Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Família esclarece que casa de Ghosn em Beirute foi danificada, e não destruída



08/08/2020 | 15:01


O imóvel em que vive o executivo brasileiro Carlos Ghosn, ex-presidente da aliança Renault-Nissan, que se refugiou em Beirute no fim de 2019 depois de fugir da Justiça japonesa, não foi destruído, conforme havia declarado ao Estadão sua esposa, Carole Ghosn, na última terça-feira, 5. Uma fonte próxima à família esclareceu neste sábado, 8, que os danos na casa ficaram mais restritos a vidros e janelas e que a declaração de Carole refletiu a tensão do dia da explosão.

Segundo apurou o Estadão, o executivo e sua esposa não estavam em casa no momento do incidente. Foram informados pelos seguranças da casa que o imóvel havia ficado "inabitável". Quando voltaram, perceberam que os danos não eram tão graves. Ghosn vive no bairro cristão de Beirute, Achrafieh, que fica a cerca de 5 km da área do porto, onde ocorreu a explosão. A maior parte dos edifícios da área sofreu danos semelhantes.

A família está vivendo no Líbano depois que Carlos Ghosn, que estava em prisão domiciliar em Tóquio, empreendeu uma fuga ainda não totalmente explicada das autoridades japonesas. A residência de fachada cor-de-rosa da família - que, na verdade, pertence à Nissan, justamente a montadora que acusa o executivo de desvios - ficou famosa por ser uma espécie de "ponto de encontro" da imprensa após a chegada do ex-todo-poderoso da Renault-Nissan ao Líbano.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Família esclarece que casa de Ghosn em Beirute foi danificada, e não destruída


08/08/2020 | 15:01


O imóvel em que vive o executivo brasileiro Carlos Ghosn, ex-presidente da aliança Renault-Nissan, que se refugiou em Beirute no fim de 2019 depois de fugir da Justiça japonesa, não foi destruído, conforme havia declarado ao Estadão sua esposa, Carole Ghosn, na última terça-feira, 5. Uma fonte próxima à família esclareceu neste sábado, 8, que os danos na casa ficaram mais restritos a vidros e janelas e que a declaração de Carole refletiu a tensão do dia da explosão.

Segundo apurou o Estadão, o executivo e sua esposa não estavam em casa no momento do incidente. Foram informados pelos seguranças da casa que o imóvel havia ficado "inabitável". Quando voltaram, perceberam que os danos não eram tão graves. Ghosn vive no bairro cristão de Beirute, Achrafieh, que fica a cerca de 5 km da área do porto, onde ocorreu a explosão. A maior parte dos edifícios da área sofreu danos semelhantes.

A família está vivendo no Líbano depois que Carlos Ghosn, que estava em prisão domiciliar em Tóquio, empreendeu uma fuga ainda não totalmente explicada das autoridades japonesas. A residência de fachada cor-de-rosa da família - que, na verdade, pertence à Nissan, justamente a montadora que acusa o executivo de desvios - ficou famosa por ser uma espécie de "ponto de encontro" da imprensa após a chegada do ex-todo-poderoso da Renault-Nissan ao Líbano.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;