Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Instituições focadas em EAD saem na frente na retomada da Educação

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Sem ter que fazer grandes adaptações na estrutura, Centro Ítalo Brasileiro celebra manutenção de empregos e alunos e prepara expansão


Aline Melo
Do Diário do Grande ABC

12/09/2020 | 17:01


 A pandemia do novo coronavírus trouxe desafios inimagináveis para os profissionais da educação. Mudou radicalmente a forma de transmitir o conteúdo e impulsionou o ensino remoto. Com isso, as instituições reconhecidas pelos cursos EAD (Ensino a Distância) saem na frente das tradicionais, já que possuem know-how na área e não terão que passar por grandes adaptações. É o caso do Centro Universitário Ítalo Brasileiro, que tem mais de 70 anos de atuação e 1.500 alunos em 30 cursos livres, 20 de graduação e mais de 20 de pós-graduação a distância. No total, considerando as turmas dos cursos presenciais, são 7.500 estudantes matriculados.

Pela forma de atuação, a instituição, localizada na Avenida João Dias, 2.046, em Santo Amaro, na Capital, sofreu menos com a pandemia e celebra feito raro entre os estabelecimentos de educação: não ter realizado nenhuma demissão e não ter observado taxa elevada de evasão. “Todo o esforço empenhado para que o ensino continuasse de forma virtual foi compensado com o que eu chamo de pequeno milagre”, afirmou o reitor Marcos Antonio Gagliardi Cascino.

O centro universitário tem usado todas as ferramentas tecnológicas para que a experiência de aprendizagem ganhe ainda mais recursos. “As aulas ao vivo podem ser até mais rigorosas do que as presenciais. Já fazemos hoje provas totalmente a distância com excelentes resultados”, pontuou o gerente de marketing, Hélio Athia.

Os números mostram que a situação da instituição fugiu à regra. Pesquisa divulgada em maio pela Abmes (Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior) apontou que 42% dos estudantes pensavam em interromper os estudos em decorrência dos impactos econômicos da pandemia. 

Para atravessar este período de crise sem maiores traumas, a instituição optou por reduções salariais nos primeiro e segundo escalões e criou um departamento exclusivo para atender aos alunos que estivessem com algum tipo de dificuldade. “Não vamos dizer que conseguimos resolver 100%, mas nossa taxa de evasão se manteve em níveis normais”, afirmou Cascino. “Tivemos, sim, alguma dificuldade com a captação de novos alunos, o que é natural, porque as pessoas estão esperando isso passar”, ponderou. 

O reitor afirmou que apesar da dificuldade causada pela pandemia em toda a sociedade, internamente, entre equipe e alunos, o clima foi de união e comprometimento com os valores da instituição. “Pelo fato de não termos realizado nenhuma demissão, os funcionários se sentiram respeitados e retribuíram com empenho, com ideias. A pandemia é um fator negativo, mas, surpreendentemente, tivemos situações positivas”, afirmou. “Em momentos de crise, instituições com estrutura podem crescer”, finalizou.

O Centro Universitário Ítalo Brasileiro, mantido pela Instituição Educacional Professor Pasquale Cascino, se prepara para trazer ao Brasil o primeiro curso em uma instituição de ensino superior de mestre cervejeiro. Também está em processo de expansão dos cursos da área de saúde, como biomedicina. Todos os cursos terão como base o campus da Avenida João Dias. 

A instituição já teve outros campi e também a experiência de ministrar o curso de pedagogia, seu carro-chefe, em parceria com colégios renomados, mas os resultados não foram satisfatórios e houve recuo no movimento. “Temos filosofia de trabalho e não nos afastamos dela. Queremos crescer de forma orgânica para manter nossos bons resultados”, declarou o reitor. O Centro Universitário Ítalo Brasileiro tem notas 5 e 4 para a maior parte de seus cursos de nível superior, de acordo com avaliação do MEC (Ministério da Educação e Cultura), e nota 5 para a infraestrutura do campus, um dos diferenciais da instituição.

Campus vira espaço de convivência
Localizado na Avenida João Dias, em Santo Amaro, na Zona Sul de São Paulo, o campus do Centro Universitário Ítalo Brasileiro funciona como espaço de convivência. Com 20 mil metros quadrados, além das salas de aula e laboratórios, o local conta com piscina semiolímpica, teatro comercial com 700 lugares, restaurante, lanchonete e outros comércios. Um lago de carpas, pavões e saguis complementam o espaço de interação com a natureza. Há ainda uma capela – atualmente em reforma para ser ampliada para 120 lugares – para as missas diárias.

Fundada em 1949, a Instituição Educacional Professor Pasquale Cascino – que leva o nome de seu fundador, um imigrante italiano que chegou ao Brasil fugindo da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) – começou como uma escola de datilografia em Moema, também na Zona Sul paulistana. Em 1951, passou a atuar no ensino primário, progredindo para o antigo curso ginasial e cursos técnicos, até ingressar no ensino superior, em 1972, então como a Faculdade Ítalo-Brasileira. O título de centro universitário foi conquistado em 2006. Com pouco mais de 70 anos de história, já formou 80 mil pessoas, 50 mil delas em ensino superior.

