Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 25 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

'Qualquer vacina que garanta imunidade, estaremos atrás', diz secretário da Saúde



14/08/2020 | 22:23


O Secretário-Executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, disse nesta sexta-feira, 14, que a pasta tem acompanhado as candidatas a vacina contra a covid-19 e buscado alternativas para a imunização da população.

"Qualquer vacina que esteja acessível em quantidade num prazo com uma capacidade de oferecer imunidade à população brasileira, nós estaremos atrás dela: seja australiana, canadense, americana, chinesa, russa, argentina, qualquer vacina nós estamos atrás", pontuou Franco.

Segundo o secretário, a principal preocupação do Ministério é salvar vidas e fazer o possível para voltar à normalidade.

"Estamos verificando a oferta com a quantidade que possibilite a imunização da população brasileira e nós vamos negociar, buscar, verificar as condições contratuais, o prazo, a quantidade, para que nós possamos inseri-la dentro do nosso Programa Nacional de Imunização", explicou Élcio Franco.

De acordo com o secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, Hélio Angotti, o governo tem feito reuniões técnicas para discutir preço, eficácia, segurança e resultados.

"A solução que chegar primeiro, com qualidade, não pouparemos esforços. Não é sair correndo atrás de qualquer um que fale que tenha uma solução", afirmou o secretário.

No começo de agosto, o secretário nacional de Vigilância em Saúde, Arnaldo Correa de Medeiros, disse que o governo federal pretende comprar "a primeira vacina que chegar ao mercado", independentemente do país que a produzir.

O Ministério da Saúde já fechou um acordo para a compra da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a Astrazeneca. O presidente Jair Bolsonaro assinou uma medida provisória que abre crédito extraordinário de cerca de R$ 1,9 bilhões para viabilizar a compra, processamento e distribuição de 100 milhões de doses de vacina contra a covid-19. Desse valor, R$ 522 milhões irão para a estrutura da unidade da Fiocruz que produz imunobiológicos, a Bio-Manguinhos, e R$ 1,3 bilhão é de despesa referente a pagamentos previstos no contrato de encomenda tecnológica.

No final de julho, a pasta afirmou que foi assinado um documento que deu base para o acordo entre os laboratórios sobre a transferência de tecnologia e produção de 100 milhões de vacinas contra a covid-19, caso seja comprovada sua eficácia e segurança.

Nesta quinta, questionado sobre a possibilidade de negociação da vacina desenvolvida pela Rússia, o ministro interino, Eduardo Pazuello, não descartou a viabilidade, mas disse que os dados em torno do assunto são incipientes e que as posições estão "ainda muito rasas".

Alternativas

Franco também informou que o Ministério está "buscando outras alternativas", entre elas o COVAX Facility, que é uma ação global da Organização Mundial da Saúde (OMS) que pretende garantir acesso às vacinas da covid-19, que ainda estão sendo desenvolvidas.

"Nós temos também buscado outras alternativas, como o COVAX Facility que é uma iniciativa que está sendo capitaneada pela Organização Mundial da Saúde, onde nove laboratórios estão prospectando a vacina. E qual sair na frente é a que deve ser disponibilizada. Eles oferecem uma quantidade um pouco menor, não vai fazer aquela cobertura desejável para nós, mas é uma alternativa", conclui Franco.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Qualquer vacina que garanta imunidade, estaremos atrás', diz secretário da Saúde


14/08/2020 | 22:23


O Secretário-Executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, disse nesta sexta-feira, 14, que a pasta tem acompanhado as candidatas a vacina contra a covid-19 e buscado alternativas para a imunização da população.

"Qualquer vacina que esteja acessível em quantidade num prazo com uma capacidade de oferecer imunidade à população brasileira, nós estaremos atrás dela: seja australiana, canadense, americana, chinesa, russa, argentina, qualquer vacina nós estamos atrás", pontuou Franco.

Segundo o secretário, a principal preocupação do Ministério é salvar vidas e fazer o possível para voltar à normalidade.

"Estamos verificando a oferta com a quantidade que possibilite a imunização da população brasileira e nós vamos negociar, buscar, verificar as condições contratuais, o prazo, a quantidade, para que nós possamos inseri-la dentro do nosso Programa Nacional de Imunização", explicou Élcio Franco.

De acordo com o secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, Hélio Angotti, o governo tem feito reuniões técnicas para discutir preço, eficácia, segurança e resultados.

"A solução que chegar primeiro, com qualidade, não pouparemos esforços. Não é sair correndo atrás de qualquer um que fale que tenha uma solução", afirmou o secretário.

No começo de agosto, o secretário nacional de Vigilância em Saúde, Arnaldo Correa de Medeiros, disse que o governo federal pretende comprar "a primeira vacina que chegar ao mercado", independentemente do país que a produzir.

O Ministério da Saúde já fechou um acordo para a compra da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a Astrazeneca. O presidente Jair Bolsonaro assinou uma medida provisória que abre crédito extraordinário de cerca de R$ 1,9 bilhões para viabilizar a compra, processamento e distribuição de 100 milhões de doses de vacina contra a covid-19. Desse valor, R$ 522 milhões irão para a estrutura da unidade da Fiocruz que produz imunobiológicos, a Bio-Manguinhos, e R$ 1,3 bilhão é de despesa referente a pagamentos previstos no contrato de encomenda tecnológica.

No final de julho, a pasta afirmou que foi assinado um documento que deu base para o acordo entre os laboratórios sobre a transferência de tecnologia e produção de 100 milhões de vacinas contra a covid-19, caso seja comprovada sua eficácia e segurança.

Nesta quinta, questionado sobre a possibilidade de negociação da vacina desenvolvida pela Rússia, o ministro interino, Eduardo Pazuello, não descartou a viabilidade, mas disse que os dados em torno do assunto são incipientes e que as posições estão "ainda muito rasas".

Alternativas

Franco também informou que o Ministério está "buscando outras alternativas", entre elas o COVAX Facility, que é uma ação global da Organização Mundial da Saúde (OMS) que pretende garantir acesso às vacinas da covid-19, que ainda estão sendo desenvolvidas.

"Nós temos também buscado outras alternativas, como o COVAX Facility que é uma iniciativa que está sendo capitaneada pela Organização Mundial da Saúde, onde nove laboratórios estão prospectando a vacina. E qual sair na frente é a que deve ser disponibilizada. Eles oferecem uma quantidade um pouco menor, não vai fazer aquela cobertura desejável para nós, mas é uma alternativa", conclui Franco.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;