Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 22 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Reforma tributária: governo de SP rebate críticas da Faesp às medidas propostas



22/09/2020 | 17:53


O governo do Estado de São Paulo respondeu nesta terça-feira, 22, em nota, à crítica da Federação da Agricultura e Pecuária paulista (Faesp) a respeito da reforma tributária proposta em âmbito estadual. Segundo o presidente da Faesp, Fábio de Salles Meirelles, o pacote fiscal do governo do Estado de São Paulo para equilibrar o orçamento paulista em 2021 - Projeto de Lei 529/2020, encaminhado à Assembleia Legislativa em agosto - será muito oneroso para a agropecuária.

"A proposta aumenta genericamente para 18% a alíquota do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), agravando a taxação dos vários segmentos rurais que hoje recolhem abaixo disso", disse Meireles, em comunicado. Haverá, ainda, impacto relativo aos preços de insumos e implementos, reforçou o dirigente. "É preciso bom senso e se encontrar um denominador comum, pois o agronegócio, cuja importância é crescente para a economia, a geração de empregos e a balança comercial de nosso País, não pode ser atingido por aumento de impostos", afirmou. "Defendemos que as reformas tornem ágil e simplifiquem, mas de forma que não onere o produtor. Isso afetaria de modo contundente sua competitividade", concluiu Meirelles, mais cedo.

Para o governo de São Paulo, porém, a "revisão linear de benefícios fiscais de todos os setores, não só a agropecuária, é necessária para manter a saúde financeira do Estado, pois está previsto um déficit de R$ 10,4 bilhões no orçamento causado pela crise do coronavírus". A nota do governo continua, dizendo que "o agravamento da situação econômica devido à pandemia requer a utilização por toda a sociedade dos recursos de benefícios fiscais concedidos a grupos específicos, para que o Estado possa reverter as vantagens desfrutadas por alguns setores da economia em benefício de toda a coletividade em serviços essenciais de educação, saúde, desenvolvimento social e segurança". E finaliza: "Com a economia equilibrada, aumenta a capacidade de consumo dos cidadãos, o que também beneficia a agropecuária e todos os setores produtivos".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Reforma tributária: governo de SP rebate críticas da Faesp às medidas propostas


22/09/2020 | 17:53


O governo do Estado de São Paulo respondeu nesta terça-feira, 22, em nota, à crítica da Federação da Agricultura e Pecuária paulista (Faesp) a respeito da reforma tributária proposta em âmbito estadual. Segundo o presidente da Faesp, Fábio de Salles Meirelles, o pacote fiscal do governo do Estado de São Paulo para equilibrar o orçamento paulista em 2021 - Projeto de Lei 529/2020, encaminhado à Assembleia Legislativa em agosto - será muito oneroso para a agropecuária.

"A proposta aumenta genericamente para 18% a alíquota do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), agravando a taxação dos vários segmentos rurais que hoje recolhem abaixo disso", disse Meireles, em comunicado. Haverá, ainda, impacto relativo aos preços de insumos e implementos, reforçou o dirigente. "É preciso bom senso e se encontrar um denominador comum, pois o agronegócio, cuja importância é crescente para a economia, a geração de empregos e a balança comercial de nosso País, não pode ser atingido por aumento de impostos", afirmou. "Defendemos que as reformas tornem ágil e simplifiquem, mas de forma que não onere o produtor. Isso afetaria de modo contundente sua competitividade", concluiu Meirelles, mais cedo.

Para o governo de São Paulo, porém, a "revisão linear de benefícios fiscais de todos os setores, não só a agropecuária, é necessária para manter a saúde financeira do Estado, pois está previsto um déficit de R$ 10,4 bilhões no orçamento causado pela crise do coronavírus". A nota do governo continua, dizendo que "o agravamento da situação econômica devido à pandemia requer a utilização por toda a sociedade dos recursos de benefícios fiscais concedidos a grupos específicos, para que o Estado possa reverter as vantagens desfrutadas por alguns setores da economia em benefício de toda a coletividade em serviços essenciais de educação, saúde, desenvolvimento social e segurança". E finaliza: "Com a economia equilibrada, aumenta a capacidade de consumo dos cidadãos, o que também beneficia a agropecuária e todos os setores produtivos".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;