Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 25 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Em 4 cidades, aula presencial até 5º ano em escola particular só retorna em 2021

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Consórcio define em reunião que atividades na rede privada serão retomadas junto com as da pública


Anderson Fattori
Do Diário do Grande ABC

12/08/2020 | 08:07


Prefeitos e representantes das sete cidades do Grande ABC se reuniram virtualmente ontem, em assembleia do Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, para discutir a retomada das aulas presenciais. O colegiado decidiu que as atividades na rede privada não vão reiniciar antes das da rede pública. Assim, Santo André, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra, que já haviam descartado retomar as aulas presenciais nas escolas municipais neste ano, também só permitirão aos colégios privados que atendem berçário, pré-escola e até o 5º ano do ensino fundamental, estágios que competem aos municípios, que voltem só em 2021.

Prefeituras de São Bernardo, São Caetano e Diadema afirmaram que vão acompanhar o andamento da pandemia e só vão tomar decisão sobre o retorno das escolas municipais e, por consequência, das particulares no dia 30 de setembro.

Na sexta-feira, o governador João Doria (PSDB) determinou o retorno das escolas estaduais a partir do dia 7 de outubro nas regiões que estejam há pelo menos 28 dias na fase amarela do Plano São Paulo, que normatiza a flexibilização da quarentena, caso do Grande ABC. O retorno das atividades, porém, depende da liberação das prefeituras das cidades nas quais as escolas estão inseridas. O mesmo acontece com as aulas de reforço e complemento, que foram autorizadas pelo governador para serem realizadas presencialmente nas escolas a partir do dia 8 de setembro.

A decisão tomada ontem pelo Consórcio foi baseada nas orientação dos GTs (Grupos de Trabalho) Educação e Saúde do colegiado, que reúnem representantes das pastas das sete cidades e também com base em pesquisas realizadas recentemente pelas prefeituras com os responsáveis pelos alunos. No total, foram ouvidas 87.609 pessoas e 83,8% se posicionaram contra o retorno das aulas presenciais (veja na arte acima).

A rede municipal do Grande ABC é composta de 645 escolas, com mais de 200 mil alunos matriculados, 13,2 mil professores e 9.800 funcionários.

“A decisão dos prefeitos tem como objetivo assegurar que o retorno às aulas seja responsável, cuidadoso e seguro, de forma a garantir prevenção e segurança a alunos, professores e funcionários tanto das redes pública quanto da privada”, afirmou o presidente do colegiado, Gabriel Maranhão (Cidadania), que também é prefeito de Rio Grande da Serra. “Ainda nos encontramos em momento de grande índice de contaminados. A gente sabe que as crianças, geralmente, não apresentam sintomas e são risco para os mais velhos. Temos universo de 200 mil alunos nas redes municipais e se cada um pegar, cuja família tenha em média quatro pessoas, serão 800 mil pessoas contaminadas, o que corresponde a 30% da população do Grande ABC. É um grande risco”, acrescentou.

Presidente da Aesp (Associação das Escolas Particulares) ABC, Oswana Fameli mostrou mais uma vez descontentamento com a decisão do Consórcio. Segundo a dirigente, os donos de escolas não foram convidados para discutir o assunto e tentar achar uma solução. “Gostaríamos de ter participado da construção desta decisão. Pedimos, urgentemente, que o poder público estude iniciativas para socorrer as escolas. Principalmente as de educação infantil. As escolas particulares estão prontas e equipadas para receberem seus alunos, quando liberadas”, garantiu Oswana.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Em 4 cidades, aula presencial até 5º ano em escola particular só retorna em 2021

Consórcio define em reunião que atividades na rede privada serão retomadas junto com as da pública

Anderson Fattori
Do Diário do Grande ABC

12/08/2020 | 08:07


Prefeitos e representantes das sete cidades do Grande ABC se reuniram virtualmente ontem, em assembleia do Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, para discutir a retomada das aulas presenciais. O colegiado decidiu que as atividades na rede privada não vão reiniciar antes das da rede pública. Assim, Santo André, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra, que já haviam descartado retomar as aulas presenciais nas escolas municipais neste ano, também só permitirão aos colégios privados que atendem berçário, pré-escola e até o 5º ano do ensino fundamental, estágios que competem aos municípios, que voltem só em 2021.

Prefeituras de São Bernardo, São Caetano e Diadema afirmaram que vão acompanhar o andamento da pandemia e só vão tomar decisão sobre o retorno das escolas municipais e, por consequência, das particulares no dia 30 de setembro.

Na sexta-feira, o governador João Doria (PSDB) determinou o retorno das escolas estaduais a partir do dia 7 de outubro nas regiões que estejam há pelo menos 28 dias na fase amarela do Plano São Paulo, que normatiza a flexibilização da quarentena, caso do Grande ABC. O retorno das atividades, porém, depende da liberação das prefeituras das cidades nas quais as escolas estão inseridas. O mesmo acontece com as aulas de reforço e complemento, que foram autorizadas pelo governador para serem realizadas presencialmente nas escolas a partir do dia 8 de setembro.

A decisão tomada ontem pelo Consórcio foi baseada nas orientação dos GTs (Grupos de Trabalho) Educação e Saúde do colegiado, que reúnem representantes das pastas das sete cidades e também com base em pesquisas realizadas recentemente pelas prefeituras com os responsáveis pelos alunos. No total, foram ouvidas 87.609 pessoas e 83,8% se posicionaram contra o retorno das aulas presenciais (veja na arte acima).

A rede municipal do Grande ABC é composta de 645 escolas, com mais de 200 mil alunos matriculados, 13,2 mil professores e 9.800 funcionários.

“A decisão dos prefeitos tem como objetivo assegurar que o retorno às aulas seja responsável, cuidadoso e seguro, de forma a garantir prevenção e segurança a alunos, professores e funcionários tanto das redes pública quanto da privada”, afirmou o presidente do colegiado, Gabriel Maranhão (Cidadania), que também é prefeito de Rio Grande da Serra. “Ainda nos encontramos em momento de grande índice de contaminados. A gente sabe que as crianças, geralmente, não apresentam sintomas e são risco para os mais velhos. Temos universo de 200 mil alunos nas redes municipais e se cada um pegar, cuja família tenha em média quatro pessoas, serão 800 mil pessoas contaminadas, o que corresponde a 30% da população do Grande ABC. É um grande risco”, acrescentou.

Presidente da Aesp (Associação das Escolas Particulares) ABC, Oswana Fameli mostrou mais uma vez descontentamento com a decisão do Consórcio. Segundo a dirigente, os donos de escolas não foram convidados para discutir o assunto e tentar achar uma solução. “Gostaríamos de ter participado da construção desta decisão. Pedimos, urgentemente, que o poder público estude iniciativas para socorrer as escolas. Principalmente as de educação infantil. As escolas particulares estão prontas e equipadas para receberem seus alunos, quando liberadas”, garantiu Oswana.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;