Fechar
Publicidade

Sábado, 24 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Alegações contra HSBC e StanChart também envolvem Deutsche Bank e bancos dos EUA



21/09/2020 | 07:54


Alegações de que os britânicos HSBC e Standard Chartered movimentaram grandes somas de fundos ilícitos por um longo período, apesar de indícios de sua origem duvidosa, envolvem também o alemão Deutsche Bank e bancos dos Estados Unidos.

Segundo documentos obtidos pela BuzzFeed News e organizações noticiosas que incluem o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, pela sigla em inglês), grandes bancos europeus fizeram mais de US$ 2 trilhões em transações suspeitas entre 1999 e 2017.

Os documentos foram submetidos à Rede de Combate a Crimes Financeiros (FinCEN), órgão do Departamento do Tesouro dos EUA, e detalham operações supostamente ligadas a crimes financeiros, como lavagem de dinheiro.

A reportagem também cita movimentações financeiras atípicas do Deutsche Bank, maior banco da Alemanha, e dos americanos JPMorgan Chase, Bank of America e Bank of New York Mellon, assim como da operadora de cartões American Express.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Alegações contra HSBC e StanChart também envolvem Deutsche Bank e bancos dos EUA


21/09/2020 | 07:54


Alegações de que os britânicos HSBC e Standard Chartered movimentaram grandes somas de fundos ilícitos por um longo período, apesar de indícios de sua origem duvidosa, envolvem também o alemão Deutsche Bank e bancos dos Estados Unidos.

Segundo documentos obtidos pela BuzzFeed News e organizações noticiosas que incluem o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, pela sigla em inglês), grandes bancos europeus fizeram mais de US$ 2 trilhões em transações suspeitas entre 1999 e 2017.

Os documentos foram submetidos à Rede de Combate a Crimes Financeiros (FinCEN), órgão do Departamento do Tesouro dos EUA, e detalham operações supostamente ligadas a crimes financeiros, como lavagem de dinheiro.

A reportagem também cita movimentações financeiras atípicas do Deutsche Bank, maior banco da Alemanha, e dos americanos JPMorgan Chase, Bank of America e Bank of New York Mellon, assim como da operadora de cartões American Express.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;