó, a mistura leva cerveja. E, por fim, mais uma vez, não custa nada repetir: beba com moderação e, nunca jamais, dirija se tiver consumido bebida alcoólica.

Quer tentar fazer o Chevette em casa? A receita é bem simples.

Confira a seguir:

Modo de preparo

1. Congele uma caixinha de água de coco.

2. Em um copo de plástico (ou vidro) coloque o gelo de coco pronto e uns 100 ml de Duelo ou Corote limão (ou uma bebida similar).

3. Na própria garrafa da bebida, junte suco de baunilha em pó à bebida (também pode ser usado o suco de baunilha com limão).

4. Bata dentro da própria

garrafinha.

5. Coloque o conteúdo da garrafinha dentro do copo com gelo.

6. Tenha juízo.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Carro que faz parte do imaginário do brasileiro vira coquetel de sucesso


24/09/2020 | 08:00


Direção e bebida não se misturam. Se beber, não dirija nunca. Ponto. Mas vem do universo automotivo o nome de um coquetel que se transformou em fenômeno de consumo nos bairros da periferia da cidade e na Grande São Paulo: o Chevette. Lançado em 1973, o carro saiu de linha ainda no início da década de 1990. Apesar disso, ele nunca abandonou o imaginário do brasileiro. O Chevette, ao lado do Fusca, ainda é o carro mais lembrado por saudosistas e piadistas de internet. Não à toa, virou nome de bebida.

Como quase todo coquetel clássico que se preze, ele tem uma origem difícil de definir - e vive mais de versões do que de fatos. A lenda mais repetida é que ele teria sido criado em Mauá, na Grande São Paulo. O cenário muda conforme a lábia de quem conta. Fala-se que ele nasceu em um posto de gasolina, em um boteco ou uma balada.

Dizem que depois de criá-lo (e consumi-lo), um sujeito teria decidido ir para casa de carro, mas entrado em um veículo que não era o dele - coincidentemente um Chevette. De novo, não seja burro: se beber, não dirija.

O drinque tem como base um coquetel alcoólico saborizado de limão. As marcas que dominam o mercado do Chevette são o Corote Sabores (vodca misturada com essências) e o Duelo (fermentado de maçã e aguardente de cana). Desde o início da febre, Corote e Duelo têm investido no marketing do drinque, com embalagens especiais, promoções e postagens em redes sociais.

As bebidas vêm em garrafinhas de plástico (500 ml) e não custam mais R$ 3. Além da base alcoólica, o drinque também leva um suco de pozinho sabor baunilha com limão e gelo de água de coco (feito com água de coco de caixinha). O kit completo, com direito a copo de plástico e canudinho, pode ser encontrado por R$ 6 a R$ 9.

O bartender Thiago Toalha, que atua no Le Jazz Brasserie e também criou o personagem Barman Deprê Show (sucesso nas redes sociais ao ironizar a máxima de que "cliente tem sempre razão"), levou a reportagem para conhecer botecos no Itaim Paulista, zona leste, um dos pontos da cidade onde o Chevette é rei. "O Chevette é um fenômeno na periferia. Mais do que um coquetel, ele tem movimentado a economia local. Adegas e botecos estão se mantendo graças à força do Chevette", disse.

Nos fins de semana, na Adega 3 Irmãos, também conhecida como Bar do Pururuca, saem em torno de 100 kits de Chevette. "Temos duas opções. Ou preparo o drinque aqui no balcão ou vendo o kit para a pessoa fazer em casa", explicou Cledenilson Wilson Berlofa, de 40 anos (muito mais conhecido como Pururuca).

Perto dali, o jovem empreendedor Rodrigo Dias Faes da Silva, de 22 anos, montou uma adega nos fundos de sua casa. Ele percebeu que o Chevette poderia se juntar a outro fenômeno na região: o narguilé (aquele dispositivo para fumar, que tem origem na Índia, onde uma mistura de tabaco é aquecida e a fumaça gerada passa por um filtro de água). "Comecei com o narguilé, mas o Chevette veio forte. Nos fins de semana, trabalho até as 6h da manhã sem parar." Para subir a demanda, Dias mantém um estoque de caixas de Duelo, Corote, suco de baunilha em pó e caixinhas de água de coco.

O Chevette também ganhou as prateleiras dos supermercados. Em Mauá, por exemplo, você encontra promoções e áreas inteiras dedicadas aos produtos que compõem o coquetel. Além disso, os kits podem ser pedidos pelos tradicionais aplicativos de delivery.

