Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 29 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Turismo

turismo@dgabc.com.br | 4435-8367

Descubra as paisagens exuberantes do Monte Roraima

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Redação
Do Rota de Férias

10/08/2020 | 11:18


A pandemia do novo coronavírus fez com que muitas pessoas passassem a olhar com mais carinho para as viagens nacionais assim que for seguro tirar férias. Por sorte, há destinos belíssimos no país, muitos deles ainda pouco conhecidos do grande público. Um exemplo é o Monte Roraima, situado na divisa entre Brasil, Venezuela e República Cooperativista da Guiana.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas de viagem? Assine nossa newsletter neste link.

Frequentado por aventureiros, cientistas, biólogos, antropólogos, esotéricos, fotógrafos, cineastas e  místicos, o local marca o sétimo ponto mais elevado do Brasil, com 2.739 metros. Seu nome deu origem ao estado de Roraima e é formado pelas palavras “roroi” (verde azulado) e “ima” (grande), na língua pemon (de indígenas que vivem ao sul da Venezuela).

A história do Monte Roraima

O primeiro homem a catalogar o local foi o inglês Sir Walter Raleigh em 1595, que chegou até a base, mas não conseguiu subir o Monte Roraima. Essa proeza foi realizada apenas em 1884, quando o botânico Everard Im Thurn explorou a região. Seus relatos teriam inspirado o escritor Arthur Conan Doyle a romance o livro “O Mundo Perdido”.

Dulce Marchioro – Divulgação
Lagoa no Monte Roraima

 

Como todos os picos da região, o Monte Roraima começou a ser formado há quase dois bilhões de anos, quando nem sequer os continentes apresentavam seus contornos atuais. Em seu topo há pedras escuras com formas e dimensões distintas que variam conforme a luz, formando uma paisagem belíssima.

Muitos trechos de seus quase 90 km de área permanecem intocados, seja pela dificuldade de acesso ou pelas crenças indígenas que os isolam. O Vale dos Cristais, local próximo ao ponto que marca a tríplice fronteira, por exemplo, só foi desbravado em 1976.

Tudo  isso emprestou uma aura de mistério ao Monte Roraima. Visitantes e estudiosos juram ter visto criaturas pré-históricas ou ouvido urros estranhos por lá, o que atrai muitos místicos à região. Os únicos seres vivos devidamente registrados no topo, porém, são formados por grupos de pássaros, insetos e anfíbios – entre eles a peculiar borboleta-tigre e o sapo preto da barriga vermelha, do tamanho de uma unha.

Estima-se que pelo menos 400 tipos de bromélias e mais de 2 mil tipos de flores e samambaias compõem a diversidade da flora do Monte Roraima. Forçadas a adaptar-se por causa da falta de nutrientes do solo, elas evoluíram em novas espécies – as bromélias, por exemplo, criaram surpreendentes hábitos carnívoros, alimentando-se de insetos.

O que fazer no Monte Roraima

Quem vai ao Monte Roraima pode fazer trekkings de diferentes níveis para se conectar com a natureza e ver de perto as grandes atrações da região, O marco piramidal que define a tríplice fronteira (um elemento totalmente estranho à paisagem) fica numa espécie de arena, cercado por impressionantes formações. De um lado, desprende-se o Vale dos Cristais, extenso e bonito (na Venezuela). Do outro, o temido Labirinto (na Guiana).

Um caminho repleto de fendas e lagoas leva ao paredão do lado brasileiro. Muito além do Labirinto fica o Lago Gladys. Alguns índios dizem que o local não existe e criam dificuldades para quem deseja encarar os mais dois dias de trilha “suicida” a partir do ponto tríplice. O caminho ao Gladys é apenas um entre os muitos temores dos índios pemons, que exercem um estranho controle sobre a montanha.

Sozinho ou em grupo, fazer as trilhas que levam ao topo do Monte Roraima é uma aventura inesquecível. Para realizá-la, no entanto, é preciso se planejar com calma e ter um bom preparo físico.

Serviço

Como chegar

O Monte Roraima fica ao norte do estado de Roraima, na fronteira com a Venezuela e Guiana. A melhor forma de chegar lá é pegar um avião até Boa Vista. A partir da capital, deve-se rodar quase três horas pela BR 174 até Santa Elena de Uairén, totalmente asfaltada. Depois, mais 68 km até a entrada da vicinal que conduz à Comunidade Indígena de Paraitepuy, localizada no Parque Nacional Canaima.

