Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 25 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Trump volta a minimizar acordo com China e diz que não se sente 'da mesma forma'



04/08/2020 | 18:45


O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, voltou a minimizar a importância do acordo comercial com a China, assinado em janeiro deste ano. "O acordo com a China foi um grande acordo, mas não me sinto mais da mesma forma sobre isso", afirmou o republicano, em uma entrevista à Fox Business. O líder da Casa Branca também culpou Pequim pela pandemia de covid-19 e disse que o país asiático poderia ter parado a disseminação do coronavírus em Wuhan.

No dia 23 de julho, Trump já havia relativizado o pacto comercial sino-americano, em uma coletiva de imprensa sobre a pandemia. "O acordo comercial com a China significa muito menos para mim hoje do que quando o assinei", declarou o republicano na ocasião.

De acordo com fontes ouvidas pela Dow Jones Newswires, o representante comercial americano, Robert Lighthizer, e o vice-primeiro-ministro chinês Liu He, principal representante do presidente Xi Jinping em assuntos econômicos, devem realizar uma videoconferência no dia 15 de agosto para avaliar o acordo comercial.

Na entrevista à Fox Business, Trump mostrou confiança na recuperação econômica dos EUA. "Com certeza teremos uma recuperação em V", disse o republicano, que também descartou novas quarentenas no país. "Abriremos as escolas e queremos que as pessoas voltem ao trabalho", acrescentou.

O líder da Casa Branca ressaltou que será divulgado, na sexta-feira, o relatório de empregos (payroll) de julho. Nos últimos dois meses, houve criação de vagas de trabalho, após o impacto da pandemia. "Estávamos indo muito bem, mas fomos atingidos pela praga chinesa", afirmou Trump.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Trump volta a minimizar acordo com China e diz que não se sente 'da mesma forma'


04/08/2020 | 18:45


O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, voltou a minimizar a importância do acordo comercial com a China, assinado em janeiro deste ano. "O acordo com a China foi um grande acordo, mas não me sinto mais da mesma forma sobre isso", afirmou o republicano, em uma entrevista à Fox Business. O líder da Casa Branca também culpou Pequim pela pandemia de covid-19 e disse que o país asiático poderia ter parado a disseminação do coronavírus em Wuhan.

No dia 23 de julho, Trump já havia relativizado o pacto comercial sino-americano, em uma coletiva de imprensa sobre a pandemia. "O acordo comercial com a China significa muito menos para mim hoje do que quando o assinei", declarou o republicano na ocasião.

De acordo com fontes ouvidas pela Dow Jones Newswires, o representante comercial americano, Robert Lighthizer, e o vice-primeiro-ministro chinês Liu He, principal representante do presidente Xi Jinping em assuntos econômicos, devem realizar uma videoconferência no dia 15 de agosto para avaliar o acordo comercial.

Na entrevista à Fox Business, Trump mostrou confiança na recuperação econômica dos EUA. "Com certeza teremos uma recuperação em V", disse o republicano, que também descartou novas quarentenas no país. "Abriremos as escolas e queremos que as pessoas voltem ao trabalho", acrescentou.

O líder da Casa Branca ressaltou que será divulgado, na sexta-feira, o relatório de empregos (payroll) de julho. Nos últimos dois meses, houve criação de vagas de trabalho, após o impacto da pandemia. "Estávamos indo muito bem, mas fomos atingidos pela praga chinesa", afirmou Trump.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;