Preparo

Acreditem, o Chevette também tem sua polêmica ao melhor estilo Dry Martini. Seria o Chevette um drinque batido ou mexido? É quase unânime que no caso do Chevette (e jamais no Dry Martini) estamos falando de um drinque batido. O segredo é como e onde bater. "Fui fazer um Chevette usando coqueteleira e tiraram muito sarro de mim", contou Toalha.

De fato, o Chevette raiz é batido na própria garrafinha de plástico das bebidas (que lembra um barrilzinho). Em linhas gerais, para fazer o Chevette, é preciso primeiro deixar uma caixinha de água de coco no congelador (os botecos, claro, já deixam centenas delas nas geladeiras).

Como primeiro passo, o consumidor (ou o bartender) deve cortar a caixinha para tirar o gelo pronto - que fica estiloso e no formato da embalagem. Esse gelo deve ser colocado em um copo da plástico de pelo menos 500 ml. Depois, cerca de 100 ml da bebida-base são despejados nesse mesmo copo com gelo.

Na sequência, o pozinho de suco de baunilha é misturado à bebida que ficou na garrafinha. Ou seja, a bebida é batida dentro da própria garrafinha para misturar os elementos. Por último, todo o conteúdo da garrafinha vai para o copo com o gelo de água de coco. O aspecto da bebida é um pouco turvo, lembra leite e tem alguma cremosidade.

O sabor, bem, o sabor é bastante adocicado e traz uma memória emotiva para muita gente. "Lembra o sabor de um Yakult, só que alcoólico", afirmou Toalha. Quem quiser algo menos doce é só pôr menos pó de baunilha.

Gourmetização

O bartender Diogo Sevillo, chef de bar do Cozinha 212, que realiza projetos com bebidas marginalizadas, ressalta a mistura de conceitos da cultura de coquetelaria mais tradicional com elementos populares. "O Chevette é feito com produtos que são de fácil acesso para quem vive na periferia, mas perceba a sacada do gelo de água de coco. É uma ideia que está presente em muitos bares, até uma sofisticação", disse. É provável que a ideia do gelo de água de coco tenha nascido de uma mistura tradicional, o uísque com água de coco.

A expectativa é que aconteça com o Chevette o mesmo fenômeno que já aconteceu com o Rabo de Galo (cachaça, Cynar e Vermute). O coquetel sempre foi um clássico dos botecos e hoje está presente em praticamente todos os bares de alta coquetelaria do Brasil - em versões com blends de cachaças artesanais, vermutes especiais, bitters, etc. e tal). "É possível deixar o drinque mais equilibrado, menos doce. Mas não apoio a gourmetização. Acho que as pessoas deveriam experimentar, primeiro, o original", fala o bartender Raul Dias, dos bares Tulum e Ruazinha.

A bartender Márcia Martins, do Laskarina Bouboulina, já está colocando na carta do bar uma versão com vodca Absolut Citron, calda de baunilha, ácido cítrico e gelo de coco. Servido em copo americano, ele se chama chevetinho ou corvettinho. "Como o País passa por dificuldades econômicas, minha ideia era um drinque com um preço bacana, com esse apelo popular, mas usando bebidas de qualidade", explicou Márcia.

Na onda do Chevette já é possível encontrar criações com outros sabores de Corote, Duelo ou bebidas similares. Trata-se, praticamente, de uma franquia. Por exemplo, com bebida saborizada de maracujá cria-se o Brasília Amarela; com o saborizado de morango, temos uma Ferrari; já com o sabor blueberry (sim, existe) já criaram o Fusca Azul - mas, aqui, em vez do suco de baunilha em pó, a mistura leva cerveja. E, por fim, mais uma vez, não custa nada repetir: beba com moderação e, nunca jamais, dirija se tiver consumido bebida alcoólica.

Quer tentar fazer o Chevette em casa? A receita é bem simples.

Confira a seguir:

Modo de preparo

1. Congele uma caixinha de água de coco.

2. Em um copo de plástico (ou vidro) coloque o gelo de coco pronto e uns 100 ml de Duelo ou Corote limão (ou uma bebida similar).

3. Na própria garrafa da bebida, junte suco de baunilha em pó à bebida (também pode ser usado o suco de baunilha com limão).

4. Bata dentro da própria

garrafinha.

5. Coloque o conteúdo da garrafinha dentro do copo com gelo.

6. Tenha juízo.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;