Quando ir

A melhor época é no período menos chuvoso, que compreende os meses de setembro a abril. Nesse período, as trilhas ficam menos escorregadias, a travessia de alguns rios é menos complicada e há um pouco mais de “conforto” nos acampamentos. As viagens nos outros períodos representam uma aventura maior, compensada também pelo espetáculo das cachoeiras mais densas. A temperatura na base oscila em torno dos 20ºC, e no topo fica por volta de zero graus à noite.

Quem leva

A Roraima Adventures é uma das principais operadoras de turismo da região. Mais informações e reservas: www.roraimaadventures.com.br ou (95) 3624-9611

Melhores lugares para ver a natureza

Confira aqui diversos destinos espalhados pelo mundo indicados para quem deseja contemplar belezas naturais.

  • Crédito: Pixabay
    Aruba - Aruba é uma ilha localizada no Caribe, próxima a Venezuela. O local é conhecido por flamingos que rodeiam a orla das praias
  • Aruba
  • Parque Nacional Virunga, Congo - O local é o primeiro parque nacional do continente africano. A região é conhecida por ser o habitat natural dos gorilas da montanha. Além disso, no parque, é possível ver outros animais, como hipopótamos, elefantes, girafas, chimpanzés, búfalos e aves endêmicas
  • Parque Nacional Virunga, Congo
  • Crédito: Pixabay
    Parque Nacional dos Everglades, EUA - Este parque é o lar do famoso crocodilo americano. Para conhecer esta reserva, o ideal é participar de excursões
  • Crédito: Pixabay
    Parque Nacional dos Everglades, EUA
  • Fernando de Noronha, Brasil - Fernando de Noronha é um arquipélago brasileiro e mundialmente conhecido. O local conta com belas paisagens e a vida marinha chama a atenção com a presença de golfinhos e tartarugas
  • Crédito: Pixabay
    Fernando de Noronha, Brasil
  • Ilhas Galápagos, Equador - Localizadas no Oceano Pacífico, essas ilhas são famosas por serem o lar das tartarugas de Galápagos. Além disso, é possível encontrar iguanas terrestres e marinhas, lagartos, leões marinhos e aves
  • Ilhas Galápagos, Equador
  • Crédito: Pixabay
    Big Major Cay, Bahamas - A ilha Big Major Cay é conhecida por ser povoada por uma colônia de porcos selvagens
  • Crédito: Pixabay
    Big Major Cay, Bahamas
  • Crédito: Pixabay
    Parque Nacional Serengeti, Tanzânia - Este local é conhecido por reunir em um único ambiente os conhecidos “big five” -leão, elefante, leopardo, rinoceronte e búfalo
  • Crédito: Pixabay
    Parque Nacional Serengeti, Tanzânia
  • Crédito: Pixabay
    Ilha Kangaroo, Austrália - Esta ilha é ideal para ver animais selvagens em liberdade, como o próprio nome diz, o canguru
  • Crédito: Pixabay
    Ilha Kangaroo, Austrália
  • Abrolhos, Brasil - Abrolhos é um arquipélago brasileiro conhecido por sua beleza marinha. O local conta com muitos atrativos, como corais e baleias
  • Crédito: Pixabay
    Abrolhos, Brasil
  • Parque Eco-turístico de Iberá, Argentina - Este parque conta com muitas espécies variadas, como jacaré, capivara, lobinho do rio, cervo dos pântanos, lobo-guará e outros
  • Crédito: Pablodda on VisualHunt / CC BY
    Parque Eco-turístico de Iberá, Argentina
  • Crédito: Pixabay
    Alasca, EUA - O Alasca é maior estado dos Estados Unidos. O local é conhecido por suas belezas com neve e é ideal para ver ursos
  • Crédito: Pixabay
    Alasca, EUA
  • Pantanal, Brasil - O Pantanal é uma região e um bioma brasileiro. No local é possível admirar muitas belezas naturais e ver animais selvagens
  • Pantanal, Brasil
  • Crédito: Pixabay
    Ilhas Lofoten, Noruega - Lofoten é um arquipélago na Noruega e é ideal para ver animais marinhos, como as orcas
  • Crédito: Pixabay
    Ilhas Lofoten, Noruega
  • Reserva Natural Inkwenkwezi, África do Sul - Esta reserva no continente africano conta com a presença de muitos animais como leões
  • Reserva Natural Inkwenkwezi, África do Sul
  • Floresta dos Macacos de Ubud, Indonésia - Localizada em Bali, esta floresta é o lar dos macacos de cauda longa. Os bichos são bem simpáticos e adoram uma fotografia
  • Crédito: Pixabay
    Floresta dos Macacos de Ubud, Indonésia

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Descubra as paisagens exuberantes do Monte Roraima

Redação
Do Rota de Férias

10/08/2020 | 11:18


A pandemia do novo coronavírus fez com que muitas pessoas passassem a olhar com mais carinho para as viagens nacionais assim que for seguro tirar férias. Por sorte, há destinos belíssimos no país, muitos deles ainda pouco conhecidos do grande público. Um exemplo é o Monte Roraima, situado na divisa entre Brasil, Venezuela e República Cooperativista da Guiana.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas de viagem? Assine nossa newsletter neste link.

