Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Gaeco investiga Morando por lavagem de dinheiro

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Em avanço da Barbatanas, MP apura se negociações imobiliárias ocultaram bens do prefeito de S.Bernardo


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

09/08/2020 | 00:01


O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), núcleo do Ministério Público paulista, investiga o prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), por suspeita de corrupção passiva e de ocultação e lavagem de dinheiro em inquérito de desdobramento da Operação Barbatanas.

São investigadas também outras duas figuras ligadas à Barbatanas, deflagrada pelo MP em outubro de 2017: o vereador afastado e ex-secretário de Gestão Ambiental Mario de Abreu (ex-PSDB, atual PDT) e o empresário Clóvis Rueda.

A apuração dos promotores teve início a partir da quebra do sigilo telefônico de Mario – acusado na Barbatanas de vender licenças ambientais e cargos na pasta, o que ele nega. Nas conversas, conforme o Gaeco, constatou-se que Mario, Rueda e Morando mantiveram inúmeros diálogos.

Em alguns deles, Mario e Rueda tratam sobre “doações (eleitorais à campanha de Morando e de Mario) e eventuais benefícios decorrentes da vitória de Orlando Morando Júnior, bem como sobre quem e como seria feito para ‘esquentar’ o dinheiro deste (Morando)”, de acordo com trecho do PIC (Procedimento Investigatório Criminal) instaurado em 29 de agosto de 2018, assinado pelo procurador João Antônio Bastos Garreta Prats e pelo promotor Cleber Takashi Murakawa.

Advogado e ex-assessor de Morando, Mario de Abreu foi candidato a vereador em 2016 pelo PSDB, se elegendo com 3.014 votos. Rueda, dono da empresa Cydak do Brasil, doou R$ 5.000 para campanha a vereador do então tucano. Ao projeto eleitoral de Morando, a doação foi de R$ 100 mil – a maior contribuição de pessoa física depois da própria colaboração de Morando.

Segundo trecho do PIC, o compartilhamento de provas da Barbatanas indicou que “os fatos podem configurar, em tese, lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores, bem como os crimes de associação criminosa e corrupção passiva”.

A investigação, ainda em curso, segue a linha de que a suspeita de lavagem de dinheiro foi feita via transações imobiliárias. O Gaeco mapeou dezenas de imóveis no nome de Morando e de sua empresa Ponto Bom Participações (atualmente OAC Participações). Nesta lista, há propriedades que estavam em nome de Mario e foram repassadas para a firma do prefeito de São Bernardo.

Os promotores decidiram também levantar a matrícula de imóveis em nome de José Carlos Vinturini, sócio de Morando na Ponto Bom; Carla Morando (PSDB), deputada estadual e mulher do prefeito de São Bernardo; Rueda e Mario de Abreu, bem como das empresas dos investigados.

Como o Diário mostrou no dia 19, a movimentação imobiliária de Morando já resultou em denúncia apresentada à PF (Polícia Federal) – 17 imóveis ou terrenos foram apresentados à instituição, sendo que a maioria foi adquirida por preço abaixo do valor venal, prática inusual no mercado.

Em nota, Morando disse que “desconhece qualquer investigação em andamento relativa a imóveis”. “O único procedimento a que teve conhecimento, o qual tramitava no âmbito do Tribunal de Justiça de São Paulo, foi devidamente arquivado após exaustiva e rigorosa análise do Ministério Público, que concluiu pela inexistência de qualquer irregularidade.” Tal procedimento, entretanto, determinou arquivamento só da parte que envolve Carla, sendo o restante ainda alvo de apuração do Gaeco e da Justiça Eleitoral, por ordem judicial.

Mario alegou inocência e afirmou que irá prová-la no curso do processo.  Rueda não foi localizado pelo Diário.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Gaeco investiga Morando por lavagem de dinheiro

Em avanço da Barbatanas, MP apura se negociações imobiliárias ocultaram bens do prefeito de S.Bernardo

Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

09/08/2020 | 00:01


O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), núcleo do Ministério Público paulista, investiga o prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), por suspeita de corrupção passiva e de ocultação e lavagem de dinheiro em inquérito de desdobramento da Operação Barbatanas.

São investigadas também outras duas figuras ligadas à Barbatanas, deflagrada pelo MP em outubro de 2017: o vereador afastado e ex-secretário de Gestão Ambiental Mario de Abreu (ex-PSDB, atual PDT) e o empresário Clóvis Rueda.

A apuração dos promotores teve início a partir da quebra do sigilo telefônico de Mario – acusado na Barbatanas de vender licenças ambientais e cargos na pasta, o que ele nega. Nas conversas, conforme o Gaeco, constatou-se que Mario, Rueda e Morando mantiveram inúmeros diálogos.

Em alguns deles, Mario e Rueda tratam sobre “doações (eleitorais à campanha de Morando e de Mario) e eventuais benefícios decorrentes da vitória de Orlando Morando Júnior, bem como sobre quem e como seria feito para ‘esquentar’ o dinheiro deste (Morando)”, de acordo com trecho do PIC (Procedimento Investigatório Criminal) instaurado em 29 de agosto de 2018, assinado pelo procurador João Antônio Bastos Garreta Prats e pelo promotor Cleber Takashi Murakawa.

Advogado e ex-assessor de Morando, Mario de Abreu foi candidato a vereador em 2016 pelo PSDB, se elegendo com 3.014 votos. Rueda, dono da empresa Cydak do Brasil, doou R$ 5.000 para campanha a vereador do então tucano. Ao projeto eleitoral de Morando, a doação foi de R$ 100 mil – a maior contribuição de pessoa física depois da própria colaboração de Morando.

Segundo trecho do PIC, o compartilhamento de provas da Barbatanas indicou que “os fatos podem configurar, em tese, lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores, bem como os crimes de associação criminosa e corrupção passiva”.

A investigação, ainda em curso, segue a linha de que a suspeita de lavagem de dinheiro foi feita via transações imobiliárias. O Gaeco mapeou dezenas de imóveis no nome de Morando e de sua empresa Ponto Bom Participações (atualmente OAC Participações). Nesta lista, há propriedades que estavam em nome de Mario e foram repassadas para a firma do prefeito de São Bernardo.

Os promotores decidiram também levantar a matrícula de imóveis em nome de José Carlos Vinturini, sócio de Morando na Ponto Bom; Carla Morando (PSDB), deputada estadual e mulher do prefeito de São Bernardo; Rueda e Mario de Abreu, bem como das empresas dos investigados.

Como o Diário mostrou no dia 19, a movimentação imobiliária de Morando já resultou em denúncia apresentada à PF (Polícia Federal) – 17 imóveis ou terrenos foram apresentados à instituição, sendo que a maioria foi adquirida por preço abaixo do valor venal, prática inusual no mercado.

Em nota, Morando disse que “desconhece qualquer investigação em andamento relativa a imóveis”. “O único procedimento a que teve conhecimento, o qual tramitava no âmbito do Tribunal de Justiça de São Paulo, foi devidamente arquivado após exaustiva e rigorosa análise do Ministério Público, que concluiu pela inexistência de qualquer irregularidade.” Tal procedimento, entretanto, determinou arquivamento só da parte que envolve Carla, sendo o restante ainda alvo de apuração do Gaeco e da Justiça Eleitoral, por ordem judicial.

Mario alegou inocência e afirmou que irá prová-la no curso do processo.  Rueda não foi localizado pelo Diário.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;