Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 29 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Com um a mais na Vila, Santos fica no 0 a 0 com Olimpia em volta da Libertadores



15/09/2020 | 23:34


Com um jogador a mais durante metade do segundo tempo, o Santos não passou do 0 a 0 com o Olimpia, na Vila Belmiro, nesta terça-feira, no retorno da Copa Libertadores. O time da casa tropeçou pela primeira vez no Grupo G em noite de muitos erros e inoperância diante da boa marcação do rival paraguaio.

Apesar do tropeço, o Santos segue na liderança da chave, agora com sete pontos. A segunda posição é justamente do Olimpia, com cinco. Delfín e Defensa y Justicia vão se enfrentar nesta quinta. O primeiro tem um ponto e figura no terceiro posto do grupo, enquanto o segundo ainda não pontuou.

Nesta terça, o técnico Cuca teve o retorno de Raniel, liberado após testar negativo para covid-19 e cumprir quarentena. Mas o atacante mostrou falta de ritmo e não empolgou, assim como a maior parte dos jogadores santistas. O desempenho geral da equipe destoou dos últimos jogos do Brasileirão, com limitações no meio-campo e ataque.

Pela Libertadores, o Santos volta a campo na quinta-feira da próxima semana, dia 24, para enfrentar o Delfín, no Equador. O Olímpia jogará no dia anterior (23), contra o Defensa y Justificia, fora de casa.

O JOGO - Com o retorno de Raniel, o Santos foi a campo com força máxima nesta terça. Mas a volta da equipe à Libertadores não foi exatamente como a torcida esperava no primeiro tempo. Sem criatividade, a equipe da casa fez um duelo truncado, concentrado no meio-campo e de raras emoções.

Maior esperança do Santos, Marinho era muito bem marcado. Precisava voltar quase na defesa para armar as jogadas, sem sucesso. Também não ajudava o time da casa a postura do árbitro uruguaio Leodán González, que marcava poucas faltas e deixava a bola rolar, apesar de lances mais ríspidos. O jogo perdia em termos técnicos quanto disciplinares.

Desta forma, o Olímpia conseguia impor até com certa tranquilidade sua estratégia de jogar na retranca, à espera do contra-ataque. O time paraguaio talvez só não tenha sido bem-sucedido na etapa inicial porque o veterano Roque Santa Cruz, única opção mais avançada da equipe, foi substituído logo aos 17 minutos, sem maiores explicações.

Mesmo sem a principal estrela do time, o Olímpia criou duas boas chances de gol e o goleiro João Paulo precisou fazer boas intervenções para evitar o gol paraguaio. Do outro lado, o Santos só criou, de fato, uma grande oportunidade. Foi ais 37, quando uma rápida triangulação pela esquerda deixou Soteldo livre dentro da área. Ele bateu rasteiro, acertando o pé da trave esquerda do goleiro Azcona.

Depois do primeiro tempo morno, o Santos tentou acelerar o jogo no início da segunda etapa. Foi para cima, buscou mais o ataque, mas seguia com a dificuldade de superar a bem armada defesa paraguaia. O time da casa não encontrava espaços e praticamente só ameaçava na bola parada, principalmente nos escanteios.

Nem mesmo a expulsão do volante Rojas aos 22 minutos abriu espaço no campo adversário. Os anfitriões eram lentos e previsíveis. Incomodado, Cuca tentou mudanças, ao colocar Lucas Lourenço e Marcos Leonardo, este na vaga do apagado Raniel. Depois, Madson e Jean Mota tampouco conseguiram alterar o panorama do jogo, que terminou sem gols e sem qualquer motivo para empolgação.

FICHA TÉCNICA:

SANTOS 0 x 0 OLIMPIA

SANTOS - João Paulo; Pará (Madson), Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonathan (Jean Mota); Alison (Lucas Lourenço), Diego Pituca e Carlos Sanchez; Raniel (Marcos Leonardo), Soteldo e Marinho. Técnico: Cuca.

OLIMPIA - Azcona; Otálvaro, Leguizamón, Alcaraz, Iván Torres (Arias); Ortiz, Rodrigo Rojas, Candia (De La Cruz), Alejandro Silva (Derlis González), Camacho (Caballero); Roque Santa Cruz (Pitta). Técnico: Daniel Garnero.

CARTÕES AMARELOS - Candia, De la Cruz, Marinho.

CARTÃO VERMELHO - Rojas.

ÁRBITRO - Leodán González (Uruguai).

RENDA E PÚBLICO - Jogo sem torcida.