O imóvel onde funciona o Espaço Itália, como é chamado o complexo, foi adquirido em 1994. “Meu pai escolheu a Zona Sul porque queria que as pessoas com menor poder aquisitivo, como ele, também pudessem desfrutar de um lugar bonito, em contato com a natureza, como o que temos aqui”, lembrou o reitor do centro universitário, Marcos Antonio Gagliardi Cascino. 

Quando chegou ao Brasil, Cascino pai atuou como auxiliar de alfaiate. Sonhava em cursar engenharia, chegou a entrar na Faculdade Mackenzie, mas abandonou o curso por falta de condições financeiras. Fez o magistério e se dedicou à educação. A instituição que leva seu nome já está com a terceira geração da família à frente dos negócios.

Instituição aposta em ensino cristão

A Instinuição Educacional Professor Pasquale Cascino, mantenedora do Centro Universitário Ítalo Brasileiro, prevê que em 2021 se iniciem as aulas do Liceo Santo Amaro Abade, escola de ensino médio confessional católica, que deve começar as atividades com 160 alunos. A abertura das turmas resgata o trabalho que já foi realizado em educação básica pela instituição no início das suas atividades.

“Queremos ser escola cristã de verdade. Com ensino humanista, no qual os professores serão rigorosamente selecionados para estarem de acordo com a nossa filosofia, onde não há espaço para assuntos como ideologia de gênero, aborto ou ideologias políticas. Vamos trabalhar a construção do caráter dos jovens”, afirmou o reitor do centro universitário, Marcos Antonio Gagliardi Cascino. 

Na avaliação de Cascino, o liceo pode ser alternativa para os pais que têm optado pela educação domiciliar (não regulamentada no País), por medo do que possa vir a ser ensinado nas escolas.

A médio e longo prazos, o objetivo é abrir turmas de ensino fundamental e educação infantil, com a expectativa de atender de 800 a 1.000 alunos. Dessa forma, afirma o reitor, será retomada a estrutura imaginada pelo mantenedor. “Acompanhar a criança, o adolescente e o jovem por todo o seu ciclo educacional é fundamental para a formação do caráter”, pontuou. “Pode-se trabalhar na formação do ser humano sem trazer o ódio, a divisão, trabalhar uma pedagogia sem ideias sobre oprimido e opressor”, citou. “O respeito deve ser mantido, sem preconceitos, e todos com direito à sua dignidade”, concluiu.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Instituições focadas em EAD saem na frente na retomada da Educação

Sem ter que fazer grandes adaptações na estrutura, Centro Ítalo Brasileiro celebra manutenção de empregos e alunos e prepara expansão

Aline Melo
Do Diário do Grande ABC

12/09/2020 | 17:01


 A pandemia do novo coronavírus trouxe desafios inimagináveis para os profissionais da educação. Mudou radicalmente a forma de transmitir o conteúdo e impulsionou o ensino remoto. Com isso, as instituições reconhecidas pelos cursos EAD (Ensino a Distância) saem na frente das tradicionais, já que possuem know-how na área e não terão que passar por grandes adaptações. É o caso do Centro Universitário Ítalo Brasileiro, que tem mais de 70 anos de atuação e 1.500 alunos em 30 cursos livres, 20 de graduação e mais de 20 de pós-graduação a distância. No total, considerando as turmas dos cursos presenciais, são 7.500 estudantes matriculados.

Pela forma de atuação, a instituição, localizada na Avenida João Dias, 2.046, em Santo Amaro, na Capital, sofreu menos com a pandemia e celebra feito raro entre os estabelecimentos de educação: não ter realizado nenhuma demissão e não ter observado taxa elevada de evasão. “Todo o esforço empenhado para que o ensino continuasse de forma virtual foi compensado com o que eu chamo de pequeno milagre”, afirmou o reitor Marcos Antonio Gagliardi Cascino.

O centro universitário tem usado todas as ferramentas tecnológicas para que a experiência de aprendizagem ganhe ainda mais recursos. “As aulas ao vivo podem ser até mais rigorosas do que as presenciais. Já fazemos hoje provas totalmente a distância com excelentes resultados”, pontuou o gerente de marketing, Hélio Athia.

Os números mostram que a situação da instituição fugiu à regra. Pesquisa divulgada em maio pela Abmes (Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior) apontou que 42% dos estudantes pensavam em interromper os estudos em decorrência dos impactos econômicos da pandemia. 

Para atravessar este período de crise sem maiores traumas, a instituição optou por reduções salariais nos primeiro e segundo escalões e criou um departamento exclusivo para atender aos alunos que estivessem com algum tipo de dificuldade. “Não vamos dizer que conseguimos resolver 100%, mas nossa taxa de evasão se manteve em níveis normais”, afirmou Cascino. “Tivemos, sim, alguma dificuldade com a captação de novos alunos, o que é natural, porque as pessoas estão esperando isso passar”, ponderou. 

