Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 22 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Taxa de desocupação aumentou de 13,1% em julho para 13,6% em agosto, diz IBGE



23/09/2020 | 12:54


A taxa de desemprego aumentou de 13,1% em julho para 13,6% em agosto maior resultado da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Covid (Pnad Covid-19) mensal, iniciada em maio pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em agosto, a população ocupada totalizou 84,4 milhões de pessoas, expansão de 0,8% em relação a julho. Já a população desocupada cresceu para 12,9 milhões de pessoas, crescimento de 5,5% ante julho, cerca de 600 mil pessoas a mais.

A Região Sul foi a única a apresentar queda da população desocupada (-2,3%) na passagem de julho para agosto, enquanto os maiores avanços ocorreram no Nordeste (14,3%) e Norte (10,3%). As taxas de desocupação do mês passado foram mais elevadas no Nordeste (15,7%), Norte (14,2%) e Sudeste (14,0%), mais brandas no Centro-Oeste (12,2%) e Sul (10,0%).

O contingente de inativos diminuiu de 76,5 milhões em julho para 75,2 milhões em agosto, uma redução de 1,6%. Entre os inativos, 27,2 milhões (36,1%) gostariam de trabalhar, mas não buscaram trabalho. Cerca de 17,5 milhões de pessoas disseram que não procuraram emprego devido à pandemia ou à falta de trabalho na localidade, mas que gostariam de trabalhar.

Em agosto, a taxa de desocupação entre as mulheres foi de 16,2%, ante um resultado de 11,7% entre os homens. Já a taxa entre as pessoas de cor preta ou parda foi de 15,4%, muito superior à dos brancos (11,5%).

A taxa de desemprego foi de 23,3% entre os jovens de 14 a 29 anos de idade. Por nível de escolaridade, o resultado foi mais baixo entre os trabalhadores com nível superior completo ou pós-graduação: 6,8%.

O nível de ocupação subiu de 47,9% em julho para 48,2% em agosto. O contingente de trabalhadores considerados informais totalizou 27,9 milhões de pessoas em agosto. A taxa de informalidade passou de 33,6% em julho para 33,9% em agosto.

Em agosto, 4,1 milhões de trabalhadores ainda estavam afastados do trabalho devido ao distanciamento social. A proporção de pessoas afastadas diminuiu de julho para agosto em todas as grandes regiões. Entre as Unidades da Federação, o Acre teve a maior proporção de ocupados afastados devido ao distanciamento social, 12,4%.

O grupo das pessoas de 60 anos ou mais de idade tem a maior proporção de pessoas afastadas em função da pandemia, mas diminuiu de 15,4% das pessoas ocupadas em julho para 10,7% em agosto. Entre as mulheres, a proporção de afastadas foi caiu de 11,3% em julho para 7,1% em agosto, enquanto essa fatia para os homens desceu de 6,2% para 3,6%.

Setor

Em agosto, a Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura manteve o menor porcentual de pessoas afastadas (1,6%), enquanto os maiores ocorrem na Administração pública, defesa e seguridade social, educação e saúde (9,9%), Outros serviços (7,6%), Serviço doméstico (6,5%) e Alojamento e alimentação (5,7%).

Entre os 6,7 milhões de ocupados que estavam afastados do trabalho - fosse pelo distanciamento social ou por outro motivo -, aproximadamente 1,6 milhão de pessoas (23,7%) estavam sem a remuneração do trabalho. Em julho, esse porcentual era de 32,4%.

