Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 24 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Salles: agro que exporta e se preocupa com imagem deveria colaborar com Amazônia

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


26/08/2020 | 10:31


O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse nesta terça-feira, 25, ser fundamental que a iniciativa privada participe da conservação da Amazônia. Em videoconferência promovida pela Sociedade Nacional da Agricultura (SNA) sobre a ocupação da região, Salles destacou que o agronegócio exportador, que se beneficia da Amazônia e quer preservar sua imagem de sustentabilidade frente ao mundo, deveria "partilhar parte de sua receita com exportações" para ajudar a preservar a região.

Segundo Salles, o proprietário de terras na Amazônia só pode explorar economicamente 20% de sua área, em muitos casos, tornando inviável a sua sobrevivência. Para ele ter incentivo de manter intacta a floresta, a iniciativa privada deveria colaborar. E não só o setor agropecuário, conforme o ministro. "Quem não vive na Amazônia mas dela se beneficia deveria colaborar com essa preservação", enfatizou.

De outro modo, ele disse que o sistema até então vigente de atuação na região de verbas estatais e do terceiro setor "claramente não deu certo e não reduziu a pobreza na região". "Muita gente fez palestra, viajou (em função das ações na Amazônia), mas a região continuou pobre."

Assim, para Salles, qualquer plano que se fizer sobre a Amazônia, além de se respeitarem as particularidades de cada região dentro do bioma, deve levar em conta o reconhecimento do papel da iniciativa privada no desenvolvimento e na conservação da Amazônia. "Vivemos muitos anos com visão de planejamento estatal e destinação de recursos estatais ou de captação internacional (como o Fundo Amazônia) mas, mesmo assim, geridos por governos", lembrou o ministro. "E houve uma espécie de desconsideração, na prática, do papel do setor privado na Amazônia."

Segundo ele, para atrair o capital privado à região, deve-se garantir inicialmente a segurança jurídica quanto à questão fundiária da região, regularizando a posse de terra. "Em segundo lugar, deve-se remunerar a reserva legal por meio do pagamento por serviços ambientais, e isso está num programa recentemente lançado pelo governo, o Floresta Mais", disse, e mencionou novamente a necessidade de quem se beneficia do bioma mas nele não reside, contribuir. "Se o Brasil como um todo e o resto do mundo se beneficiam da Amazônia, nada mais natural do que pagar por isso; porque estão usufruindo", finalizou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Salles: agro que exporta e se preocupa com imagem deveria colaborar com Amazônia


26/08/2020 | 10:31


O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse nesta terça-feira, 25, ser fundamental que a iniciativa privada participe da conservação da Amazônia. Em videoconferência promovida pela Sociedade Nacional da Agricultura (SNA) sobre a ocupação da região, Salles destacou que o agronegócio exportador, que se beneficia da Amazônia e quer preservar sua imagem de sustentabilidade frente ao mundo, deveria "partilhar parte de sua receita com exportações" para ajudar a preservar a região.

Segundo Salles, o proprietário de terras na Amazônia só pode explorar economicamente 20% de sua área, em muitos casos, tornando inviável a sua sobrevivência. Para ele ter incentivo de manter intacta a floresta, a iniciativa privada deveria colaborar. E não só o setor agropecuário, conforme o ministro. "Quem não vive na Amazônia mas dela se beneficia deveria colaborar com essa preservação", enfatizou.

De outro modo, ele disse que o sistema até então vigente de atuação na região de verbas estatais e do terceiro setor "claramente não deu certo e não reduziu a pobreza na região". "Muita gente fez palestra, viajou (em função das ações na Amazônia), mas a região continuou pobre."

Assim, para Salles, qualquer plano que se fizer sobre a Amazônia, além de se respeitarem as particularidades de cada região dentro do bioma, deve levar em conta o reconhecimento do papel da iniciativa privada no desenvolvimento e na conservação da Amazônia. "Vivemos muitos anos com visão de planejamento estatal e destinação de recursos estatais ou de captação internacional (como o Fundo Amazônia) mas, mesmo assim, geridos por governos", lembrou o ministro. "E houve uma espécie de desconsideração, na prática, do papel do setor privado na Amazônia."

Segundo ele, para atrair o capital privado à região, deve-se garantir inicialmente a segurança jurídica quanto à questão fundiária da região, regularizando a posse de terra. "Em segundo lugar, deve-se remunerar a reserva legal por meio do pagamento por serviços ambientais, e isso está num programa recentemente lançado pelo governo, o Floresta Mais", disse, e mencionou novamente a necessidade de quem se beneficia do bioma mas nele não reside, contribuir. "Se o Brasil como um todo e o resto do mundo se beneficiam da Amazônia, nada mais natural do que pagar por isso; porque estão usufruindo", finalizou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;