Fechar
Publicidade

Domingo, 24 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Na pandemia, restaurantes da região se reinventam

Claudinei Plaza/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Com abertura em períodos de isolamento físico, a aposta é cativar ainda mais os clientes


Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

16/08/2020 | 07:00


 Os efeitos da pandemia do novo coronavírus vêm sendo prejudiciais para os bares e restaurantes. Atualmente, os estabelecimentos podem funcionar na região, com restrições, até as 22h. Porém, mesmo em tempos difíceis há possibilidade de se reinventar e recomeçar, como fizeram estabelecimentos localizados no Grande ABC que foram inaugurados pouco antes da Covid-19 chegar no País ou que se preparam para abrir as portas neste momento desafiador.

Na Avenida Dom Pedro II, no bairro Jardim, em Santo André, o ex-proprietário de franquia de lanchonetes Robson Melito repaginou o local que agora sedia restaurante e café. Depois de dez anos no mesmo ponto, ele entregou a marca e iniciou desafio com o gerente Claudenir Zanotti. O Don Coffee Café e Lounge começou a funcionar no início do ano e, após pesquisa na região, ele descobriu a demanda de refeições pelos clientes.

“A ideia foi trazer uma comida caseira com ingredientes de primeira qualidade. O ponto é bacana e existia essa necessidade nas proximidades”, disse o proprietário, que não contava com uma pandemia no meio do caminho. “Logo depois que entreguei a franquia, veio o coronavírus. Aproveitamos esse tempo para começar a fazer as reformas e depois abrimos somente para delivery (são dois meses de funcionamento do restaurante).”

A estrutura foi reaproveitada, então o investimento na repaginada do novo estabelecimento ficou em torno de R$ 30 mil, valor utilizado na readequação do prédio, estrutura da cozinha e compra de utensílios. Se antes tinha quatro funcionários, agora emprega oito.

Em momentos difíceis, a aposta em uma comida caseira que relembra as sensações de aconchego e casa já está dando resultado e, o que começou com cerca de 12 marmitas diárias, hoje já são mais de 50. Desde que o salão passou a abrir para consumo no local, no fim do último mês, as vendas aumentaram cerca de 20%. “São novos tempos, os procedimentos estão mais rigosoros e todo mundo usa álcool em gel e máscara. Sem falar no espaçamento maior entre as mesas. É um desafio, mas a expectativa é crescer aos poucos”, afirmou Melito.

ABRINDO AS PORTAS
Mesmo sem perspectivas de volta ao normal, mais estabelecimentos devem abrir as portas na região neste ano. A rede de pizzarias Babbo Giovanni inaugura hoje loja atendendo delivery e retirada na Rua das Figueiras, também no bairro Jardim. A marca foi fundada no Brasil em 1917 e traz receitas com massa tradicional.

No ParkShopping São Caetano, a Casa Porteña, especializada em carnes argentinas, abre as portas amanhã – quase cinco meses depois do previsto. “Quando iniciamos o projeto, não imaginávamos o pesadelo que viria nos meses seguintes, mas finalizamos a obra e esperamos o momento para a abertura, ainda que não seja conforme o esperado em razão da redução da capacidade e de horários, o que prejudica muito a atividade”, afirmaram os sócios Fernando e Rafael Ludgero, que enxergaram a falta de um restaurante com este conceito na cidade e contrataram 28 empregados.

A rede Sterna Café, que possui 86 unidades, sendo cinco no Grande ABC, nasceu em São Caetano. E, durante a pandemia abriu cinco unidades fora da região. “Procuramos por locais estratégicos, supermercados que permaneceram abertos e lugares de muito fluxo de pessoas para aproveitar o to go (para levar). O delivery também foi e é essencial para as novas unidades, que já nasceram obedecendo todos os protocolos de higiene recomendados”, afirmou o fundador Deiverson Miglliatti.

EM SHOPPINGS
O movimento dos centros de compras da região acabam gerando mais confiança para os empresários. Em São Bernardo, o Shopping Metrópole registrou abertura, no fim de julho, de fast food especializada na culinária inglesa FiChips. O restaurante de gastronomia italiana Pecorino deve inaugurar com delivery ainda neste mês e a previsão é de 40 funcionários. Na primeira semana de setembro, está previsto o início de atividades do Manai, tradicional restaurante por quilo, que deve ter 25 funcionários. Além disso, o complexo deve receber uma sorveteria Bacio di Latte, ainda sem previsão de data. O restaurante Mania de Churrasco está fechado para reforma e ampliação e deve ser reinaugurado em dezembro.

O Golden Square Shopping tem três inaugurações de restaurantes previstas. A primeira é o árabe SAJ, em setembro; já o Coco Bambu e o restaurante japonês Nagairô serão no primeiro trimestre de 2021.

Delivery ainda é alternativa forte
Mesmo com a possibilidade de consumo nos restaurantes, a entrega ainda continua sendo uma opção forte para os estabelecimentos na região. Até mesmo redes tradicionais vêm apostando cada vez mais na medida.

No Outback Steakhouse, o sistema de delivery já era utilizado, mas foi ampliado e adaptado. Para aproximar o cliente da experiência, o tradicional pão australiano é enviado como cortesia, em todos os pedidos, explicando como aquecê-lo para deixá-lo igual ao do restaurante. Também há dicas de playlist, para ficar com a mesma trilha sonora do ambiente.

O Grupo Habib’s, que detém também as marcas Ragazzo e Tendall Grill, firmou parceria com o Mercado Pago para aceitar pagamentos com código QR e oferecer desconto. Até o fim de setembro, 301 restaurantes Habib’s, 285 Ragazzo e seis unidades do Tendall – que incluem todas da região – aceitarão a nova modalidade de pagamento. Os consumidores que optarem por pagar via código contarão com abatimentos de até 80% na primeira compra acima de RS 9,90.

A Leva mais um Doce, empresa de produção artesanal de sobremesas sediada em Santo André, também criou novas estratégias. “Buscamos adaptar uma estrutura compacta e de fácil fluxo para criar uma velocidade na preparação, embalagem e entrega do produto em até três minutos (para atender ao entregador). Criamos uma linha de montagem e organização em nosso estoque que permite isso”, afirmou a empresária Sharon Frizão, ao garantir que a ideia é continuar nesse segmento. A linha, específica para delivery e sempre em potes, agora é composta pelos lançamentos de petit gateau, bolos e tortas.

Segundo o presidente licenciado do Sehal (Sindicato das Empresas de Hospedagem e Alimentação do Grande ABC), Beto Moreira, as vendas tendem a melhorar agora que os locais podem funcionar durante todo o dia.

Mas, ele lembra, que houve uma mudança de hábito do cliente que veio para ficar. “Isso não acaba com o fim da pandemia, até mesmo na questão financeira, que afeta muitas famílias. As pessoas vão se adaptar e o mercado precisa inovar”, assinalou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;