Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 23 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Os 120 anos da Ítalo-Brasileira. E uma dívida histórica

A Sociedade Cultural Ítalo-Brasileira de Santo André completa neste domingo 120 anos de fundação. Nascida para amparar a colônia pobre que aqui vivia, foi além, participando das atividades culturais e sociais da cidade ao longo do século passado e nestes primeiros 20 anos do século XXI. Mas a querida Società tem uma dívida pública com a História


Ademir Medici
Do Diário do Grande ABC

20/09/2020 | 07:00


Memória se dirige diretamente ao atual presidente da Ítalo-Brasileira, Wilson Roberto Davanzo, sucessor de um elenco de entusiastas, a partir do primeiro presidente, Giuseppe Nasossi: italianos de Santo André alistaram-se para defender a Itália quando da Primeira Guerra Mundial; seus nomes ganharam placa no corredor de acesso à antiga sede da Ítalo-Brasileira, na Rua Senador Flaquer; homenagem mais que centenária, mas que se perdeu com o tempo.

Prezado presidente Davanzo, vamos recuperar aquela placa?

Do mais, salve, salve, Ítalo-Brasileira, hoje com 120 associados, uma linda sede na Rua Airó, entre as avenidas Pereira Barreto e Portugal, partícipes de atividades culturais e eventos ligados à tradição italiana, como destaca a jornalista Marli Popolin (ex-Diário), em notícia encaminhada à Memória.

Que as vozes do coral da Sociedade Cultural Ítalo-Brasileira voltem a ecoar brevemente para contar à cidade que esta entidade-mãe chega ao seu 120º aniversário.
 

Raízes 61.

E o centenário da Escola Senador Flaquer

A pandemia atrapalhou, mas a revista Raízes nº 61, obra prima da Fundação Pró-Memória de São Caetano, ficou pronta e poderá ser retirada gratuitamente – a exemplo do que aconteceu com 60 números anteriores, desde os tempos em que era editada pela Assessoria de Comunicação da Prefeitura. Raízes está linda.

São 112 páginas totalmente ilustradas e um destaque para o centenário do velho II Grupo Escolar do Grande ABC, construído no bairro Fundação, que mantém o nome de batismo em homenagem ao senador José Luiz Flaquer.

Saúde pública, com destaque para epidemias que atingiram a cidade de São Caetano; os 65 anos da Paróquia Nossa Senhora das Graças, de Nova Gerty; uma coluna do extinto Jornal de São Caetano que agitava a juventude; e o perfil de Dona Zinha, Helda Thereza Castello Campanella, falecida em 2017, também estão em Raízes.

Contato – Para ter acesso à revista, é só passar na Fundação Pró-Memória, de segunda a sexta-feira, das 9h às 16h. Endereço: Avenida Dr. Augusto de Toledo, 255, em São Caetano.

Padre Mahon.

Um livro que faz justiça a um homem bom

José João Maria Rogério Mahon, o padre José Mahon (França, 1926–2018), ganha um livro que percorre a vida daquele que fez história humana por onde passou. Um dos padres operários do Grande ABC, ou um dos padres franceses que trabalhava na fábrica e lutava pelos pobres.
Leonardo Campos, o autor, transmite emoção em todos os capítulos:
 - A história de Padre Mahon no Brasil vai muito além da sua vida sacerdotal, que viveu com simplicidade e amor.
- Lutou, ao lado do povo, contra a ditadura militar. foi para o chão de fábrica como trabalhador comum para evangelizar e, por isso, era chamado de Padre Operário.
- Como padre responsável pela Pastoral da Moradia, acompanhou a luta por habitação digna, andando por todas as mais de 500 favelas à época, em todo território da Diocese de Santo André, para conhecer de perto a realidade das famílias carentes, onde ele se sentia mais à vontade.
- Um padre que assumiu a sua missão como poucos, a serviço do povo pobre e trabalhador.

Contato – Editora Coopacesso: 9.9732-4278; www.coopacesso.org // coopacesso@coopacesso.org
 

Diário há meio século

Domingo, 20 de setembro de 1970 – ano 13, edição 1339

Manchete – Mais de cinco mil mortos em Amã, na Jordânia.
Estradas – Via Anchieta continua impedida.
Editorial – O sério problema da Anchieta.

Em 20 de setembro de...

1900 – Fundada a Sociedade Italiana de Mútuo Socorro Savóia, hoje Sociedade Cultural Ítalo-Brasileira de Santo André.
1930 – O amador paulista Thierry C. de Rezende, da Capital, visita o Clube de Xadrez de Santo André para sessão de partidas simultâneas.
1985 – Empregados da Scania aprovam novo horário de turno, a partir de 1º de outubro: 45 horas semanais.

