Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Preço da gasolina sobe 4% e, do diesel, 2% na refinaria

Banco de dados Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Na região, valores na bomba chegam a R$ 4,03 e R$ 3,42; aos R$ 2,58, etanol vale mais a pena


Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

13/08/2020 | 00:10


A partir de hoje, haverá o reajuste dos preços da gasolina e do diesel na refinaria, respectivamente, de 4% e 2%, segundo a Petrobras. Na bomba, o litro dos combustíveis nos postos do Grande ABC deve aumentar, na média, entre R$ 0,03 e R$ 0,05. Segundo dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) tabulados pelo Diário, a média de preços nas seis cidades – não há dados de Rio Grande da Serra – fica em R$ 3,98 para a gasolina e R$ 3,38 para o diesel S10. Os valores são referentes a coletas realizadas na última semana.

Ou seja, com a média de impacto no valor do litro estimada pelo Regran (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do ABCDMRR), a gasolina deve aumentar entre R$ 0,04 e R$ 0,05, chegando a R$ 4,03 e, o diesel, entre R$ 0,03 e R$ 0,04, indo a R$ 3,42.

Assim, o etanol, que sai pela média de R$ 2,58 o litro, ainda é mais vantajoso – até R$ 2,82, considerando o preço médio da gasolina, já que o rendimento do álcool equivale a 70% do combustível fóssil.

A alta ocorre em meio ao aumento no preço mundial do petróleo. A Petrobras aplica também a variação do câmbio no valor cobrado na refinaria. Segundo o presidente do Regran, Wagner de Souza, fica a cargo de cada posto o repasse, já que o mercado é livre. “Estamo em um período que a oferta está maior do que a demanda, e o proprietário terá ainda mais cuidado ao repassar preço e olhar seu negócio. O mercado está muito competitivo.”

Mesmo com a retomada de alguns setores da economia, os postos ainda sentem queda de 60% na demanda ante 2019. “A volta às aulas, que não aconteceu, tem um peso grande. Além disso, as pessoas não estão indo ao cinema, igreja, bares e restaurantes”, disse. Segundo ele, o mercado só deve se recuperar em meados de 2021.
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Preço da gasolina sobe 4% e, do diesel, 2% na refinaria

Na região, valores na bomba chegam a R$ 4,03 e R$ 3,42; aos R$ 2,58, etanol vale mais a pena

Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

13/08/2020 | 00:10


A partir de hoje, haverá o reajuste dos preços da gasolina e do diesel na refinaria, respectivamente, de 4% e 2%, segundo a Petrobras. Na bomba, o litro dos combustíveis nos postos do Grande ABC deve aumentar, na média, entre R$ 0,03 e R$ 0,05. Segundo dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) tabulados pelo Diário, a média de preços nas seis cidades – não há dados de Rio Grande da Serra – fica em R$ 3,98 para a gasolina e R$ 3,38 para o diesel S10. Os valores são referentes a coletas realizadas na última semana.

Ou seja, com a média de impacto no valor do litro estimada pelo Regran (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do ABCDMRR), a gasolina deve aumentar entre R$ 0,04 e R$ 0,05, chegando a R$ 4,03 e, o diesel, entre R$ 0,03 e R$ 0,04, indo a R$ 3,42.

Assim, o etanol, que sai pela média de R$ 2,58 o litro, ainda é mais vantajoso – até R$ 2,82, considerando o preço médio da gasolina, já que o rendimento do álcool equivale a 70% do combustível fóssil.

A alta ocorre em meio ao aumento no preço mundial do petróleo. A Petrobras aplica também a variação do câmbio no valor cobrado na refinaria. Segundo o presidente do Regran, Wagner de Souza, fica a cargo de cada posto o repasse, já que o mercado é livre. “Estamo em um período que a oferta está maior do que a demanda, e o proprietário terá ainda mais cuidado ao repassar preço e olhar seu negócio. O mercado está muito competitivo.”

Mesmo com a retomada de alguns setores da economia, os postos ainda sentem queda de 60% na demanda ante 2019. “A volta às aulas, que não aconteceu, tem um peso grande. Além disso, as pessoas não estão indo ao cinema, igreja, bares e restaurantes”, disse. Segundo ele, o mercado só deve se recuperar em meados de 2021.
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;