Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dívidas trabalhistas da Pan somam R$ 500 mil

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Segundo sindicato, fábrica de chocolates deve valores a 40 demitidos desde 2017


Yara Ferraz
Do Diário do Grande BC

11/08/2020 | 00:05


Ex-funcionários da fábrica de chocolates Pan, localizada no bairro Santa Paula, em São Caetano, fizeram manifestação na porta da fábrica ontem, reivindicando o pagamento de verbas rescisórias devidas desde 2017. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Laticínios e Alimentação da região, a estimativa é a de que a empresa deva cerca de R$ 500 mil – incluindo multas – já que não efetua o pagamento parcelado desde novembro do ano passado.

Pelo menos 40 ex-funcionários pararam de receber os valores em haver desde novembro do ano passado, de acordo com o advogado da entidade, Roberval Pedrosa. “A Pan não anda bem financeiramente há mais de três anos, no mesmo período que vem mandando os trabalhadores embora e gerando grandes demandas judiciárias. De novembro de 2019 para cá, a empresa parou de pagar todos os acordos que estavam em vigor. Já nos reunimos com os dirigentes, e eles alegam que não têm condição de pagar. Por isso estamos pedimos bloqueio das contas da empresa, penhora de faturamento, enfim, todos os mecanismos judiciais estão sendo utilizados para que o trabalhador receba esse crédito”, assinalou ele.

Segundo o advogado, o TRT (Tribunal Regional do Trabalho) permitiu a penhora de parte do faturamento da Pan para o pagamento. Segundo os manifestantes, cerca de 100 pessoas estão na mesma situação. O sindicato informou que, apesar das demissões feitas desde 2017 chegarem a este número, 40 estão com os pagamentos em atraso, e que a maioria dos acordos já terminou.

Questionada sobre o assunto pelo Diário, a Chocolates Pan afirmou, por meio de nota, que atravessa período de reestruturação, “onde dificuldades operacionais são encontradas e, neste momento, potencializadas com o atual cenário da pandemia causado pela Covid-19. Mesmo diante deste quadro, estamos buscando alternativas para solucionar a situação”, informou a empresa, que também acrescentou que os ex-funcionários que participaram do manifesto “estão em litígio com a companhia”. “Desta forma, não comentaremos casos sub júdice.”

A fábrica possui hoje 70 empregados e continua produzindo, apesar de ter aplicado a redução de 25% da jornada e trabalho, de acordo com o sindicato. A loja está fechada para reforma, segundo a portaria, e irá reabrir no dia 20.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dívidas trabalhistas da Pan somam R$ 500 mil

Segundo sindicato, fábrica de chocolates deve valores a 40 demitidos desde 2017

Yara Ferraz
Do Diário do Grande BC

11/08/2020 | 00:05


Ex-funcionários da fábrica de chocolates Pan, localizada no bairro Santa Paula, em São Caetano, fizeram manifestação na porta da fábrica ontem, reivindicando o pagamento de verbas rescisórias devidas desde 2017. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Laticínios e Alimentação da região, a estimativa é a de que a empresa deva cerca de R$ 500 mil – incluindo multas – já que não efetua o pagamento parcelado desde novembro do ano passado.

Pelo menos 40 ex-funcionários pararam de receber os valores em haver desde novembro do ano passado, de acordo com o advogado da entidade, Roberval Pedrosa. “A Pan não anda bem financeiramente há mais de três anos, no mesmo período que vem mandando os trabalhadores embora e gerando grandes demandas judiciárias. De novembro de 2019 para cá, a empresa parou de pagar todos os acordos que estavam em vigor. Já nos reunimos com os dirigentes, e eles alegam que não têm condição de pagar. Por isso estamos pedimos bloqueio das contas da empresa, penhora de faturamento, enfim, todos os mecanismos judiciais estão sendo utilizados para que o trabalhador receba esse crédito”, assinalou ele.

Segundo o advogado, o TRT (Tribunal Regional do Trabalho) permitiu a penhora de parte do faturamento da Pan para o pagamento. Segundo os manifestantes, cerca de 100 pessoas estão na mesma situação. O sindicato informou que, apesar das demissões feitas desde 2017 chegarem a este número, 40 estão com os pagamentos em atraso, e que a maioria dos acordos já terminou.

Questionada sobre o assunto pelo Diário, a Chocolates Pan afirmou, por meio de nota, que atravessa período de reestruturação, “onde dificuldades operacionais são encontradas e, neste momento, potencializadas com o atual cenário da pandemia causado pela Covid-19. Mesmo diante deste quadro, estamos buscando alternativas para solucionar a situação”, informou a empresa, que também acrescentou que os ex-funcionários que participaram do manifesto “estão em litígio com a companhia”. “Desta forma, não comentaremos casos sub júdice.”

A fábrica possui hoje 70 empregados e continua produzindo, apesar de ter aplicado a redução de 25% da jornada e trabalho, de acordo com o sindicato. A loja está fechada para reforma, segundo a portaria, e irá reabrir no dia 20.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;