Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

Degelo do solo do Ártico gera elementos nocivos a serem jogados no meio ambiente

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Luís Felipe Soares

08/08/2020 | 23:59


As consequências do degelo mundial podem ser mais complicadas do que se imagina. Segundo análise recente, o derretimento de determinadas áreas acaba por liberar substâncias e doenças nocivas ao meio ambiente.

Com o aquecimento global se desenvolvendo ao longo dos anos, o desmanche do chamado permafrost ártico, solo que é formado por rochas, terra e sedimentos, é perigoso pelo local ser rico em matéria orgânica e possui aproximadamente 1,5 bilhão de toneladas de carbono.

Pesquisadores do The Woods Hole Research Center, organização de pesquisa científica do clima nos Estados Unidos, avaliaram que o aumento da temperatura faz com que elementos como metano, mercúrio tóxico e, claro, carbono, sejam jogados no ar. Vírus e bactérias que causaram doenças também estão no pacote.

Atualmente, a previsão é a de que entre 30% e 70% desse solo derreta até o ano de 2100. A estimativa pode melhorar caso o mundo realizar grandes ações para reduzir as mudanças climáticas causadas pela ação humana. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Degelo do solo do Ártico gera elementos nocivos a serem jogados no meio ambiente

Luís Felipe Soares

08/08/2020 | 23:59


As consequências do degelo mundial podem ser mais complicadas do que se imagina. Segundo análise recente, o derretimento de determinadas áreas acaba por liberar substâncias e doenças nocivas ao meio ambiente.

Com o aquecimento global se desenvolvendo ao longo dos anos, o desmanche do chamado permafrost ártico, solo que é formado por rochas, terra e sedimentos, é perigoso pelo local ser rico em matéria orgânica e possui aproximadamente 1,5 bilhão de toneladas de carbono.

Pesquisadores do The Woods Hole Research Center, organização de pesquisa científica do clima nos Estados Unidos, avaliaram que o aumento da temperatura faz com que elementos como metano, mercúrio tóxico e, claro, carbono, sejam jogados no ar. Vírus e bactérias que causaram doenças também estão no pacote.

Atualmente, a previsão é a de que entre 30% e 70% desse solo derreta até o ano de 2100. A estimativa pode melhorar caso o mundo realizar grandes ações para reduzir as mudanças climáticas causadas pela ação humana. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;