Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Ecoponte ameaça abandonar obra no Rio por impasse com Aeronáutica



04/08/2020 | 17:16


A Ecoponte, empresa do grupo EcoRodovias que administra a ponte Rio-Niterói, está prestes a abandonar a obra da Avenida Portuária, no Rio de Janeiro, faltando cerca de 6% para ser concluída, devido à dificuldade para ter acesso a uma área da Aeronáutica que está em disputa judicial com o arrendatário.

Segundo a Ecoponte, por causa dos custos, não será mais possível manter a equipe mobilizada para terminar a obra, que consiste na instalação de dois pilares de metal para finalizar a ligação da Avenida Brasil à zona portuária da cidade. A obra, no total de R$ 450 milhões, consiste em uma via exclusiva para caminhões ligando a principal avenida da cidade ao porto, desafogando assim o pesado trânsito da Avenida Brasil. Se cumprir a ameaça, a obra ficará inacabada, afirma a empresa.

Uma das alças da via foi inaugurada em fevereiro pelo presidente Jair Bolsonaro junto com outras autoridades do governo e uma polêmica participação do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Criminal. A obra é a principal construção em andamento no Estado e a previsão é de que seja concluída em janeiro de 2021, se o impasse conseguir se resolvido. Antes, a previsão era maio deste ano.

O Grupo Ecorodovias viu seu lucro cair 41,2% no segundo trimestre do ano impactado pela redução do tráfego causado pelo isolamento social durante a pandemia de covid-19 no período. De 16 de março a 21 de julho, o tráfego nas rodovias operadas pela empresa caiu 18% em relação ao mesmo período do ano passado, levando a queda acumulada no ano para 7,5%.

De acordo com o Comando da Aeronáutica (Comaer), o acesso ao trecho depende do cumprimento de uma ordem judicial para que a empresa arrendatária desocupe o imóvel público. Só após essa decisão poderá dar prosseguimento ao processo de reversão do imóvel à Superintendência de Patrimônio da União no Estado do Rio de Janeiro (SPU/RJ), a quem cabe destinar o imóvel público para possibilitar a implantação de obra.

O processo de reintegração de posse está sendo conduzido pela Justiça Federal, por meio da Advocacia-Geral da União (AGU), informou a Aeronáutica. O órgão não disse, porém, qual a previsão de uma solução para o caso, e nem comentou a decisão da Ecoponte.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ecoponte ameaça abandonar obra no Rio por impasse com Aeronáutica


04/08/2020 | 17:16


A Ecoponte, empresa do grupo EcoRodovias que administra a ponte Rio-Niterói, está prestes a abandonar a obra da Avenida Portuária, no Rio de Janeiro, faltando cerca de 6% para ser concluída, devido à dificuldade para ter acesso a uma área da Aeronáutica que está em disputa judicial com o arrendatário.

Segundo a Ecoponte, por causa dos custos, não será mais possível manter a equipe mobilizada para terminar a obra, que consiste na instalação de dois pilares de metal para finalizar a ligação da Avenida Brasil à zona portuária da cidade. A obra, no total de R$ 450 milhões, consiste em uma via exclusiva para caminhões ligando a principal avenida da cidade ao porto, desafogando assim o pesado trânsito da Avenida Brasil. Se cumprir a ameaça, a obra ficará inacabada, afirma a empresa.

Uma das alças da via foi inaugurada em fevereiro pelo presidente Jair Bolsonaro junto com outras autoridades do governo e uma polêmica participação do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Criminal. A obra é a principal construção em andamento no Estado e a previsão é de que seja concluída em janeiro de 2021, se o impasse conseguir se resolvido. Antes, a previsão era maio deste ano.

O Grupo Ecorodovias viu seu lucro cair 41,2% no segundo trimestre do ano impactado pela redução do tráfego causado pelo isolamento social durante a pandemia de covid-19 no período. De 16 de março a 21 de julho, o tráfego nas rodovias operadas pela empresa caiu 18% em relação ao mesmo período do ano passado, levando a queda acumulada no ano para 7,5%.

De acordo com o Comando da Aeronáutica (Comaer), o acesso ao trecho depende do cumprimento de uma ordem judicial para que a empresa arrendatária desocupe o imóvel público. Só após essa decisão poderá dar prosseguimento ao processo de reversão do imóvel à Superintendência de Patrimônio da União no Estado do Rio de Janeiro (SPU/RJ), a quem cabe destinar o imóvel público para possibilitar a implantação de obra.

O processo de reintegração de posse está sendo conduzido pela Justiça Federal, por meio da Advocacia-Geral da União (AGU), informou a Aeronáutica. O órgão não disse, porém, qual a previsão de uma solução para o caso, e nem comentou a decisão da Ecoponte.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;