Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 18 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Band estréia novela e série portuguesas


André Bernardo
Da TV Press

14/01/2004 | 19:56


Há tempos, a teledramaturgia tornou-se um dos principais produtos de exportação do país. As telenovelas brasileiras, principalmente as da Globo, já foram vistas em mais de 150 países, nos mais diferentes cantos do mundo. Só Portugal, através da rede SIC, já assistiu a mais de 60 delas, muitas exibidas quase simultaneamente com o Brasil. Agora, Portugal começa a fazer o caminho inverso. A produtora NBP, um das maiores de lá, fechou com a Band a exibição de algumas produções por aqui. Já no domingo, às 19h, estréia a série Olá Pai, sobre um solteirão convicto que, de repente, se vê às voltas com um recém-nascido. Na segunda, a Band exibe, às 16h30, a novela Olhos de Água, sobre duas gêmeas que, separadas na infância, se reencontram, já adultas. “Optamos pela teledramaturgia portuguesa porque ela vai ser uma grande novidade para o público brasileiro”, afirma Celso Tavares, diretor de produção e programação da Band.

A exibição de tramas produzidas pela NBP é apenas o primeiro passo da parceria firmada com a Band. Num futuro próximo, as duas planejam co-produzir novelas, seriados e minisséries para o mercado brasileiro. A última vez que a Band exibiu novelas foi em 1998, com Serras Azuis, de Ana Maria Moretzsohn. Enquanto não retoma o núcleo de teledramaturgia, a Band reinaugura, em março, um segundo horário de novelas, com Morangos com Açúcar, voltada para o público adolescente. A parceria com a NBP começou ano passado quando a Band julgou indispensável exibir novelas para cativar o público feminino, a mais nova prioridade do canal. “As tramas portuguesas têm ótima qualidade técnica e artística. Na verdade, elas não negam a forte influência da brasileira”, diz Tavares.

Fundada em 1992 pelos atores Nicolau Breyner e Antônio Parente, que veio ao Brasil na última semana para divulgar as produções, a NBP surgiu mesmo sob forte influência brasileira. Na época, Antônio Parente pediu ao amigo Jô Soares que indicasse o nome de um diretor brasileiro que ele pudesse levar para Portugal. O escolhido foi Régis Cardoso, diretor de Estúpido Cupido, O Bem-Amado e Anjo Mau. “Ajudei a implantar o know-how brasileiro na teledramaturgia portuguesa. Quando cheguei lá, eles não tinham nem estúdio, nem equipamento. Quando vim embora, o senhor Antônio Parente me considerou responsável pela formação daquela empresa”, diz Régis Cardoso, que não dirige novelas no Brasil desde Tocaia Grande, de 1995, na extinta Manchete.

Nos três anos em que ficou em Portugal, Régis dirigiu Cinzas, Verão Quente e Na Paz dos Anjos. “Os atores portugueses têm um nível artístico altíssimo. Muitos deles, como o Joaquim de Andrade, já fizeram cinema até em Hollywood”, lembra, numa alusão ao ator que protagonizou o Xangô de Baker Street, rodado no Brasil. Régis notava um certo puritanismo nas primeiras produções da NBP. “As tramas portuguesas são menos folhetinescas e mais educativas que as nossas”, afirma.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Band estréia novela e série portuguesas

André Bernardo
Da TV Press

14/01/2004 | 19:56


Há tempos, a teledramaturgia tornou-se um dos principais produtos de exportação do país. As telenovelas brasileiras, principalmente as da Globo, já foram vistas em mais de 150 países, nos mais diferentes cantos do mundo. Só Portugal, através da rede SIC, já assistiu a mais de 60 delas, muitas exibidas quase simultaneamente com o Brasil. Agora, Portugal começa a fazer o caminho inverso. A produtora NBP, um das maiores de lá, fechou com a Band a exibição de algumas produções por aqui. Já no domingo, às 19h, estréia a série Olá Pai, sobre um solteirão convicto que, de repente, se vê às voltas com um recém-nascido. Na segunda, a Band exibe, às 16h30, a novela Olhos de Água, sobre duas gêmeas que, separadas na infância, se reencontram, já adultas. “Optamos pela teledramaturgia portuguesa porque ela vai ser uma grande novidade para o público brasileiro”, afirma Celso Tavares, diretor de produção e programação da Band.

A exibição de tramas produzidas pela NBP é apenas o primeiro passo da parceria firmada com a Band. Num futuro próximo, as duas planejam co-produzir novelas, seriados e minisséries para o mercado brasileiro. A última vez que a Band exibiu novelas foi em 1998, com Serras Azuis, de Ana Maria Moretzsohn. Enquanto não retoma o núcleo de teledramaturgia, a Band reinaugura, em março, um segundo horário de novelas, com Morangos com Açúcar, voltada para o público adolescente. A parceria com a NBP começou ano passado quando a Band julgou indispensável exibir novelas para cativar o público feminino, a mais nova prioridade do canal. “As tramas portuguesas têm ótima qualidade técnica e artística. Na verdade, elas não negam a forte influência da brasileira”, diz Tavares.

Fundada em 1992 pelos atores Nicolau Breyner e Antônio Parente, que veio ao Brasil na última semana para divulgar as produções, a NBP surgiu mesmo sob forte influência brasileira. Na época, Antônio Parente pediu ao amigo Jô Soares que indicasse o nome de um diretor brasileiro que ele pudesse levar para Portugal. O escolhido foi Régis Cardoso, diretor de Estúpido Cupido, O Bem-Amado e Anjo Mau. “Ajudei a implantar o know-how brasileiro na teledramaturgia portuguesa. Quando cheguei lá, eles não tinham nem estúdio, nem equipamento. Quando vim embora, o senhor Antônio Parente me considerou responsável pela formação daquela empresa”, diz Régis Cardoso, que não dirige novelas no Brasil desde Tocaia Grande, de 1995, na extinta Manchete.

Nos três anos em que ficou em Portugal, Régis dirigiu Cinzas, Verão Quente e Na Paz dos Anjos. “Os atores portugueses têm um nível artístico altíssimo. Muitos deles, como o Joaquim de Andrade, já fizeram cinema até em Hollywood”, lembra, numa alusão ao ator que protagonizou o Xangô de Baker Street, rodado no Brasil. Régis notava um certo puritanismo nas primeiras produções da NBP. “As tramas portuguesas são menos folhetinescas e mais educativas que as nossas”, afirma.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;