Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

São Paulo amplia produção de veículos


Wagner Oliveira
Do Diário do Grande ABC

16/08/2009 | 07:16


Enquanto Estados produtores de veículos perderam produção, São Paulo avançou mais de dois pontos percentuais em 2008 - saiu de 43,6%, em 2007, para 45,8% no ano passado. Os dados são da Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores).

Com projetos bem-sucedidos, o Grande ABC contribuiu com o resultado positivo no Estado. Novo Gol (Volkswagen) e Ka (Ford) são dois exemplos de carros feitos na região que, desde o ano passado, vêm ampliando produção e vendas. O Ka, que antes vendia 30 mil unidades anuais, depois da nova versão lançada no ano passado, já soma 100 mil/ ano.

Com sete marcas (Ford, VW, General Motors, Mercedes-Benz, Scania, Toyota e Karmann-Ghia), a região fabricou, em 2008, 769 mil veículos, que representavam 55% da produção estadual ou 24% da nacional, que somou no ano passado 3.215.976 unidades - crescimento de 10 % sobre as 2.980.108 produzidas em 2007.

"Temos vocação para fazer carros e vamos lutar para que nossa região não perca projetos nem investimentos, e crie mais empregos", afirmou o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano do Sul, Aparecido Inácio da Silva, o Cidão.

A Anfavea informou que ainda não há elementos para afirmar se a recuperação em 2008 significa tendência de alta ou estabilização dos números. Mas nos últimos anos São Paulo vinha perdendo participação.

Em 2006, o Estado concentrava 47,4% da produção nacional, que, naquele ano, somou 2.612.329 unidades. Em 1990, quando a produção era de 914.466 unidades, SP deti-nha 74,8% da indústria automobilística, a maior parte concentrada no Grande ABC.

Enquanto São Paulo ganhou 2,2 pontos percentuais em 2008, a Bahia perdeu 1,3, além de Minas Gerais (0,8), Paraná (0,3), Rio Grande do Sul (0,5) e Goiás (0,5). Depois de SP, só Rio subiu, passando de 5,6%, em 2007, para 5,8% (veja gráfico acima).

O presidente da Ford, Marcos de Oliveira, afirmou que a evolução do sindicalismo na região, que entendeu a nova realidade da indústria automobilística, contribui para preservar a indústria automobilística no Grande ABC. Aumento da produtividade, logística e cadeia de suprimentos também são pontos a favor.

Marcos de Oliveira diz que a região evita, em parte, cometer os erros de Detroit, que vem perdendo nos últimos anos a hegemonia da indústria automobilística nos Estados Unidos.

Para Oliveira, que já morou naquela cidade dos EUA, indústria e trabalhadores demoraram para entender as mudanças lá. "A sobrevivência do Grande ABC está baseada em produtos de sucesso com custos que viabilizem a operação na região. É assim que vai disputar investimentos", disse.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;