Fechar
Publicidade

Sábado, 23 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

José Arruda ganha mais tempo para se defender

Divulgação  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Da Agência Brasil

31/12/2009 | 07:00


O vice-presidente do TJ (Tribunal de Justiça) do Distrito Federal, desembargador Romão Oliveira, negou pedido de suspensão do recesso da Câmara Legislativa com o objetivo de colocar em votação os processos de impeachment contra o governador José Roberto Arruda (sem partido).

O pedido foi feito pela OAB/DF (Ordem dos Advogados do Brasil) em 21 de dezembro. A entidade alegou ser necessária convocação extraordinária da Câmara com objetivo de assegurar a tramitação dos processos de cassação contra os dez deputados distritais envolvidos no suposto esquema de corrupção no governo do DF.

O desembargador, no entanto, entendeu que a decisão não cabe ao Poder Judiciário, mas sim, à própria Câmara Legislativa. "Até onde os autos revelam, não consta que tenha a Câmara deliberado a respeito do requerimento formulado por oito deputados, até porque 14 deputados apresentaram idêntico requerimento e obtiveram declaração da presidência de que a Câmara estava convocada para sessão extraordinária a partir de 11 de janeiro", argumenta o desembargador na decisão.

O grupo de deputados que apoiam o governador, maioria na Casa, aprovou há duas semanas requerimento que fixou o recesso parlamentar até 10 de janeiro. Já a autoconvocação da Câmara Legislativa, apresentada pelo deputado Cabo Patricio (PT), que preside interinamente a Casa, também não poderá se efetivar. O desembargador entendeu que, como a proposta não foi votada pelos deputados, não há a possibilidade de ela seguir em tramitação. O recesso começou dia 16 e termina em 10 de janeiro. Até lá, os processos ficam suspensos.

Além do afastamento de Arruda, envolvido em um esquema de corrupção investigado pela Polícia Federal na Operação Caixa de Pandora, a OAB defende a cassação dos deputados Roney Nemer (PMDB), Berinaldo Pontes (PP), Benício Tavares (PMDB), Benedito Domingos (PP), Leonardo Prudente (DEM), Eurides Brito (PMDB), Júnior Brunelli (PSC), Pedro do Ovo (PRP), Aylton Gomes (PMN) e Rogério Ulysses (PSB).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;