Hoje

- Dia do Coletor de Lixo
- Dia do Engenheiro Químico
- Dia da Revolução Farroupilha

Santos do Dia

- Cândida. Padroeira das famílias e dos doentes
- Fausta

ANDRÉ KIM TAEGON. Coreano. Em 1846 tornou-se mártir com outros 102 coreanos

Municípios Paulistas

- Hoje é o aniversário de Itapeva, elevado a município em 1769, e Ipauçu (1925, quando se separou de Santa Cruz do Rio Pardo).
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Os 120 anos da Ítalo-Brasileira. E uma dívida histórica

A Sociedade Cultural Ítalo-Brasileira de Santo André completa neste domingo 120 anos de fundação. Nascida para amparar a colônia pobre que aqui vivia, foi além, participando das atividades culturais e sociais da cidade ao longo do século passado e nestes primeiros 20 anos do século XXI. Mas a querida Società tem uma dívida pública com a História

Ademir Medici
Do Diário do Grande ABC

20/09/2020 | 07:00


Memória se dirige diretamente ao atual presidente da Ítalo-Brasileira, Wilson Roberto Davanzo, sucessor de um elenco de entusiastas, a partir do primeiro presidente, Giuseppe Nasossi: italianos de Santo André alistaram-se para defender a Itália quando da Primeira Guerra Mundial; seus nomes ganharam placa no corredor de acesso à antiga sede da Ítalo-Brasileira, na Rua Senador Flaquer; homenagem mais que centenária, mas que se perdeu com o tempo.

Prezado presidente Davanzo, vamos recuperar aquela placa?

Do mais, salve, salve, Ítalo-Brasileira, hoje com 120 associados, uma linda sede na Rua Airó, entre as avenidas Pereira Barreto e Portugal, partícipes de atividades culturais e eventos ligados à tradição italiana, como destaca a jornalista Marli Popolin (ex-Diário), em notícia encaminhada à Memória.

Que as vozes do coral da Sociedade Cultural Ítalo-Brasileira voltem a ecoar brevemente para contar à cidade que esta entidade-mãe chega ao seu 120º aniversário.
 

Raízes 61.

E o centenário da Escola Senador Flaquer

A pandemia atrapalhou, mas a revista Raízes nº 61, obra prima da Fundação Pró-Memória de São Caetano, ficou pronta e poderá ser retirada gratuitamente – a exemplo do que aconteceu com 60 números anteriores, desde os tempos em que era editada pela Assessoria de Comunicação da Prefeitura. Raízes está linda.

São 112 páginas totalmente ilustradas e um destaque para o centenário do velho II Grupo Escolar do Grande ABC, construído no bairro Fundação, que mantém o nome de batismo em homenagem ao senador José Luiz Flaquer.

Saúde pública, com destaque para epidemias que atingiram a cidade de São Caetano; os 65 anos da Paróquia Nossa Senhora das Graças, de Nova Gerty; uma coluna do extinto Jornal de São Caetano que agitava a juventude; e o perfil de Dona Zinha, Helda Thereza Castello Campanella, falecida em 2017, também estão em Raízes.

Contato – Para ter acesso à revista, é só passar na Fundação Pró-Memória, de segunda a sexta-feira, das 9h às 16h. Endereço: Avenida Dr. Augusto de Toledo, 255, em São Caetano.

Padre Mahon.

Um livro que faz justiça a um homem bom

José João Maria Rogério Mahon, o padre José Mahon (França, 1926–2018), ganha um livro que percorre a vida daquele que fez história humana por onde passou. Um dos padres operários do Grande ABC, ou um dos padres franceses que trabalhava na fábrica e lutava pelos pobres.
Leonardo Campos, o autor, transmite emoção em todos os capítulos:
 - A história de Padre Mahon no Brasil vai muito além da sua vida sacerdotal, que viveu com simplicidade e amor.
- Lutou, ao lado do povo, contra a ditadura militar. foi para o chão de fábrica como trabalhador comum para evangelizar e, por isso, era chamado de Padre Operário.
- Como padre responsável pela Pastoral da Moradia, acompanhou a luta por habitação digna, andando por todas as mais de 500 favelas à época, em todo território da Diocese de Santo André, para conhecer de perto a realidade das famílias carentes, onde ele se sentia mais à vontade.
- Um padre que assumiu a sua missão como poucos, a serviço do povo pobre e trabalhador.

Contato – Editora Coopacesso: 9.9732-4278; www.coopacesso.org // coopacesso@coopacesso.org
 

Diário há meio século

Domingo, 20 de setembro de 1970 – ano 13, edição 1339

Manchete – Mais de cinco mil mortos em Amã, na Jordânia.
Estradas – Via Anchieta continua impedida.
Editorial – O sério problema da Anchieta.

Em 20 de setembro de...

1900 – Fundada a Sociedade Italiana de Mútuo Socorro Savóia, hoje Sociedade Cultural Ítalo-Brasileira de Santo André.
1930 – O amador paulista Thierry C. de Rezende, da Capital, visita o Clube de Xadrez de Santo André para sessão de partidas simultâneas.
1985 – Empregados da Scania aprovam novo horário de turno, a partir de 1º de outubro: 45 horas semanais.

Hoje

- Dia do Coletor de Lixo
- Dia do Engenheiro Químico
- Dia da Revolução Farroupilha

Santos do Dia

- Cândida. Padroeira das famílias e dos doentes
- Fausta

ANDRÉ KIM TAEGON. Coreano. Em 1846 tornou-se mártir com outros 102 coreanos

Municípios Paulistas

- Hoje é o aniversário de Itapeva, elevado a município em 1769, e Ipauçu (1925, quando se separou de Santa Cruz do Rio Pardo).
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;