Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 23 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

MP-RJ esclarece que sindicância visa apurar quem acessou sistema indevidamente



15/08/2020 | 16:20


O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) esclarece que a sindicância envolvendo o caso das rachadinhas no gabinete do atual senador e ex-deputado estadual Flávio Bolsonaro (Republicanos/RJ) visa a apurar quem acessou o sistema da procuradora de justiça Soraya Gaya, e não para apurar quem levou a perder o prazo de um recurso sobre o caso. O MP-RJ alega que cumpriu o prazo e recorre neste sentido, mas o acesso indevido abriu a contagem de data antes do previsto e levou o órgão a interpor o recurso em 20 de julho, três dias depois do prazo final.

"No fim da tarde de sexta-feira, a procuradora de justiça Soraya Gaya encaminhou à chefia institucional um expediente solicitando a adoção de providências para elucidar quem teria acessado o sistema eletrônico que gerou a fruição do prazo para impetração dos recursos", disse o MP, em nota.

No fim de junho, o MP-RJ anunciou que ia recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra uma decisão do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) a favor do foro privilegiado para o caso de Flávio Bolsonaro.

Desembargadores da 3ª Câmara Criminal tinham reconhecido o foro privilegiado do senador, tirando o caso da 1ª instância e passando para a 2ª instância - o que mudou o juiz responsável pelo caso.

O MP, no entanto, interpôs o recurso em 20 de julho, três dias depois do prazo final, segundo a terceira vice-presidente do TJ Elisabete Filizzola Assunção. O prazo teria sido aberto em 3 de julho e terminado no dia 17.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

MP-RJ esclarece que sindicância visa apurar quem acessou sistema indevidamente


15/08/2020 | 16:20


O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) esclarece que a sindicância envolvendo o caso das rachadinhas no gabinete do atual senador e ex-deputado estadual Flávio Bolsonaro (Republicanos/RJ) visa a apurar quem acessou o sistema da procuradora de justiça Soraya Gaya, e não para apurar quem levou a perder o prazo de um recurso sobre o caso. O MP-RJ alega que cumpriu o prazo e recorre neste sentido, mas o acesso indevido abriu a contagem de data antes do previsto e levou o órgão a interpor o recurso em 20 de julho, três dias depois do prazo final.

"No fim da tarde de sexta-feira, a procuradora de justiça Soraya Gaya encaminhou à chefia institucional um expediente solicitando a adoção de providências para elucidar quem teria acessado o sistema eletrônico que gerou a fruição do prazo para impetração dos recursos", disse o MP, em nota.

No fim de junho, o MP-RJ anunciou que ia recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra uma decisão do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) a favor do foro privilegiado para o caso de Flávio Bolsonaro.

Desembargadores da 3ª Câmara Criminal tinham reconhecido o foro privilegiado do senador, tirando o caso da 1ª instância e passando para a 2ª instância - o que mudou o juiz responsável pelo caso.

O MP, no entanto, interpôs o recurso em 20 de julho, três dias depois do prazo final, segundo a terceira vice-presidente do TJ Elisabete Filizzola Assunção. O prazo teria sido aberto em 3 de julho e terminado no dia 17.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;