Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 27 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

BC da Rússia mantém juro básico em 4,25%, deixando porta aberta para novos cortes



18/09/2020 | 08:09


O Banco Central da Rússia decidiu nesta sexta-feira (18) manter sua principal taxa de juros em 4,25%, após reduzi-la a mínimas recordes por três vezes consecutivas, com o argumento de que a inflação doméstica superou um pouco as expectativas nos últimos meses em meio à recuperação que se segue ao choque do coronavírus - e de que o rublo russo tem se enfraquecido ante o dólar.

Em comunicado, porém, o BC russo alertou que riscos desinflacionários prevalecem no médio prazo, uma vez que o ritmo de retomadas das economias global e russa irá desacelerar.

A autoridade monetária prevê que a inflação na Rússia ficará entre 3,7% e 4,2% em 2020 e na faixa de 3,5% a 4% em 2021, antes de se estabilizar em torno de 4%, que corresponde a sua meta oficial.

O BC russo disse ainda que considerará a "necessidade de mais reduções da taxa básica em suas próximas reuniões". O próximo encontro está marcado para 23 de outubro.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

BC da Rússia mantém juro básico em 4,25%, deixando porta aberta para novos cortes


18/09/2020 | 08:09


O Banco Central da Rússia decidiu nesta sexta-feira (18) manter sua principal taxa de juros em 4,25%, após reduzi-la a mínimas recordes por três vezes consecutivas, com o argumento de que a inflação doméstica superou um pouco as expectativas nos últimos meses em meio à recuperação que se segue ao choque do coronavírus - e de que o rublo russo tem se enfraquecido ante o dólar.

Em comunicado, porém, o BC russo alertou que riscos desinflacionários prevalecem no médio prazo, uma vez que o ritmo de retomadas das economias global e russa irá desacelerar.

A autoridade monetária prevê que a inflação na Rússia ficará entre 3,7% e 4,2% em 2020 e na faixa de 3,5% a 4% em 2021, antes de se estabilizar em torno de 4%, que corresponde a sua meta oficial.

O BC russo disse ainda que considerará a "necessidade de mais reduções da taxa básica em suas próximas reuniões". O próximo encontro está marcado para 23 de outubro.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;