Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 29 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas da Ásia fecham mistas após indicadores chineses e com impasse nos EUA



14/08/2020 | 07:18


As bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta sexta-feira, 14, após dados mais fracos do que o esperado de indústria e varejo da China e diante do impasse nas negociações nos EUA por um novo pacote fiscal em reação à crise do coronavírus.

O índice acionário japonês Nikkei teve modesta alta de 0,17% em Tóquio nesta sexta, a 23.289,36 pontos, graças ao bom desempenho de ações dos setores farmacêutico e de seguros, mas o sul-coreano Kospi caiu 1,23% em Seul, a 2.407,49 pontos, interrompendo uma sequência de nove pregões de ganhos.

Na China continental, as bolsas se recuperaram no fim dos negócios, impulsionadas por fluxo estrangeiro. O Xangai Composto subiu 1,19%, a 3.360,10 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 1,25%, a 2.244,17 pontos.

Em Hong Kong, por outro lado, o Hang Seng recuou 0,19%, a 25.183,01 pontos.

Já em Taiwan, o Taiex garantiu modesta valorização de 0,25%, a 12.795,46 pontos.

Os dados chineses mais recentes mostram que a atividade da segunda maior economia do mundo continua se recuperando do impacto da covid-19, mas em ritmo mais contido à medida que Pequim parou de incrementar seus estímulos monetários e fiscais.

Em julho, a produção industrial da China teve expansão anual de 4,8%, um pouco menor do que o acréscimo de 5% previsto por analistas. Também na comparação anual, as vendas no varejo caíram 1,1% no mês passado, após recuarem 1,8% em junho, mas a projeção para julho era de estabilidade.

Os investimentos chineses em ativos fixos, por sua vez, sofreram queda anual de 1,6% entre janeiro e julho, mas economistas previam redução um pouco maior, de 1,8%.

O apetite por risco na Ásia também é limitado por um longo impasse em negociações no Congresso americano para um pacote de incentivos fiscais que ajude os EUA a se recuperar dos efeitos do coronavírus. Na quinta, o presidente Donald Trump voltou a atacar a oposição democrata, culpando-a pela falta de um acordo.

Na Oceania, a bolsa australiana ficou no azul, ajudada principalmente por ações de tecnologia, que seguiram o desempenho positivo do Nasdaq em Nova York na quinta. O S&P/ASX 200 avançou 0,58% em Sydney, a 6.126,20 pontos.

*Com informações da Dow Jones Newswires



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsas da Ásia fecham mistas após indicadores chineses e com impasse nos EUA


14/08/2020 | 07:18


As bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta sexta-feira, 14, após dados mais fracos do que o esperado de indústria e varejo da China e diante do impasse nas negociações nos EUA por um novo pacote fiscal em reação à crise do coronavírus.

O índice acionário japonês Nikkei teve modesta alta de 0,17% em Tóquio nesta sexta, a 23.289,36 pontos, graças ao bom desempenho de ações dos setores farmacêutico e de seguros, mas o sul-coreano Kospi caiu 1,23% em Seul, a 2.407,49 pontos, interrompendo uma sequência de nove pregões de ganhos.

Na China continental, as bolsas se recuperaram no fim dos negócios, impulsionadas por fluxo estrangeiro. O Xangai Composto subiu 1,19%, a 3.360,10 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 1,25%, a 2.244,17 pontos.

Em Hong Kong, por outro lado, o Hang Seng recuou 0,19%, a 25.183,01 pontos.

Já em Taiwan, o Taiex garantiu modesta valorização de 0,25%, a 12.795,46 pontos.

Os dados chineses mais recentes mostram que a atividade da segunda maior economia do mundo continua se recuperando do impacto da covid-19, mas em ritmo mais contido à medida que Pequim parou de incrementar seus estímulos monetários e fiscais.

Em julho, a produção industrial da China teve expansão anual de 4,8%, um pouco menor do que o acréscimo de 5% previsto por analistas. Também na comparação anual, as vendas no varejo caíram 1,1% no mês passado, após recuarem 1,8% em junho, mas a projeção para julho era de estabilidade.

Os investimentos chineses em ativos fixos, por sua vez, sofreram queda anual de 1,6% entre janeiro e julho, mas economistas previam redução um pouco maior, de 1,8%.

O apetite por risco na Ásia também é limitado por um longo impasse em negociações no Congresso americano para um pacote de incentivos fiscais que ajude os EUA a se recuperar dos efeitos do coronavírus. Na quinta, o presidente Donald Trump voltou a atacar a oposição democrata, culpando-a pela falta de um acordo.

Na Oceania, a bolsa australiana ficou no azul, ajudada principalmente por ações de tecnologia, que seguiram o desempenho positivo do Nasdaq em Nova York na quinta. O S&P/ASX 200 avançou 0,58% em Sydney, a 6.126,20 pontos.

*Com informações da Dow Jones Newswires

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;