Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas de NY fecham em alta, apoiadas por setor de tecnologia, e S&P 500



12/08/2020 | 18:01


As bolsas de Nova York fecharam o pregão desta quarta-feira, 12, em alta, apoiadas por ações do setor de tecnologia, em um dia de otimismo nos mercados internacionais, e o índice acionário S&P 500 se aproximou da máxima histórica de fechamento.

O Dow Jones subiu 1,05%, a 27.976,84 pontos, o Nasdaq ganhou 2,13%, a 11.012,24 pontos, e o S&P 500 avançou 1,40%, a 3.380,35 pontos, quase em recorde histórico.

Depois de uma correção nas últimas sessões, papéis de empresas de tecnologia voltaram a registrar ganhos e o setor liderou as altas no S&P 500 (+2,31%). As ações da Apple subiram 3,32% e as da Microsoft, 2,86%.

"Os mercados mantiveram-se positivos apostando no fato de que o pior da quarentena induzida pela covid-19 ficou para trás e a economia irá se recuperar fortemente no final do ano", escreveu o analista Boris Schlossberg, da BK Asset Management, em um relatório a clientes.

Ontem, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que fechou um acordo com a farmacêutica Moderna para a compra de 100 milhões de doses da vacina contra a coronavírus que está sendo produzida pela companhia. O anúncio ajudou a impulsionar o bom humor do mercado hoje.

"Em meio ao impasse em Washington, às tensas relações EUA-China e aos desafios da pandemia, os mercados mostram uma sólida resiliência", avaliam analistas da corretora americana LPL Financial.

O impasse entre democratas e republicanos sobre o próximo pacote fiscal continua, mas há sinais de que as negociações podem ser retomadas.

A divulgação do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) americano, que subiu 0,6% em julho ante junho, acima das previsões, também animou. A presidente da distrital de São Francisco do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Mary Daly, porém, disse que uma retomada em "V" da economia está descartada.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsas de NY fecham em alta, apoiadas por setor de tecnologia, e S&P 500


12/08/2020 | 18:01


As bolsas de Nova York fecharam o pregão desta quarta-feira, 12, em alta, apoiadas por ações do setor de tecnologia, em um dia de otimismo nos mercados internacionais, e o índice acionário S&P 500 se aproximou da máxima histórica de fechamento.

O Dow Jones subiu 1,05%, a 27.976,84 pontos, o Nasdaq ganhou 2,13%, a 11.012,24 pontos, e o S&P 500 avançou 1,40%, a 3.380,35 pontos, quase em recorde histórico.

Depois de uma correção nas últimas sessões, papéis de empresas de tecnologia voltaram a registrar ganhos e o setor liderou as altas no S&P 500 (+2,31%). As ações da Apple subiram 3,32% e as da Microsoft, 2,86%.

"Os mercados mantiveram-se positivos apostando no fato de que o pior da quarentena induzida pela covid-19 ficou para trás e a economia irá se recuperar fortemente no final do ano", escreveu o analista Boris Schlossberg, da BK Asset Management, em um relatório a clientes.

Ontem, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que fechou um acordo com a farmacêutica Moderna para a compra de 100 milhões de doses da vacina contra a coronavírus que está sendo produzida pela companhia. O anúncio ajudou a impulsionar o bom humor do mercado hoje.

"Em meio ao impasse em Washington, às tensas relações EUA-China e aos desafios da pandemia, os mercados mostram uma sólida resiliência", avaliam analistas da corretora americana LPL Financial.

O impasse entre democratas e republicanos sobre o próximo pacote fiscal continua, mas há sinais de que as negociações podem ser retomadas.

A divulgação do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) americano, que subiu 0,6% em julho ante junho, acima das previsões, também animou. A presidente da distrital de São Francisco do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Mary Daly, porém, disse que uma retomada em "V" da economia está descartada.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;