Frequentado por aventureiros, cientistas, biólogos, antropólogos, esotéricos, fotógrafos, cineastas e  místicos, o local marca o sétimo ponto mais elevado do Brasil, com 2.739 metros. Seu nome deu origem ao estado de Roraima e é formado pelas palavras “roroi” (verde azulado) e “ima” (grande), na língua pemon (de indígenas que vivem ao sul da Venezuela).

A história do Monte Roraima

O primeiro homem a catalogar o local foi o inglês Sir Walter Raleigh em 1595, que chegou até a base, mas não conseguiu subir o Monte Roraima. Essa proeza foi realizada apenas em 1884, quando o botânico Everard Im Thurn explorou a região. Seus relatos teriam inspirado o escritor Arthur Conan Doyle a romance o livro “O Mundo Perdido”.

Dulce Marchioro – Divulgação
Lagoa no Monte Roraima

 

Como todos os picos da região, o Monte Roraima começou a ser formado há quase dois bilhões de anos, quando nem sequer os continentes apresentavam seus contornos atuais. Em seu topo há pedras escuras com formas e dimensões distintas que variam conforme a luz, formando uma paisagem belíssima.

Muitos trechos de seus quase 90 km de área permanecem intocados, seja pela dificuldade de acesso ou pelas crenças indígenas que os isolam. O Vale dos Cristais, local próximo ao ponto que marca a tríplice fronteira, por exemplo, só foi desbravado em 1976.

Tudo  isso emprestou uma aura de mistério ao Monte Roraima. Visitantes e estudiosos juram ter visto criaturas pré-históricas ou ouvido urros estranhos por lá, o que atrai muitos místicos à região. Os únicos seres vivos devidamente registrados no topo, porém, são formados por grupos de pássaros, insetos e anfíbios – entre eles a peculiar borboleta-tigre e o sapo preto da barriga vermelha, do tamanho de uma unha.

Estima-se que pelo menos 400 tipos de bromélias e mais de 2 mil tipos de flores e samambaias compõem a diversidade da flora do Monte Roraima. Forçadas a adaptar-se por causa da falta de nutrientes do solo, elas evoluíram em novas espécies – as bromélias, por exemplo, criaram surpreendentes hábitos carnívoros, alimentando-se de insetos.

O que fazer no Monte Roraima

Quem vai ao Monte Roraima pode fazer trekkings de diferentes níveis para se conectar com a natureza e ver de perto as grandes atrações da região, O marco piramidal que define a tríplice fronteira (um elemento totalmente estranho à paisagem) fica numa espécie de arena, cercado por impressionantes formações. De um lado, desprende-se o Vale dos Cristais, extenso e bonito (na Venezuela). Do outro, o temido Labirinto (na Guiana).

Um caminho repleto de fendas e lagoas leva ao paredão do lado brasileiro. Muito além do Labirinto fica o Lago Gladys. Alguns índios dizem que o local não existe e criam dificuldades para quem deseja encarar os mais dois dias de trilha “suicida” a partir do ponto tríplice. O caminho ao Gladys é apenas um entre os muitos temores dos índios pemons, que exercem um estranho controle sobre a montanha.

Sozinho ou em grupo, fazer as trilhas que levam ao topo do Monte Roraima é uma aventura inesquecível. Para realizá-la, no entanto, é preciso se planejar com calma e ter um bom preparo físico.

Serviço

Como chegar

O Monte Roraima fica ao norte do estado de Roraima, na fronteira com a Venezuela e Guiana. A melhor forma de chegar lá é pegar um avião até Boa Vista. A partir da capital, deve-se rodar quase três horas pela BR 174 até Santa Elena de Uairén, totalmente asfaltada. Depois, mais 68 km até a entrada da vicinal que conduz à Comunidade Indígena de Paraitepuy, localizada no Parque Nacional Canaima.

