Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 21 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Só porque ele quer


Carlos Brickmann

23/09/2020 | 00:15


É preciso entender o presidente Bolsonaro. Na ONU, ele não mentiu, só disse a verdade como ele a vê. Por exemplo, floresta úmida não pega fogo. Os índios e os caboclos, explorados por comunistas maconheiros do Exterior e ONGs de maconheiros (como cantou seu filho Flávio, “todo maconheiro dá o toba”), forçados a trocar o precioso nióbio amazonense pela maconha à qual se afeiçoaram, jogam guimbas acesas de maconha no mato e pimba! – começa a fogueira. Não é só isso: o índio não entende direito o sotaque de um norueguês comunista. Quando o norueguês pergunta “‘onde terr a fumo da bom?’”, o índio taca fogo no mato e mostra uma enorme fumaceira da boa.
Os US$ 1.000 de auxílio a 65 milhões de carentes? Tá bom, só alguns vão pegar US$ 1.000, isso até dezembro. Para a maior parte dos ajudados, a quantia não chegou a US$ 1.000. Mas, convenhamos, também os carentes não eram 65 milhões – ou eram, um dia talvez saibamos o número certo. Mas só um dos agentes da distribuição de renda, um certo Queiroz, ajudou dona Michele com uns US$ 20 mil à cotação da época, ou R$ 89 mil, talkey?
Propôs na ONU o combate à cristofobia. Cristãos não sofrem de cristofobia. Os islâmicos têm Cristo entre os profetas. Jesus era judeu, Israel cuida dos santuários cristãos. Mas Bolsonaro deve ter pensado no Brasil, onde Jesus é unanimidade. Mas colocar Seus símbolos nos palácios do governo e Sua estátua sobre as milícias do Rio – isto é ou não é perseguição?

É dando que se recebe
Outros pontos criticados do discurso de Bolsonaro também devem ser entendidos a partir de seu ponto de vista. Elogiar publicamente um chefe de outro Estado a poucas semanas da eleição, como fez com Trump, não tem nada a ver com aquele cordão que cada vez aumenta mais. Trump retribui um a um os elogios de Bolsonaro. Lembre-se do I love you. Em troca, Trump reduziu a quantidade de aço brasileiro que pode entrar nos Estados Unidos sem tarifas. Bolsonaro escancarou boa parte do mercado nacional para o álcool de milho dos Estados Unidos. Em troca, Trump elogiou Eduardo Bananinha, que queria virar embaixador em Washington. A Sig-Sauer norte-americana foi trazida ao Brasil por Eduardo, o filho 03. Em troca, o embaixador norte-americano disse que se o Brasil negociar a 5G com os chineses terá problemas com os Estados Unidos.
Não é puxa-saquismo: é, como acredita Bolsonaro, um toma lá dá cá.

A grande dúvida
E não é só Bolsonaro que pensa assim: há uma boa parcela do eleitorado que o chama de “Mito” e está disposta a trabalhar por sua reeleição. Acreditam nele. A dúvida é outra: para raciocinar assim, qual será a cloroquina que Bolsonaro e seus assessores andam tomando?

Chove, chuva
Um bom exemplo de como estão as coisas foi a visita de Bolsonaro ao Pantanal. O ministro-chefe da Secretaria de Governo, general Luiz Ramos, que deixou o comando militar do Sudeste ao ser chamado para o governo, foi iluminado pela verdade: Bolsonaro visitou a região no dia 18, no dia 19 choveu. “Deus está com nosso Pres”, disse no Twitter, “e continuará a abençoar o Brasil, em que pese todas as campanhas contra esse governo!”
Sou caipira. Sei que nos meses com “R” é mais provável que chova, nos meses sem “R” é mais provável que não chova. Estamos em setembro, que tem “R”. O general não tem nada de caipira: é carioca. Mas bem que podia saber, como general, que chover em setembro não é milagre, já que é época de chuva. Milagre seria se do céu viesse o maná, alimentando os mais pobres.

O tempo voa

Luciano Huck finalmente assumiu (mais ou menos). Embora não o tenha dito diretamente, quando lhe perguntaram se participaria da eleição de 2022, respondeu: “Estou aqui”. Huck participava da reunião do Cops (Conselho Político e Social) da Associação Comercial de São Paulo. Mas sua ambição no momento, disse, é “mobilizar, liderar e fomentar uma geração”, de tal maneira que pessoas mais qualificadas e interessadas entrem na política. Seu país dos sonhos é o que consiga o desenvolvimento sustentável, uma nação agroindustrial verde. A seu ver, esse objetivo já atrai investimentos.

Guerra à cultura
O cineasta sudanês Hajooj Kuka e quatro outros artistas foram presos no Sudão, por “causar incômodo público”. Kuka é integrante da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas e seu trabalho é internacionalmente elogiado. O Festival de Berlim (Berlinale) pediu ao Sudão que liberte os artistas. Kuka nasceu no Sudão, estudou no Líbano e nos Estados Unidos; mora no Sudão. Seu filme Beats of the Antonov sobre guerra, música e a resiliência do povo do Nilo Azul e das Montanhas Nuba ganhou o People’s Choice Award no Festival de Toronto em 2014, mais seis outros prêmios em festivais. Seu primeiro filme narrativo de longa-metragem, AKasha, foi financiado pelo Fundo de Cinema da Berlinale e participou do Festival de Veneza de 2018. Em 20 anos, foi o primeiro filme a ser feito no Sudão. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Só porque ele quer