Horas trabalhadas

A retomada gradual das atividades econômicas e flexibilização das medidas de isolamento social fez crescer o número de horas efetivamente trabalhadas pelos brasileiros em agosto em todas as Grandes Regiões do país. O número médio de horas efetivamente trabalhadas em agosto foi de 34,1 horas semanais, ante 40,1 horas habituais. Em julho, foram trabalhadas 32,2 horas semanais, ante as 40,1 horas habituais.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Taxa de desocupação aumentou de 13,1% em julho para 13,6% em agosto, diz IBGE


23/09/2020 | 12:54


A taxa de desemprego aumentou de 13,1% em julho para 13,6% em agosto maior resultado da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Covid (Pnad Covid-19) mensal, iniciada em maio pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em agosto, a população ocupada totalizou 84,4 milhões de pessoas, expansão de 0,8% em relação a julho. Já a população desocupada cresceu para 12,9 milhões de pessoas, crescimento de 5,5% ante julho, cerca de 600 mil pessoas a mais.

A Região Sul foi a única a apresentar queda da população desocupada (-2,3%) na passagem de julho para agosto, enquanto os maiores avanços ocorreram no Nordeste (14,3%) e Norte (10,3%). As taxas de desocupação do mês passado foram mais elevadas no Nordeste (15,7%), Norte (14,2%) e Sudeste (14,0%), mais brandas no Centro-Oeste (12,2%) e Sul (10,0%).

O contingente de inativos diminuiu de 76,5 milhões em julho para 75,2 milhões em agosto, uma redução de 1,6%. Entre os inativos, 27,2 milhões (36,1%) gostariam de trabalhar, mas não buscaram trabalho. Cerca de 17,5 milhões de pessoas disseram que não procuraram emprego devido à pandemia ou à falta de trabalho na localidade, mas que gostariam de trabalhar.

Em agosto, a taxa de desocupação entre as mulheres foi de 16,2%, ante um resultado de 11,7% entre os homens. Já a taxa entre as pessoas de cor preta ou parda foi de 15,4%, muito superior à dos brancos (11,5%).

A taxa de desemprego foi de 23,3% entre os jovens de 14 a 29 anos de idade. Por nível de escolaridade, o resultado foi mais baixo entre os trabalhadores com nível superior completo ou pós-graduação: 6,8%.

O nível de ocupação subiu de 47,9% em julho para 48,2% em agosto. O contingente de trabalhadores considerados informais totalizou 27,9 milhões de pessoas em agosto. A taxa de informalidade passou de 33,6% em julho para 33,9% em agosto.

Em agosto, 4,1 milhões de trabalhadores ainda estavam afastados do trabalho devido ao distanciamento social. A proporção de pessoas afastadas diminuiu de julho para agosto em todas as grandes regiões. Entre as Unidades da Federação, o Acre teve a maior proporção de ocupados afastados devido ao distanciamento social, 12,4%.

O grupo das pessoas de 60 anos ou mais de idade tem a maior proporção de pessoas afastadas em função da pandemia, mas diminuiu de 15,4% das pessoas ocupadas em julho para 10,7% em agosto. Entre as mulheres, a proporção de afastadas foi caiu de 11,3% em julho para 7,1% em agosto, enquanto essa fatia para os homens desceu de 6,2% para 3,6%.

Setor

Em agosto, a Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura manteve o menor porcentual de pessoas afastadas (1,6%), enquanto os maiores ocorrem na Administração pública, defesa e seguridade social, educação e saúde (9,9%), Outros serviços (7,6%), Serviço doméstico (6,5%) e Alojamento e alimentação (5,7%).

Entre os 6,7 milhões de ocupados que estavam afastados do trabalho - fosse pelo distanciamento social ou por outro motivo -, aproximadamente 1,6 milhão de pessoas (23,7%) estavam sem a remuneração do trabalho. Em julho, esse porcentual era de 32,4%.

Horas trabalhadas

A retomada gradual das atividades econômicas e flexibilização das medidas de isolamento social fez crescer o número de horas efetivamente trabalhadas pelos brasileiros em agosto em todas as Grandes Regiões do país. O número médio de horas efetivamente trabalhadas em agosto foi de 34,1 horas semanais, ante 40,1 horas habituais. Em julho, foram trabalhadas 32,2 horas semanais, ante as 40,1 horas habituais.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;