O reitor afirmou que apesar da dificuldade causada pela pandemia em toda a sociedade, internamente, entre equipe e alunos, o clima foi de união e comprometimento com os valores da instituição. “Pelo fato de não termos realizado nenhuma demissão, os funcionários se sentiram respeitados e retribuíram com empenho, com ideias. A pandemia é um fator negativo, mas, surpreendentemente, tivemos situações positivas”, afirmou. “Em momentos de crise, instituições com estrutura podem crescer”, finalizou.

O Centro Universitário Ítalo Brasileiro, mantido pela Instituição Educacional Professor Pasquale Cascino, se prepara para trazer ao Brasil o primeiro curso em uma instituição de ensino superior de mestre cervejeiro. Também está em processo de expansão dos cursos da área de saúde, como biomedicina. Todos os cursos terão como base o campus da Avenida João Dias. 

A instituição já teve outros campi e também a experiência de ministrar o curso de pedagogia, seu carro-chefe, em parceria com colégios renomados, mas os resultados não foram satisfatórios e houve recuo no movimento. “Temos filosofia de trabalho e não nos afastamos dela. Queremos crescer de forma orgânica para manter nossos bons resultados”, declarou o reitor. O Centro Universitário Ítalo Brasileiro tem notas 5 e 4 para a maior parte de seus cursos de nível superior, de acordo com avaliação do MEC (Ministério da Educação e Cultura), e nota 5 para a infraestrutura do campus, um dos diferenciais da instituição.

Campus vira espaço de convivência
Localizado na Avenida João Dias, em Santo Amaro, na Zona Sul de São Paulo, o campus do Centro Universitário Ítalo Brasileiro funciona como espaço de convivência. Com 20 mil metros quadrados, além das salas de aula e laboratórios, o local conta com piscina semiolímpica, teatro comercial com 700 lugares, restaurante, lanchonete e outros comércios. Um lago de carpas, pavões e saguis complementam o espaço de interação com a natureza. Há ainda uma capela – atualmente em reforma para ser ampliada para 120 lugares – para as missas diárias.

Fundada em 1949, a Instituição Educacional Professor Pasquale Cascino – que leva o nome de seu fundador, um imigrante italiano que chegou ao Brasil fugindo da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) – começou como uma escola de datilografia em Moema, também na Zona Sul paulistana. Em 1951, passou a atuar no ensino primário, progredindo para o antigo curso ginasial e cursos técnicos, até ingressar no ensino superior, em 1972, então como a Faculdade Ítalo-Brasileira. O título de centro universitário foi conquistado em 2006. Com pouco mais de 70 anos de história, já formou 80 mil pessoas, 50 mil delas em ensino superior.

O imóvel onde funciona o Espaço Itália, como é chamado o complexo, foi adquirido em 1994. “Meu pai escolheu a Zona Sul porque queria que as pessoas com menor poder aquisitivo, como ele, também pudessem desfrutar de um lugar bonito, em contato com a natureza, como o que temos aqui”, lembrou o reitor do centro universitário, Marcos Antonio Gagliardi Cascino. 

Quando chegou ao Brasil, Cascino pai atuou como auxiliar de alfaiate. Sonhava em cursar engenharia, chegou a entrar na Faculdade Mackenzie, mas abandonou o curso por falta de condições financeiras. Fez o magistério e se dedicou à educação. A instituição que leva seu nome já está com a terceira geração da família à frente dos negócios.

Instituição aposta em ensino cristão

A Instinuição Educacional Professor Pasquale Cascino, mantenedora do Centro Universitário Ítalo Brasileiro, prevê que em 2021 se iniciem as aulas do Liceo Santo Amaro Abade, escola de ensino médio confessional católica, que deve começar as atividades com 160 alunos. A abertura das turmas resgata o trabalho que já foi realizado em educação básica pela instituição no início das suas atividades.

“Queremos ser escola cristã de verdade. Com ensino humanista, no qual os professores serão rigorosamente selecionados para estarem de acordo com a nossa filosofia, onde não há espaço para assuntos como ideologia de gênero, aborto ou ideologias políticas. Vamos trabalhar a construção do caráter dos jovens”, afirmou o reitor do centro universitário, Marcos Antonio Gagliardi Cascino. 

Na avaliação de Cascino, o liceo pode ser alternativa para os pais que têm optado pela educação domiciliar (não regulamentada no País), por medo do que possa vir a ser ensinado nas escolas.

A médio e longo prazos, o objetivo é abrir turmas de ensino fundamental e educação infantil, com a expectativa de atender de 800 a 1.000 alunos. Dessa forma, afirma o reitor, será retomada a estrutura imaginada pelo mantenedor. “Acompanhar a criança, o adolescente e o jovem por todo o seu ciclo educacional é fundamental para a formação do caráter”, pontuou. “Pode-se trabalhar na formação do ser humano sem trazer o ódio, a divisão, trabalhar uma pedagogia sem ideias sobre oprimido e opressor”, citou. “O respeito deve ser mantido, sem preconceitos, e todos com direito à sua dignidade”, concluiu.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;