LOCAL - Vila Belmiro, em Santos (SP).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Com um a mais na Vila, Santos fica no 0 a 0 com Olimpia em volta da Libertadores


15/09/2020 | 23:34


Com um jogador a mais durante metade do segundo tempo, o Santos não passou do 0 a 0 com o Olimpia, na Vila Belmiro, nesta terça-feira, no retorno da Copa Libertadores. O time da casa tropeçou pela primeira vez no Grupo G em noite de muitos erros e inoperância diante da boa marcação do rival paraguaio.

Apesar do tropeço, o Santos segue na liderança da chave, agora com sete pontos. A segunda posição é justamente do Olimpia, com cinco. Delfín e Defensa y Justicia vão se enfrentar nesta quinta. O primeiro tem um ponto e figura no terceiro posto do grupo, enquanto o segundo ainda não pontuou.

Nesta terça, o técnico Cuca teve o retorno de Raniel, liberado após testar negativo para covid-19 e cumprir quarentena. Mas o atacante mostrou falta de ritmo e não empolgou, assim como a maior parte dos jogadores santistas. O desempenho geral da equipe destoou dos últimos jogos do Brasileirão, com limitações no meio-campo e ataque.

Pela Libertadores, o Santos volta a campo na quinta-feira da próxima semana, dia 24, para enfrentar o Delfín, no Equador. O Olímpia jogará no dia anterior (23), contra o Defensa y Justificia, fora de casa.

O JOGO - Com o retorno de Raniel, o Santos foi a campo com força máxima nesta terça. Mas a volta da equipe à Libertadores não foi exatamente como a torcida esperava no primeiro tempo. Sem criatividade, a equipe da casa fez um duelo truncado, concentrado no meio-campo e de raras emoções.

Maior esperança do Santos, Marinho era muito bem marcado. Precisava voltar quase na defesa para armar as jogadas, sem sucesso. Também não ajudava o time da casa a postura do árbitro uruguaio Leodán González, que marcava poucas faltas e deixava a bola rolar, apesar de lances mais ríspidos. O jogo perdia em termos técnicos quanto disciplinares.

Desta forma, o Olímpia conseguia impor até com certa tranquilidade sua estratégia de jogar na retranca, à espera do contra-ataque. O time paraguaio talvez só não tenha sido bem-sucedido na etapa inicial porque o veterano Roque Santa Cruz, única opção mais avançada da equipe, foi substituído logo aos 17 minutos, sem maiores explicações.

Mesmo sem a principal estrela do time, o Olímpia criou duas boas chances de gol e o goleiro João Paulo precisou fazer boas intervenções para evitar o gol paraguaio. Do outro lado, o Santos só criou, de fato, uma grande oportunidade. Foi ais 37, quando uma rápida triangulação pela esquerda deixou Soteldo livre dentro da área. Ele bateu rasteiro, acertando o pé da trave esquerda do goleiro Azcona.

Depois do primeiro tempo morno, o Santos tentou acelerar o jogo no início da segunda etapa. Foi para cima, buscou mais o ataque, mas seguia com a dificuldade de superar a bem armada defesa paraguaia. O time da casa não encontrava espaços e praticamente só ameaçava na bola parada, principalmente nos escanteios.

Nem mesmo a expulsão do volante Rojas aos 22 minutos abriu espaço no campo adversário. Os anfitriões eram lentos e previsíveis. Incomodado, Cuca tentou mudanças, ao colocar Lucas Lourenço e Marcos Leonardo, este na vaga do apagado Raniel. Depois, Madson e Jean Mota tampouco conseguiram alterar o panorama do jogo, que terminou sem gols e sem qualquer motivo para empolgação.

FICHA TÉCNICA:

SANTOS 0 x 0 OLIMPIA

SANTOS - João Paulo; Pará (Madson), Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonathan (Jean Mota); Alison (Lucas Lourenço), Diego Pituca e Carlos Sanchez; Raniel (Marcos Leonardo), Soteldo e Marinho. Técnico: Cuca.

OLIMPIA - Azcona; Otálvaro, Leguizamón, Alcaraz, Iván Torres (Arias); Ortiz, Rodrigo Rojas, Candia (De La Cruz), Alejandro Silva (Derlis González), Camacho (Caballero); Roque Santa Cruz (Pitta). Técnico: Daniel Garnero.

CARTÕES AMARELOS - Candia, De la Cruz, Marinho.

CARTÃO VERMELHO - Rojas.

ÁRBITRO - Leodán González (Uruguai).

RENDA E PÚBLICO - Jogo sem torcida.

LOCAL - Vila Belmiro, em Santos (SP).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;