Fechar
Publicidade

Domingo, 27 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

TCE aponta obras de saúde atrasadas em Ribeirão Pires

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Tribunal elaborou levantamento em todo o Estado; na região, gestão Kiko foi única no rol


Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

16/09/2020 | 23:49


O TCE (Tribunal de Contas do Estado) publicou balanço de obras na área da saúde paralisadas ou atrasadas em todo território paulista e, no Grande ABC, Ribeirão Pires, sob comando do prefeito e candidato à reeleição, Adler Kiko Teixeira (PSDB), foi o único município a ser citado na lista, com duas intervenções com problemas: o Hospital e Maternidade Santa Luzia e a UBS (Unidade Básica de Saúde) do Parque Aliança.

O recorte do tribunal foi feito em momento no qual a pandemia de Covid-19 completa seu sexto mês. Pelo relatório, são 135 obras na área da saúde que estão paralisadas ou atrasadas no Estado, que, somadas, chegariam a R$ 262 milhões.

Com 12 anos de intervenções, a construção do Hospital Santa Luzia se iniciou em 2008 e o equipamento deveria ter sido entregue em 2012, o que não ocorreu até o momento. Já a UBS do Parque Aliança, cujo contrato foi assinado em 2016 pelo ex-prefeito Saulo Benevides (ex-MDB, atual Avante), também não foi entregue.

De todo valor apontado pelo TCE, as obras em Ribeirão demandariam R$ 2,1 milhões. Somente a UBS do Parque Aliança, cujo contrato inicial previa R$ 1,08 milhão, R$ 554,2 mil já foram pagos. No Hospital Santa Luzia, orçado inicialmente em R$ 1,03 milhão, R$ 201,9 mil foram aportados.

Por meio de nota, a Prefeitura de Ribeirão Pires alegou que as obras estão em andamento, que a construção do Hospital e Maternidade Santa Luzia foi dividida em duas etapas, uma com recursos federais e outra com verbas estaduais. A etapa sob responsabilidade do governo do Estado foi retomada com verba municipal, de cerca de R$ 1,5 milhão. A previsão é que a obra seja entregue em 2021.

A gestão Kiko também sustentou que as obras da UBS foram retomadas em julho e que a construção será concluída também no ano que vem. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

TCE aponta obras de saúde atrasadas em Ribeirão Pires

Tribunal elaborou levantamento em todo o Estado; na região, gestão Kiko foi única no rol

Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

16/09/2020 | 23:49


O TCE (Tribunal de Contas do Estado) publicou balanço de obras na área da saúde paralisadas ou atrasadas em todo território paulista e, no Grande ABC, Ribeirão Pires, sob comando do prefeito e candidato à reeleição, Adler Kiko Teixeira (PSDB), foi o único município a ser citado na lista, com duas intervenções com problemas: o Hospital e Maternidade Santa Luzia e a UBS (Unidade Básica de Saúde) do Parque Aliança.

O recorte do tribunal foi feito em momento no qual a pandemia de Covid-19 completa seu sexto mês. Pelo relatório, são 135 obras na área da saúde que estão paralisadas ou atrasadas no Estado, que, somadas, chegariam a R$ 262 milhões.

Com 12 anos de intervenções, a construção do Hospital Santa Luzia se iniciou em 2008 e o equipamento deveria ter sido entregue em 2012, o que não ocorreu até o momento. Já a UBS do Parque Aliança, cujo contrato foi assinado em 2016 pelo ex-prefeito Saulo Benevides (ex-MDB, atual Avante), também não foi entregue.

De todo valor apontado pelo TCE, as obras em Ribeirão demandariam R$ 2,1 milhões. Somente a UBS do Parque Aliança, cujo contrato inicial previa R$ 1,08 milhão, R$ 554,2 mil já foram pagos. No Hospital Santa Luzia, orçado inicialmente em R$ 1,03 milhão, R$ 201,9 mil foram aportados.

Por meio de nota, a Prefeitura de Ribeirão Pires alegou que as obras estão em andamento, que a construção do Hospital e Maternidade Santa Luzia foi dividida em duas etapas, uma com recursos federais e outra com verbas estaduais. A etapa sob responsabilidade do governo do Estado foi retomada com verba municipal, de cerca de R$ 1,5 milhão. A previsão é que a obra seja entregue em 2021.

A gestão Kiko também sustentou que as obras da UBS foram retomadas em julho e que a construção será concluída também no ano que vem. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;