Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 22 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar sobe com apreensão sobre risco fiscal e cautela externa

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


14/08/2020 | 09:57


O dólar opera em alta e já bateu máxima na casa dos R$ 5,43. O mercado de câmbio está apreensivo com o risco fiscal do governo brasileiro e a cautela no exterior também contribui para a valorização ante o real.

Estressam os investidores a fala do presidente Jair Bolsonaro admitindo que há um debate entre integrantes de seu governo para furar o teto de gastos para 2021. "Qual o problema?", questionou em live nas redes sociais, um dia após declarar apoio ao teto. "Agora esse mercado tem que dar um tempinho também, né? Um pouquinho de patriotismo não faz mal a eles, né?", acrescentou.

Os investidores já estavam céticos com a defesa pouco enfática do presidente na quarta-feira sobre o mecanismo limitador de gastos públicos. Na terça-feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que uma mudança na regra do teto de gastos deixava o presidente na "zona sombria" do impeachment e a movimentação política do Planalto é ameaça também a permanência de Guedes.

No radar também está a pesquisa Datafolha, mostrando a melhor avaliação de Jair Bolsonaro desde o início da pandemia, graças, em boa parte, ao pagamento do auxílio-emergencial. "É possível que os dados evidenciados pelo Datafolha contribuam para maiores pressões para que ocorra extensão da ajuda aos brasileiros", observam economistas da Renascença DTVM, em relatório nesta manhã.

O IBC-Br de junho cresceu 4,89%, abaixo da mediana estimada (5,1%), e caiu 10,94% no trimestre, o que traria influência de baixa na curva de juros, porém, o que se vê é uma correção de alta dos juros longos, pelo estresse com o quadro fiscal.

Mais cedo, o Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) subiu 2,53% em agosto, após ter aumentado 1,91% em julho, superando o teto das estimativas na pesquisa do Projeções Broadcast, que era de 2,28%. O piso apontava alta de 1,70%, com mediana positiva de 2,11%.

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) subiu 5,8 pontos na prévia de agosto ante o resultado fechado do mês de julho, para 93,3 pontos. Já o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) caiu 3,0 pontos, para 75,8 pontos.

No exterior, as bolsas recuam e o dólar perdeu força ante divisas emergentes há pouco, como peso mexicano, ajudando para a desaceleração do dólar ante o real. Os dados da indústria e varejo da China são monitorados e persiste o impasse nas negociações nos EUA por um novo pacote fiscal em reação à crise do coronavírus. Há ainda incertezas sobre o desfecho de uma reunião virtual, amanhã, entre graduadas autoridades americanas e chinesas, que revisarão o pacto da fase 1 do acordo comercial sino-americano assinado em janeiro.

Às 9h39, o dólar à vista desacelerava o ganho, a R$ 5,3884 (+0,39%), após máxima em R$ 5,4339 (+1,23%). E o dólar futuro para setembro subia 0,60%, a R$ 5,4040, ante máxima a R$ 5,4370 (+1,23%), após a abertura dos negócios. o dólar futuro para setembro subia 0,40%, a R$ 5,3920, ante máxima a R$ 5,4370 (+1,23%) mais cedo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar sobe com apreensão sobre risco fiscal e cautela externa


14/08/2020 | 09:57


O dólar opera em alta e já bateu máxima na casa dos R$ 5,43. O mercado de câmbio está apreensivo com o risco fiscal do governo brasileiro e a cautela no exterior também contribui para a valorização ante o real.

Estressam os investidores a fala do presidente Jair Bolsonaro admitindo que há um debate entre integrantes de seu governo para furar o teto de gastos para 2021. "Qual o problema?", questionou em live nas redes sociais, um dia após declarar apoio ao teto. "Agora esse mercado tem que dar um tempinho também, né? Um pouquinho de patriotismo não faz mal a eles, né?", acrescentou.

Os investidores já estavam céticos com a defesa pouco enfática do presidente na quarta-feira sobre o mecanismo limitador de gastos públicos. Na terça-feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que uma mudança na regra do teto de gastos deixava o presidente na "zona sombria" do impeachment e a movimentação política do Planalto é ameaça também a permanência de Guedes.

No radar também está a pesquisa Datafolha, mostrando a melhor avaliação de Jair Bolsonaro desde o início da pandemia, graças, em boa parte, ao pagamento do auxílio-emergencial. "É possível que os dados evidenciados pelo Datafolha contribuam para maiores pressões para que ocorra extensão da ajuda aos brasileiros", observam economistas da Renascença DTVM, em relatório nesta manhã.

O IBC-Br de junho cresceu 4,89%, abaixo da mediana estimada (5,1%), e caiu 10,94% no trimestre, o que traria influência de baixa na curva de juros, porém, o que se vê é uma correção de alta dos juros longos, pelo estresse com o quadro fiscal.

Mais cedo, o Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) subiu 2,53% em agosto, após ter aumentado 1,91% em julho, superando o teto das estimativas na pesquisa do Projeções Broadcast, que era de 2,28%. O piso apontava alta de 1,70%, com mediana positiva de 2,11%.

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) subiu 5,8 pontos na prévia de agosto ante o resultado fechado do mês de julho, para 93,3 pontos. Já o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) caiu 3,0 pontos, para 75,8 pontos.

No exterior, as bolsas recuam e o dólar perdeu força ante divisas emergentes há pouco, como peso mexicano, ajudando para a desaceleração do dólar ante o real. Os dados da indústria e varejo da China são monitorados e persiste o impasse nas negociações nos EUA por um novo pacote fiscal em reação à crise do coronavírus. Há ainda incertezas sobre o desfecho de uma reunião virtual, amanhã, entre graduadas autoridades americanas e chinesas, que revisarão o pacto da fase 1 do acordo comercial sino-americano assinado em janeiro.

Às 9h39, o dólar à vista desacelerava o ganho, a R$ 5,3884 (+0,39%), após máxima em R$ 5,4339 (+1,23%). E o dólar futuro para setembro subia 0,60%, a R$ 5,4040, ante máxima a R$ 5,4370 (+1,23%), após a abertura dos negócios. o dólar futuro para setembro subia 0,40%, a R$ 5,3920, ante máxima a R$ 5,4370 (+1,23%) mais cedo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;