Carlos Brickmann

23/09/2020 | 00:15


É preciso entender o presidente Bolsonaro. Na ONU, ele não mentiu, só disse a verdade como ele a vê. Por exemplo, floresta úmida não pega fogo. Os índios e os caboclos, explorados por comunistas maconheiros do Exterior e ONGs de maconheiros (como cantou seu filho Flávio, “todo maconheiro dá o toba”), forçados a trocar o precioso nióbio amazonense pela maconha à qual se afeiçoaram, jogam guimbas acesas de maconha no mato e pimba! – começa a fogueira. Não é só isso: o índio não entende direito o sotaque de um norueguês comunista. Quando o norueguês pergunta “‘onde terr a fumo da bom?’”, o índio taca fogo no mato e mostra uma enorme fumaceira da boa.
Os US$ 1.000 de auxílio a 65 milhões de carentes? Tá bom, só alguns vão pegar US$ 1.000, isso até dezembro. Para a maior parte dos ajudados, a quantia não chegou a US$ 1.000. Mas, convenhamos, também os carentes não eram 65 milhões – ou eram, um dia talvez saibamos o número certo. Mas só um dos agentes da distribuição de renda, um certo Queiroz, ajudou dona Michele com uns US$ 20 mil à cotação da época, ou R$ 89 mil, talkey?
Propôs na ONU o combate à cristofobia. Cristãos não sofrem de cristofobia. Os islâmicos têm Cristo entre os profetas. Jesus era judeu, Israel cuida dos santuários cristãos. Mas Bolsonaro deve ter pensado no Brasil, onde Jesus é unanimidade. Mas colocar Seus símbolos nos palácios do governo e Sua estátua sobre as milícias do Rio – isto é ou não é perseguição?

É dando que se recebe
Outros pontos criticados do discurso de Bolsonaro também devem ser entendidos a partir de seu ponto de vista. Elogiar publicamente um chefe de outro Estado a poucas semanas da eleição, como fez com Trump, não tem nada a ver com aquele cordão que cada vez aumenta mais. Trump retribui um a um os elogios de Bolsonaro. Lembre-se do I love you. Em troca, Trump reduziu a quantidade de aço brasileiro que pode entrar nos Estados Unidos sem tarifas. Bolsonaro escancarou boa parte do mercado nacional para o álcool de milho dos Estados Unidos. Em troca, Trump elogiou Eduardo Bananinha, que queria virar embaixador em Washington. A Sig-Sauer norte-americana foi trazida ao Brasil por Eduardo, o filho 03. Em troca, o embaixador norte-americano disse que se o Brasil negociar a 5G com os chineses terá problemas com os Estados Unidos.
Não é puxa-saquismo: é, como acredita Bolsonaro, um toma lá dá cá.

A grande dúvida
E não é só Bolsonaro que pensa assim: há uma boa parcela do eleitorado que o chama de “Mito” e está disposta a trabalhar por sua reeleição. Acreditam nele. A dúvida é outra: para raciocinar assim, qual será a cloroquina que Bolsonaro e seus assessores andam tomando?

Chove, chuva
Um bom exemplo de como estão as coisas foi a visita de Bolsonaro ao Pantanal. O ministro-chefe da Secretaria de Governo, general Luiz Ramos, que deixou o comando militar do Sudeste ao ser chamado para o governo, foi iluminado pela verdade: Bolsonaro visitou a região no dia 18, no dia 19 choveu. “Deus está com nosso Pres”, disse no Twitter, “e continuará a abençoar o Brasil, em que pese todas as campanhas contra esse governo!”
Sou caipira. Sei que nos meses com “R” é mais provável que chova, nos meses sem “R” é mais provável que não chova. Estamos em setembro, que tem “R”. O general não tem nada de caipira: é carioca. Mas bem que podia saber, como general, que chover em setembro não é milagre, já que é época de chuva. Milagre seria se do céu viesse o maná, alimentando os mais pobres.

O tempo voa

Luciano Huck finalmente assumiu (mais ou menos). Embora não o tenha dito diretamente, quando lhe perguntaram se participaria da eleição de 2022, respondeu: “Estou aqui”. Huck participava da reunião do Cops (Conselho Político e Social) da Associação Comercial de São Paulo. Mas sua ambição no momento, disse, é “mobilizar, liderar e fomentar uma geração”, de tal maneira que pessoas mais qualificadas e interessadas entrem na política. Seu país dos sonhos é o que consiga o desenvolvimento sustentável, uma nação agroindustrial verde. A seu ver, esse objetivo já atrai investimentos.

Guerra à cultura
O cineasta sudanês Hajooj Kuka e quatro outros artistas foram presos no Sudão, por “causar incômodo público”. Kuka é integrante da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas e seu trabalho é internacionalmente elogiado. O Festival de Berlim (Berlinale) pediu ao Sudão que liberte os artistas. Kuka nasceu no Sudão, estudou no Líbano e nos Estados Unidos; mora no Sudão. Seu filme Beats of the Antonov sobre guerra, música e a resiliência do povo do Nilo Azul e das Montanhas Nuba ganhou o People’s Choice Award no Festival de Toronto em 2014, mais seis outros prêmios em festivais. Seu primeiro filme narrativo de longa-metragem, AKasha, foi financiado pelo Fundo de Cinema da Berlinale e participou do Festival de Veneza de 2018. Em 20 anos, foi o primeiro filme a ser feito no Sudão. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;