Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Brasil mantém meta de zerar desmatamento ilegal na Amazônia até 2030, diz Salles



04/08/2020 | 15:50


O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse nesta terça-feira, 4, que mudança no Plano Plurianual (PPA) de 2020 a 2023 não acaba com meta do Brasil de zerar o desmatamento ilegal na Amazônia até 2030. O compromisso foi firmado pelo Acordo de Paris.

A manifestação de Salles foi feita em entrevista à imprensa, após o Estadãoo revelar que o Meio Ambiente pede para ser desconsiderado o objetivo de reduzir desmatamentos e queimadas ilegais em 90% em todos os biomas do País, previsto no PPA. Em troca, a pasta deseja comprometer-se a conservar 390 mil hectares de floresta nativa na Amazônia, área menor do que 0,1% da Amazônia Legal.

Salles afirmou que a mudança no plano tem como objetivo traçar uma estratégia "ano a ano" para conseguir zerar o desmatamento na Amazônia até 2030. "Essa sugestão foi discutida com o Ministério da Economia, inclusive numa reunião virtual na semana passada. E ficou o consenso de que essa forma de fazer o atingimento da meta, através de passos concretos, é a maneira mais adequada", disse o ministro.

Como mostrou o Estadão, a área técnica da Economia reconheceu que a meta pode ser alterada, mas considerou a alternativa apresentada por Salles insuficiente. "Tem-se que a meta proposta para o combate ao desmatamento e incêndio florestal no País objetiva proteger 0,07% da cobertura florestal amazônica com um projeto piloto de pagamento de serviços ambientais da floresta. Dessa maneira, acreditamos que o Programa Floresta+ é relevante, porém insuficiente", afirma o documento da equipe econômica. O programa citado foi lançado recentemente e ainda está em fase embrionária.

Salles não explicou se o acordo com a Economia é para acatar a meta de conservar 390 mil hectares na Amazônia, ou se a sugestão será ampliada, como recomendou a equipe de Paulo Guedes. A meta de quatro anos proposta pelo ministro corresponde a aproximadamente um terço do que foi desmatado no bioma amazônico no período de julho de 2018 a agosto de 2019. Neste intervalo, a destruição total da floresta chegou a 1 milhão de hectares, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

A nova proposta ainda acaba com metas para os demais biomas brasileiros. O PPA foi aprovado em dezembro passado pelo Congresso e sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro, que não vetou a meta questionada pelo Meio Ambiente. O plano serve para balizar a elaboração do Orçamento da União.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Brasil mantém meta de zerar desmatamento ilegal na Amazônia até 2030, diz Salles


04/08/2020 | 15:50


O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse nesta terça-feira, 4, que mudança no Plano Plurianual (PPA) de 2020 a 2023 não acaba com meta do Brasil de zerar o desmatamento ilegal na Amazônia até 2030. O compromisso foi firmado pelo Acordo de Paris.

A manifestação de Salles foi feita em entrevista à imprensa, após o Estadãoo revelar que o Meio Ambiente pede para ser desconsiderado o objetivo de reduzir desmatamentos e queimadas ilegais em 90% em todos os biomas do País, previsto no PPA. Em troca, a pasta deseja comprometer-se a conservar 390 mil hectares de floresta nativa na Amazônia, área menor do que 0,1% da Amazônia Legal.

Salles afirmou que a mudança no plano tem como objetivo traçar uma estratégia "ano a ano" para conseguir zerar o desmatamento na Amazônia até 2030. "Essa sugestão foi discutida com o Ministério da Economia, inclusive numa reunião virtual na semana passada. E ficou o consenso de que essa forma de fazer o atingimento da meta, através de passos concretos, é a maneira mais adequada", disse o ministro.

Como mostrou o Estadão, a área técnica da Economia reconheceu que a meta pode ser alterada, mas considerou a alternativa apresentada por Salles insuficiente. "Tem-se que a meta proposta para o combate ao desmatamento e incêndio florestal no País objetiva proteger 0,07% da cobertura florestal amazônica com um projeto piloto de pagamento de serviços ambientais da floresta. Dessa maneira, acreditamos que o Programa Floresta+ é relevante, porém insuficiente", afirma o documento da equipe econômica. O programa citado foi lançado recentemente e ainda está em fase embrionária.

Salles não explicou se o acordo com a Economia é para acatar a meta de conservar 390 mil hectares na Amazônia, ou se a sugestão será ampliada, como recomendou a equipe de Paulo Guedes. A meta de quatro anos proposta pelo ministro corresponde a aproximadamente um terço do que foi desmatado no bioma amazônico no período de julho de 2018 a agosto de 2019. Neste intervalo, a destruição total da floresta chegou a 1 milhão de hectares, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

A nova proposta ainda acaba com metas para os demais biomas brasileiros. O PPA foi aprovado em dezembro passado pelo Congresso e sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro, que não vetou a meta questionada pelo Meio Ambiente. O plano serve para balizar a elaboração do Orçamento da União.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;