Quando ir

A melhor época é no período menos chuvoso, que compreende os meses de setembro a abril. Nesse período, as trilhas ficam menos escorregadias, a travessia de alguns rios é menos complicada e há um pouco mais de “conforto” nos acampamentos. As viagens nos outros períodos representam uma aventura maior, compensada também pelo espetáculo das cachoeiras mais densas. A temperatura na base oscila em torno dos 20ºC, e no topo fica por volta de zero graus à noite.

Quem leva

A Roraima Adventures é uma das principais operadoras de turismo da região. Mais informações e reservas: www.roraimaadventures.com.br ou (95) 3624-9611

Melhores lugares para ver a natureza

Confira aqui diversos destinos espalhados pelo mundo indicados para quem deseja contemplar belezas naturais.

  • Crédito: Pixabay
    Aruba - Aruba é uma ilha localizada no Caribe, próxima a Venezuela. O local é conhecido por flamingos que rodeiam a orla das praias
  • Aruba
  • Parque Nacional Virunga, Congo - O local é o primeiro parque nacional do continente africano. A região é conhecida por ser o habitat natural dos gorilas da montanha. Além disso, no parque, é possível ver outros animais, como hipopótamos, elefantes, girafas, chimpanzés, búfalos e aves endêmicas
  • Parque Nacional Virunga, Congo
  • Crédito: Pixabay
    Parque Nacional dos Everglades, EUA - Este parque é o lar do famoso crocodilo americano. Para conhecer esta reserva, o ideal é participar de excursões
  • Crédito: Pixabay
    Parque Nacional dos Everglades, EUA
  • Fernando de Noronha, Brasil - Fernando de Noronha é um arquipélago brasileiro e mundialmente conhecido. O local conta com belas paisagens e a vida marinha chama a atenção com a presença de golfinhos e tartarugas
  • Crédito: Pixabay
    Fernando de Noronha, Brasil
  • Ilhas Galápagos, Equador - Localizadas no Oceano Pacífico, essas ilhas são famosas por serem o lar das tartarugas de Galápagos. Além disso, é possível encontrar iguanas terrestres e marinhas, lagartos, leões marinhos e aves
  • Ilhas Galápagos, Equador
  • Crédito: Pixabay
    Big Major Cay, Bahamas - A ilha Big Major Cay é conhecida por ser povoada por uma colônia de porcos selvagens
  • Crédito: Pixabay
    Big Major Cay, Bahamas
  • Crédito: Pixabay
    Parque Nacional Serengeti, Tanzânia - Este local é conhecido por reunir em um único ambiente os conhecidos “big five” -leão, elefante, leopardo, rinoceronte e búfalo
  • Crédito: Pixabay
    Parque Nacional Serengeti, Tanzânia
  • Crédito: Pixabay
    Ilha Kangaroo, Austrália - Esta ilha é ideal para ver animais selvagens em liberdade, como o próprio nome diz, o canguru
  • Crédito: Pixabay
    Ilha Kangaroo, Austrália
  • Abrolhos, Brasil - Abrolhos é um arquipélago brasileiro conhecido por sua beleza marinha. O local conta com muitos atrativos, como corais e baleias
  • Crédito: Pixabay
    Abrolhos, Brasil
  • Parque Eco-turístico de Iberá, Argentina - Este parque conta com muitas espécies variadas, como jacaré, capivara, lobinho do rio, cervo dos pântanos, lobo-guará e outros
  • Crédito: Pablodda on VisualHunt / CC BY
    Parque Eco-turístico de Iberá, Argentina
  • Crédito: Pixabay
    Alasca, EUA - O Alasca é maior estado dos Estados Unidos. O local é conhecido por suas belezas com neve e é ideal para ver ursos
  • Crédito: Pixabay
    Alasca, EUA
  • Pantanal, Brasil - O Pantanal é uma região e um bioma brasileiro. No local é possível admirar muitas belezas naturais e ver animais selvagens
  • Pantanal, Brasil
  • Crédito: Pixabay
    Ilhas Lofoten, Noruega - Lofoten é um arquipélago na Noruega e é ideal para ver animais marinhos, como as orcas
  • Crédito: Pixabay
    Ilhas Lofoten, Noruega
  • Reserva Natural Inkwenkwezi, África do Sul - Esta reserva no continente africano conta com a presença de muitos animais como leões
  • Reserva Natural Inkwenkwezi, África do Sul
  • Floresta dos Macacos de Ubud, Indonésia - Localizada em Bali, esta floresta é o lar dos macacos de cauda longa. Os bichos são bem simpáticos e adoram uma fotografia
  • Crédito: Pixabay
    Floresta dos Macacos de Ubud, Indonésia

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;